Nuno Rogeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Nuno de Assis Simões da Costa Rogeiro (Portugal, 1957) é um jornalista português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Frequentou o Liceu Pedro Nunes e licenciou-se em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Integrou a Assembleia de Representantes da faculdade e participou no Movimento Independente de Direito, no rescaldo do 25 de Abril de 1974.

Tendo desenvolvido uma intensa actividade nos meios de comunicação social, foi redactor dos jornais O Dia, A Rua, O Século, O Diabo e O Independente e da revista K; colaborador da TSF, da Rádio Comercial e da Rádio Nostalgia. O programa Desmancha-Prazeres, com Vasco Pulido Valente, valeu-lhe o prémio Se7e de Ouro, em 1992. Na televisão, notabilizou-se no comentário de conflitos internacionais, nomeadamente com o acompanhamento da Guerra do Golfo, na RTP1, e da Guerra do Iraque, na SIC. Nesta última estação dirigiu Por Trás das Grades, em 2008, um programa especial sobre o campo de prisioneiros de Guantánamo. Além disso colaborou no desenvolvimento da Enciclopédia Pólis, a primeira de ciências sociais do país, e ajudou a fundar a revista Futuro Presente, com Jaime Nogueira Pinto.

Leccionou as disciplinas de Direito Constitucional e História das Ideias Políticas, na Universidade Lusíada de Lisboa, onde esteve envolvido na criação do Departamento de Relações Internacionais. Já antes tinha sido monitor de Ciência Política, na Faculdade de Direito de Lisboa.

Actualmente é co-apresentador com Martim Cabral e repórter do programa Sociedade das Nações, na SIC Notícias, colunista na revista Sábado e co-director do Instituto Euro-Atlântico - Associação para o Desenvolvimento das Relações Internacionais.

Publicou os livros O inimigo público - Carl Schmitt, Bin Laden e o terrorismo pós-moderno (2003) e Na rua árabe: causas e consequências das revoltas no Médio Oriente (2011).

Referências