O-Town

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O-Town
Informação geral
Origem Orlando, Flórida
País  Estados Unidos
Gênero(s) Pop, R&B, Pop rock
Período em atividade 20002003
2011-presente
Gravadora(s) Transcontinental Records, J Records, Sony BMG
Página oficial www.otownofficial.com
Integrantes
Dan Miller
Jacob Underwood
Erik-Michael Estrada
Trevor Penick
Ex-integrantes
Ashley Parker Angel
Ikaika Kahoano

O-Town é uma boy band americana de pop formada da primeira temporada do reality show da MTV intitulada Making the Band, que foi ao ar no ano 2000. Os membros da banda são Jacob Underwood, Erik-Michael Estrada, Trevor Penick e Dan Miller. Ashley Parker Angel resolveu não voltar para o grupo.[1] Após o lançamento de dois álbuns, um em 2000 e o outro em 2001, o quinteto terminou em 2003, mas algumas de suas canções ainda continuam populares atualmente. Eles foram gerenciados originalmente por Lou Pearlman durante a primeira temporada de Making the Band, e depois do reality show por Mike Cronin e Mike Morin.

História[editar | editar código-fonte]

2000: Making the Band e O-Town[editar | editar código-fonte]

O-Town foi reunido para a primeira temporada da série de reality show da ABC, Making the Band. Originalmente Ikaika Kahoano foi um dos cinco membros selecionados, mas uma disputa não revelada o levou a desistir, abrindo caminho para Dan Miller, que foi selecionado pelos quatro membros restantes. As classificações de Making the Band eram fortes o suficiente para justificar uma segunda temporada (e, eventualmente, terceira). Estas temporadas seguintes retratam o seu desenvolvimento como um grupo pop, seguindo as suas turnês e apresentações, etc. Tais eventos incluídos o desenvolvimento de seu segundo álbum, O2, sua transição para uma nova gravadora (J Records), e uma luta contínua para "provar-se como artistas legítimos". A terceira temporada de Making the Band foi transmitido na MTV, em vez da rede original, ABC.

Depois de uma temporada, Clive Davis, da J Records assinou com O-Town para seu novo selo. Davis acredita na comercialização do grupo, e programa o O-Town ser a estréia. Seu primeiro álbum, auto-intitulado de O-Town, impulsionado pela publicidade da série de televisão semanal, vendeu mais de dois milhões de cópias. Seu primeiro single, "Liquid Dreams", foi o primeiro single a alcançar o número 1 na parada da Billboard de vendas de singles sem alcançar a parada de Airplays. O single conseguiu atingir o pico no número 10 na Billboard Hot 100.

2001: "All or Nothing" e a continuação do sucesso[editar | editar código-fonte]

No entanto, sua novidade como personalidades da televisão logo passou, e o O-Town iria desfrutar de apenas um sucesso temporário. Jacob Underwood mesmo comentou, em uma recaptulação de Making the Band das temporadas um e dois, que depois de "Liquid Dreams", que só teve de provar ao público que eles não eram um sucesso temporário. No entanto, no final da primavera de 2001, O-Town lançou "All or Nothing" em 21 de julho de 2001, e a canção se tornou seu maior hit de sua carreira como um grupo. "All or Nothing" alcançou a posição #3 na Billboard Hot 100 e que a canção foi nomeado para vários prêmios, incluindo "Canção do Ano" durante os Radio Music Awards de 2001. O sucesso de "All or Nothing" concedeu-lhes a capacidade de ir para o ar com mais uma temporada de Making the Band. Perto do final da terceira temporada, fãs e telespectadores do O-Town assistiram enquanto tentavam levar sua carreira para o próximo nível, escrevendo sua própria música, ganhar o respeito de seus pares da indústria, e comercializar-se além de ser rotulado como uma "boy band". Eles nunca encontraram a aceitação do mercado que eles procuravam. Seu segundo álbum, O2, inicialmente prevista para o verão de 2002 (e planejou o single de estréia "I Showed Her" para algumas semanas antes do lançamento), foi adiada várias vezes, e como o tempo entre seu último single americano, o sucesso moderado "We Fit Together", e da antecipação de O2, sem novos singles para obter airplay e não teve novos episódios de Making the Band, a popularidade de O-Town começou a minguar.

2002-2003: O2 e o fim do grupo[editar | editar código-fonte]

O-Town tinha estourou na cena em que boy bands e outros tipos de pop chiclete estavam começando a cair e perder a sua influência. As vendas de seu segundo álbum de O-Town, O2, ficaram abaixo das expectativas. Seu single de estréia para O2, "These Are the Days", eventualmente entrou no Billboard Top 40 na 40ª posição, e os críticos, como os da Billboard.com, elogiaram seu segundo single, "I Showed Her" por ser uma música bem desenvolvida. Apesar deste sucesso moderado, O2 não estava nem perto do sucesso comercial de seu primeiro álbum, O-Town, e a banda saiu em turnê no verão de 2003 para promover o álbum. J Records demitiu a banda da gravadora em novembro de 2003.

Embora os fãs tentaram organizar campanhas para o O-Town assinar com uma nova gravadora, seus esforços tiveram pouco êxito. O grupo se desfez em 2003, e O-Town enviou um e-mail pessoal a todos os seus fãs, através do já extinto site O-town.com, agradecendo-os para as grandes memórias e experiências que tinham compartilhado juntos. No e-mail, os integrantes afirmaram que tinham dissolvido devido ao clima em mudança da indústria da música, junto com alguns problemas financeiros, insinuando que Lou Pearlman e sua empresa, Trans Continental Records, pode ter sido envolvido com essas questões. Nesse ponto, Pearlman já tinha experimentado muitos desafios legais por atos anteriores geridos por sua empresa, a Trans Continental, incluindo atos de grande sucesso, como os Backstreet Boys, 'N Sync, e Aaron Carter.

2006-2007: Carreiras solo[editar | editar código-fonte]

Os membros da O-Town foram para suas carreiras solo. O membro mais bem-sucedido do grupo tem sido Ashley Parker, que foi assinado com a Blackground da Universal Records, e também dado o seu próprio reality show na MTV, There and Back. Lançado em 2006, o álbum de estréia solo de Ashley foi fortemente promovido, mas não alcançou números sólidos de vendas. Em janeiro de 2007, começou a interpretar o papel de Link Larkin na produção da Broadway, Hairspray. Ex-companheiro de banda, Trevor Penick, agora profissionalmente conhecido como Tre Scott, assinou com a Mach 1 Music, e trabalhou com o estabelecido indústria produtor Eddie Galan. Os outros membros da banda manteve uma base de fãs e teve sucesso em seu próprio direito, como evidenciado por seus perfis do MySpace. Erik-Michael Estrada finalmente decidiu se juntar ao Exército e embarcou em um programa de treinamento. Jacob Underwood passou a iniciar sua própria banda de country Jacobs Loc.

2011-presente: Reunião[editar | editar código-fonte]

A partir de janeiro de 2011, segundo o relato do site TMZ, quatro dos cinco membros originais estão de volta.[2] Jacob, Erik, Dan, e Trevor se reuniram e estão em estúdio, provavelmente para a gravação de um novo álbum. Aparentemente, a reunião estava sendo ensaiada por menos um ano, quando os quatro tentaram convencer Ashley a retornar. No entanto, ao perceber que não estava interessado, eles decidiram voltar juntos como um quarteto. Pouco tempo depois Ashley abriu a respeito de porque ele não concorda com uma reunião. Em um comunicado, ele diz ao TMZ:[1]

O-Town foi um dos maiores capítulos da minha vida, por isso, quando a idéia de uma reunião foi trazido para mim, é claro que eu estava intrigado. No entanto, eu fiz a decisão para não ser parte de um reencontro do O-Town. Foi uma decisão difícil, mas finalmente necessária para seguir em frente com o próximo capítulo da minha carreira.

Erik-Michael Estrada respondeu à afirmação que diz "Se Ashley realmente quis reunir o O-Town… ele teria achado um modo 'de multi-incumbir' a reunião à sua carreira de ator". Erik diz que ele e o resto da banda combinaram todos com a rejeição de Ashley — mas explica, "eu pensaria somente que ele queria vir a bordo e ser uma parte dele… mas ele não faz e está bem".

O-Town anunciou a sua volta definitiva no dia 31 de março de 2014 reiniciando o site oficial, e compartilharam um vídeo deles voltando para o estúdio.[3] [4]

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Integrantes atuais
  • Dan Miller
  • Jacob Underwood
  • Erik-Michael Estrada
  • Trevor Penick
Ex-integrantes
  • Ashley Parker Angel (2000-2003)
  • Ikaika Kahoano (2000)

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Singles[editar | editar código-fonte]

Ano Título Desempenho nas paradas Álbum
EUA Top 40 (EUA) UK Singles Chart[5] AUS ALE
2001 "Liquid Dreams" 10 23 3 7 44 O-Town
"All or Nothing" 3 1 4 14 10
"We Fit Together" 104 25 20 - 39 O-Town/Trilha sonora de Dr. Dolittle 2
"Love Should Be a Crime" - - 38 - 32 O-Town
2002 "These Are the Days" 64 16 36 - 29 O2
2003 "I Showed Her" - 38 - - -

Vídeos[editar | editar código-fonte]

  • O-Town - Live From New York (2001) (Incluí também três vídeoclipes)
  • O-Town 2 - An Exclusive V.I.P Look[6] (Lançado em 2002 nos Estados Unidos e em 2004 na China, vem com pôster e uma entrevista do grupo)

Outras canções[editar | editar código-fonte]

  • "One Heart" (Steve Mac, Wayne Hector)
  • "Comin' to the Rescue" (John Siegler, John Loeffler, Norman Grossfield, Louis Cortelezzi) (Ambas são da trilha sonora de Pokémon: The Movie 2000 - The Power of One de 2000, Atlantic Records)

Versões cover[editar | editar código-fonte]

Quase três anos depois que O-Town deixou de existir, o grupo japonês W-inds gravou "All or Nothing", chamando-o de "Kaze Uta" (Canção do Vento). "Kaze Uta" foi lançado em 25 de maio de 2006, no single do w-inds para a música "Trial". Enquanto a melodia foi mantida, as letras foram totalmente reformuladas por Takamitsu Shimazaki, e são predominantemente em japonês com um coro menos repetitivo. Em 2006, o grupo irlandês Westlife também gravou "All or Nothing" em seu oitavo álbum de estúdio The Love Album. A banda americana de punk Fake ID também gravou para o álbum de compilação Punk Goes Pop.

Referências

  1. a b Why I Won't Rejoin O-Town.... TMZ (18 de janeiro de 2011). Página visitada em 24 de setembro de 2011.
  2. O-Town Reuniting. MTV. Página visitada em 24 de setembro de 2011.
  3. Jason Lipshutz (31 de março de 2014). O-Town Reunites: 'It's A New Beginning'. Billboard. Página visitada em 4 de abril de 2014.
  4. Stephanie Webber (1 de abril de 2014). O-Town Reuniting After 10 Years Without Original Member Ashley Parker Angel. Us Magazine. Página visitada em 4 de abril de 2014.
  5. Roberts, David. British Hit Singles & Albums. 19th ed. London: Guinness World Records Limited, 2006. p. 399. ISBN 1-904994-10-5
  6. O-Town 2 - An Exclusive V.I.P Look na Discogs

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Flag of the United States.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical dos Estados Unidos, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.