O Canto da Cidade (canção)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"O Canto da Cidade"
Single de Daniela Mercury
do álbum O Canto da Cidade
Lançamento 1992
Gênero(s) Axé
Duração 3:23
Gravadora(s) Sony Music
Produção Liminha
Cronologia de singles de Daniela Mercury
Último
Último
"Menino do Pelô"
(1991)
"Batuque"
(1992)
Próximo
Próximo

"O Canto da Cidade" é uma canção escrita por Daniela Mercury e Tote Gira, lançada em 1992 como primeiro compacto simples do álbum de mesmo nome de Mercury. Produzida por Liminha, "O Canto da Cidade" se tornou uma das canções-assinatura da cantora.

Informação[editar | editar código-fonte]

Segundo a cantora Daniela Mercury em entrevista concedida em 2001 para a extinta revista "UMA", "O Canto da Cidade" é uma homenagem ao povo simples da cidade de Salvador. Os versos "a cor dessa cidade sou eu, o canto dessa cidade é meu" mostram que a cultura da cidade é definida por uma gente que encontra nos seus costumes uma forma de resistência, uma resposta à discriminação: "eu sou o primeiro que canta, eu sou o carnaval". Quando se diz "o canto dessa cidade sou eu, o canto dessa cidade é meu" a cantora não está falando de si, mas dessas pessoas.

Num show realizado em 16 de setembro de 2007, na inauguração do Parque Flamboyant, em Goiânia,[1] Mercury afirmou que desde que foi lançada, a canção virou uma espécie de hino não-oficial de todas as capitais do Brasil.

Sucesso[editar | editar código-fonte]

Quando lançada como o primeiro compacto do álbum de mesmo nome em 1992, a canção se tornou um dos hits de Mercury. A canção é amplamente vista como propulsora da carreira de Mercury - e do Axé music - para todas as regiões do Brasil. A música ficou 16 semanas em primeiro lugar no país.

Videoclipe[editar | editar código-fonte]

O videoclipe de "O Canto da Cidade", dirigido por Patrícia Prata, inicia-se com Mercury cantando a canção enquanto anda pelas ruas de Salvador. À medida que a batida da canção fica mais rápida, Mercury começa a dançar. Intercaladamente, são mostradas algumas cenas de Mercury (com trajes semelhantes ao da capa do álbum) e de outros dançando em fundos amarelo e preto-e-branco. Foi um grande sucesso na programação da MTV Brasil, conseguindo inclusive atingir o topo do Top 20 Brasil.

Legado[editar | editar código-fonte]

"O Canto da Cidade" é lembrada, por vários, por ser a canção que estava no primeiro lugar da parada brasileira na época do impeachment do presidente Collor e da crise político-econômica que assolava o país. O produtor musical Nelson Motta afirma no livro Noites Tropicais que a canção foi responsável por resgatar um pouco da alegria e auto-estima do país na época da crise. No show citado acima, o segundo realizado para celebrar os quinze anos do lançamento da canção e do álbum, Mercury afirmou que, durante a crise, as novas gerações retomaram interesse na música popular brasileira e que sua canção foi fundamental para essa retomada de interesse.

"O Canto da Cidade" foi uma das duas canções de Mercury escolhidas para embalar a apresentação da equipe feminina de ginástica rítmica do Brasil durante os Jogos Olímpicos de Verão de 2008 em Pequim. A outra foi "Rapunzel", sucesso do álbum Feijão com Arroz de 1996.[2]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Em 1992 "O Canto da Cidade" recebeu um Prêmio Sharp, na categoria especial de melhor música.

Regravações[editar | editar código-fonte]

Em 1993, apenas um ano após seu lançamento original, "O Canto da Cidade" recebeu sua primeira regravação. Foi em Latinisimo, álbum instrumental do músico estadunidense Ray Conniff homenageando a música latino-americana. Em 1998, foi a vez da própria Mercury relançar a canção em Elétrica, seu primeiro álbum gravado ao vivo. No ano seguinte, Luiz Caldas gravou a canção para o álbum Luiz Caldas e Convidados: 15 Anos de Axé. Apesar de aparecer em apenas dois álbuns de Mercury, - não levando em conta as compilações -, a canção está incluída em três de seus cinco DVDs (MTV Ao Vivo - Eletrodoméstico, Baile Barroco e O Canto da Cidade - 15 Anos) e é interpretada como música incidental ao final de "Maimbê Dandá" em Balé Mulato - Ao Vivo.

Referências

  1. Danielamercury.art.br acessado em 8 de dezembro de 2007.
  2. Torres, Rebecca Duarte (9 de agosto de 2008). "Ginástica Ritmica ao som de Daniela Mercury". Portal Daniela Mercury. Página visitada em 21 de agosto de 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]