Desembarques da Normandia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de O Dia D)
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
O Dia D
Segunda Guerra Mundial
Into the Jaws of Death 23-0455M edit.jpg
Desembarque na praia de Omaha, na Normandia, 6 de junho de 1944, durante a Operação Netuno.
Data 6 de Junho, 1944
Local Normandia,  França
Desfecho Vitória Aliada. A França é libertada dos Nazistas.
Combatentes
 Estados Unidos
 Reino Unido
 Canadá
Flag of Free France 1940-1944.svg França Livre
 Polónia
 Noruega
 Austrália
 Nova Zelândia
 Luxemburgo[1]
Flag of the NSDAP (1920–1945).svg Alemanha nazista
Comandantes
Estados Unidos Dwight D. Eisenhower
Reino Unido Bernard Montgomery
Estados Unidos Omar Bradley
Reino Unido Trafford Leigh-Mallory
Reino Unido Arthur Tedder
Reino Unido Miles Dempsey
Reino Unido Bertram Ramsay
Flag of the NSDAP (1920–1945).svg Gerd von Rundstedt
Flag of the NSDAP (1920–1945).svg Erwin Rommel
Flag of the NSDAP (1920–1945).svg Friedrich Dollmann
Flag of the NSDAP (1920–1945).svg Hans von Salmuth
Flag of the NSDAP (1920–1945).svg Wilhelm Falley  
Forças
326.000 (em 11 de Junho) 200.000 (até 6 de Junho)
Baixas
37.000 mortos, 172.000 feridos/desaparecidos 200.000 mortos/feridos, 200.000 capturados

Os desembarques da Normandia foram operações durante a invasão da Normandia pelos Aliados, também conhecida como Operação Overlord e Operação Netuno, durante a Segunda Guerra Mundial. No dia 6 de Junho de 1944 (chamado de Dia D), cerca de 100 mil soldados, com o apoio de 6 mil navios e 5 mil aviões, desembarcaram na costa da Normandia, França, abrindo uma nova frente de guerra no oeste.

O assalto foi realizado em duas fases: uma aterragem de assalto aéreo de 24 mil britânicos, estadunidenses, canadenses e tropas livres de franceses aerotransportados pouco depois da meia-noite e um desembarque anfíbio da infantaria aliada e divisões blindadas na costa da França, com início às 6:30 da manhã. Havia também as operações de engodo montado sob os codinomes Operação Glimmer e Operação Tributável para distrair as forças da Alemanha nazista das áreas de pouso real.[2]

A operação foi a maior invasão anfíbia de todos os tempos, com o desembarque de mais de 160 mil[3] tropas em 6 de junho de 1944. 195.700[4] pessoas das marinhas navais e mercantes aliadas em mais de 5.000[3] navios foram envolvidos na operação. Soldados e material foram transportados a partir do Reino Unido por aviões carregados de tropas e navios, desembarques de assalto, suporte aéreo, interdição naval do Canal Inglês e fogo naval e de apoio. Os desembarques ocorreram ao longo de um trecho de 80 km na costa da Normandia dividida em cinco setores: Utah, Omaha, Gold, Juno e Sword.

O plano[editar | editar código-fonte]

Rotas de invasão da Normandia durante o Dia-D.

O plano do grande ataque à zona francesa foi elaborado pelos mais respeitados generais dos Estados Unidos, entre eles estava o general Dwight David Eisenhower (que, em 1952 se tornaria o presidente dos Estados Unidos da América),Comandante Supremo das Forças Aliadas, e por grandes homens ingleses, entre eles, o Primeiro Ministro Winston Churchill. Olhando o mapa do território, os comandantes aliados chegaram à conclusão de que além de desembarcar soldados e equipamentos na costa da Normandia, paraquedistas (que na época eram os soldados da Airborne) deveriam ser lançados em lugares estratégicos, tomando pontes, vilas, etc. e executando missões de sabotagem. Toda essa estratégia, elaborada por mais de três anos, deu certo. Logo após o salto dos paraquedistas, mesmo tendo eles se espalhado caoticamente por toda a Normandia, os aliados disseram que o erro de Hitler ao criar a Muralha do Atlântico foi não ter colocado um telhado nela.

Na imagem ao lado estão indicados os principais pontos de desembarque e de ataque do Dia D. Tal imagem é o mapa que foi apresentado pelo General Eisenhower quando da invasão.

O envolvimento soviético[editar | editar código-fonte]

Mapa da Muralha do Atlântico, em verde.
  Alemanha nazista e zonas ocupadas

Foi na Conferência de Teerã que pela primeira vez Stalin ouviu falar da Operação Overlord, o nome código do grande desembarque anglo-saxão nas costas da França atlântica, que seria realizado em 5 de junho de 1944, coordenado com a invasão do sul daquele mesmo país. Stalin não aceitara o plano de Churchill de uma operação de vulto partindo dos Balcãs, para dali abrir um flanco na defensiva alemã da Europa Central. Achou que aquilo era pura tergiversação, uma embromação de Churchill feita às custas do Exército Vermelho que ainda tinha que passar por um inferno para empurrar os alemães para fora da Rússia. Para ele era evidente que o caminho mais curto para o fim da guerra era simplesmente os aliados ocidentais atravessarem o Canal da Mancha, libertar a França, ocupar a região industrial do Ruhr, e, sintonizados com os soviéticos vindos do leste, levar os nazistas à capitulação. Roteiro que rapidamente ganhou o apoio de Roosevelt. Em troca desse gesto, da folga que o soldado russo teria, Stalin comprometeu-se - assim que a guerra contra Hitler se encerrasse, a declarar guerra ao império japonês para acelerar o fim do conflito na Ásia.

Os “Três Grandes”, aproveitando a ocasião, também acertaram que as operações militares de maior vulto seriam doravante sincronizadas, fazendo com que uma ofensiva no fronte ocidental fosse de imediato seguida por um ataque no fronte oriental. Dessa maneira, agindo como um torniquete, as forças armadas aliadas levariam o regime de Hitler à sufocação e à derrota final. O que para acontecer arrastou-se ainda por dolorosos e sangrentos 18 meses de guerra. O único momento emotivo daquele primeiro encontro dos “Três Grandes”, deu-se por ocasião da entrega solene de um presente a Stalin. O ditador, que parecia sempre ser uma esfinge aos seus parceiros da conferencia, frio, desconfiado e distante, veio a derramar discreta lágrima quando Churchill presenteou-o, em nome de Sua Majestade britânica, com uma bela espada cravejada em honra à vitória militar soviética em Stalingrado.

Setores de ataque[editar | editar código-fonte]

Praia de Omaha[editar | editar código-fonte]

Praia de Omaha na manhã seguinte ao Dia-D.

A Praia de Omaha, mais conhecida como "Omaha Sangrenta" foi a praia de maior resistência alemã e a praia que deu maior trabalho às forças Aliadas. Omaha era coberta por obstáculos espalhados por toda praia, que foram mandados implantar pelo Marechal Erwin Rommel para que os tanques Aliados não conseguissem invadir a praia, Omaha também tinha armas antinavais e metralhadoras MG42 para parar o fluxo de soldados invadindo o perímetro. Depois de mais de duas mil mortes, os Aliados venceram a batalha, invadindo o flanco superior-esquerdo da praia pelo cercado de arames e destruindo as casamatas (bunkers) que ali estavam. Praia de Omaha era um apelido dado ao Canal da Mancha, recebeu este apelido para mensagens que os Estados Unidos enviavam à Inglaterra que os Nazistas interceptavam e não conseguiam entender onde seria o ataque.

Um soldado norte-americano morto em combate na Praia de Omaha.

Varios filmes que mostram o desembarque Aliado na praia de Omaha, como O Resgate do Soldado Ryan (Saving Private Ryan) e O Mais Longo dos Dias (The Longest Day), além de ter livros como O Dia D - 6 de Junho de 1944, de Stephen E. Ambrose, e jogos como Company of Heroes, Medal of Honor e Call Of Duty[5] .

Praia de Utah[editar | editar código-fonte]

Utah era o nome de código para a praia a mais distante à direita das cinco áreas de desembarque na Normandia. Localizada na costa oriental da base da península de Cotentin, era uma adição às áreas inicialmente programadas para a invasão. A área de desembarque de Utah era aproximadamente 5 quilômetros e estava ao noroeste do estuário de Carentan. Comparando as fortificações Alemãs na Praia de Omaha e as defesas em Utah, compostas de posições fixas de infantaria, as últimas eram escassas, e imediatamente atrás da área de desembarque foram inundadas e restringiram severamente o avanço terrestre. As forças defensoras consistiam em elementos das 709ª, 243ª, e 91ª divisões de infantaria Alemã.

Os setores de assalto na praia de Utah foram designados (de oeste a leste): Tare Green, Uncle Red, and Victor. A invasão foi planejada para o Tare Green e o Uncle Red, com a saída número 3 quase no meio da área de desembarque. A "hora h" foi programada para as 06:30 horas. A praia deveria ser atacada pela 4ª divisão da infantaria dos Estados Unidos. O objectivo era cruzar a praia e tomar o controle das estradas da costa, estabelecer a ligação com as tropas aero-transportadas que tinham aterrado cinco horas antes, e preparar então para atacar Cherbourg. O desembarque foi feito na praia errada, e devido às fortes correntes, e à fumaça do bombardeamento aliado que obscurecia a área, a força aterrou a 1.800 metros da área designada, no setor menos defendido. O comandante da divisão, brigadeiro general Theodore Roosevelt Jr., percebeu rapidamente o erro. Expressando sua famosa observação, "We will start the war from here!" deu então ordens para a divisão avançar. Três horas mais tarde, as saídas 1, 2 e 3 tinham sido ocupadas, e por volta das 12.00 horas, os aliados já haviam estabelecido contacto com os pára-quedistas da 101ª divisão perto da cidade de Pouppeville. Ao fim do dia, a 4ª divisão tinha avançado aproximadamente 6,5 quilômetros, e suas unidades mais avançadas estavam a uma milha (1600 metros) da 82ª aero-transportada perto de Sainte-Mère-Église.

Vinte mil soldados e 1700 veículos motorizados tinham desembarcado na praia de Utah com muito poucas baixas, menos de 300 homens. Os alemães não tinham contra-atacado o assalto, devido ao sucesso das tropas aerotransportadas, e também à confusão entre os comandantes Alemães a respeito de onde o ataque principal estava a ocorrer, no entanto, estavam em posição a contra-atacar na península de Cotentin no fim do Dia D.

Praia Juno[editar | editar código-fonte]

Soldados canadenses na praia de Juno.

Juno era o nome de código para a segunda praia à esquerda das cinco áreas de desembarque para a invasão da Normandia. A praia tinha aproximadamente 10 quilômetros e estava perto de Courseulles-sur-Mer, Bernières e Saint-Aubin, com dunas de areia fortificadas pelos Alemães[6] . O perigo inicial para os invasores em Juno, não eram os obstáculos Alemães, mas os recifes, estes forçaram o desembarque na manhã mais tarde do que desejada. A hora h foi marcada para as 07:45 horas, de modo que o desembarque se pudesse cancelar caso a maré não o permitisse. Os elementos da 716ª divisão de infantaria Alemã, particularmente o 736º regimento, eram responsáveis pela defesa da área. A praia de Juno era parte da área da invasão atribuída ao 2º exército Britânico, sob ordens do General Miles Dempsey. A praia foi dividida pelo comando aliado em três sectores: Love a oeste, Mike (secções Red e White), Nan (secções Red, White, e Green) a oeste. Deviam ser conquistadas pela 3ª divisão da infantaria Canadense, pela 7ª brigada em Courseulles e pela 8ª brigada em Bernières no sector de Nan. Os objetivos da 3ª divisão no Dia D eram, cortar a estrada de Caen-Bayeux, ocupar o aeroporto de Carpiquet a oeste de Caen, e estabelecer uma ligação entre as duas praias Britânicas de Gold e Sword em ambos lados da praia de Juno.

A primeira leva de assalto desembarcou as 7h55, 10 minutos após a hora H mas três horas após a melhor maré, este atraso pôs os Canadenses numa situação difícil, os obstáculos da praia foram parcialmente submergidos, e os sapadores eram incapazes de desobstruir trajetos para a praia. Aproximadamente 30 porcento dos barcos de desembarque em Juno foram destruídos ou danificados. No início não houve grande resistência, porque as posições Alemãs não tinham as suas armas apontadas para o mar. Os soldados Canadenses contornaram os obstáculos mas foram dar às zonas de matança, a primeira vaga sofreu grandes baixas. A companhia B dos Royal Winnipeg Rifles foi reduzida a um oficial e a 25 homens quando se moveu para a proteção que oferecia a escarpa. Nas equipes de assalto, a possibilidade de se transformar numa baixa nessa primeira hora era quase de 1 para 2. Ao meio da manhã, depois de lutar duramente, a cidade de Bernières estava nas mãos Canadenses, pouco depois Saint-Aubin era ocupada[6] .

A 3ª divisão tinha-se ligado à 50th divisão britânica da praia Gold a oeste, mas a este os Canadenses eram incapazes de fazer o contato com a 3ª divisão Britânica na praia Sword, deixando uma abertura de 3 quilômetros em que os elementos da 21ª divisão Panzer contra-atacaram. Os Canadenses sofreram 1.200 baixas das 21.400 tropas que desembarcaram em Juno esse dia, numa relação de 1 para 18.

Praia Gold[editar | editar código-fonte]

Soldados na praia Gold.

Gold era o nome de código para a praia central das cinco áreas de desembarque designadas para a Batalha da Normandia. A praia tinha mais de 8 quilômetros de largura e incluía as cidades costeiras de la Rivière e Le Hamel. Na extremidade ocidental da praia estava a vila de Arromanches, e ligeiramente mais distante a oeste, a cidade de Longues-sur-Mer. As forças defensoras Alemãs consistiam em elementos a 716ª divisão e uma parte do 1º batalhão da 352ª divisão em Le Hamel. Muitas das posições Alemãs foram colocadas em casas ao longo da costa, com maiores concentrações em Le Hamel e la Rivière. Estas posições eram muito vulneráveis ao ataque naval e aéreo, mas os Alemães contavam com uma grande força de contra-ataque, o Kampfgruppe Meyer, a unidade mecanizada da 352ª divisão localizada na cidade de Bayeux.

Configuração da praia Gold na área da invasão atribuída ao 2º exército Britânico, sob o comando do general Miles Dempsey. Os sectores de desembarque na praia, foram designados (de oeste a leste) How, Item, Jig (com as secções Green e Red), e King (com também duas secções, Green e Red). O assalto devia ser realizado pela 50ª divisão de infantaria Britânica. A praia era bastante larga para que duas brigadas desembarcassem. Os objectivos da 50ª divisão eram, cortar a estrada Caen-Bayeux, conquistar um pequeno porto em Arromanches, estabelecer ligação com os Americanos na praia de Omaha a oeste em Port-en-Bessin, e também com os Canadenses na praia de Juno a este.

A hora h na praia Gold foi marcada para as 07:25 horas, uma hora mais que os desembarques programadas nas praias Americanas devido ao sentido da maré. Dos primeiros veículos blindados que desembarcaram na praia; 20 deles tocaram em minas, e sofreram alguns danos. Felizmente para os Ingleses, não havia artilharia pesada Alemã na praia, e a resistência da infantaria era ineficaz, (a maioria dos pontos fortes Alemãs tinham sido anulados pelo bombardeio da manhã). la Rivière resistiu até às 10:00 horas, e Le Hamel estava nas mãos Britânicas à meia tarde. Entretanto, o 47º de comandos Britânicos em Arromanches e Longues progredia para oeste, para Port-en-Bessin. Os canhões em Longues tinham sido postos fora da acção num combate furioso com o cruzador HMS Ajax. Pela noite de 6 de Junho, a 50ª divisão desembarcou 25.000 homens, tinham avançado 10 quilómetros, e estabeleceram contacto com os Canadenses na praia de Juno, não tinham no entanto cortado a estrada de Caen-Bayeux nem conseguiram unir-se com os Americanos na praia de Omaha, mas tinha feito um começo impressionante. Os Britânicos sofreram 400 baixas nesta praia.

Praia Sword[editar | editar código-fonte]

Infantaria britânica na praia Sword.

Sword era o nome de código para a praia da esquerda das cinco áreas de desembarque na Batalha da Normandia. Com 8 quilômetros que ia de Lion-sur-Mer a oeste à cidade de Ouistreham, na boca do rio de Orne, a leste. A área tinha muitas casas de férias e estabelecimentos turísticos situados atrás de uma escarpa. Estava também a aproximadamente 14 quilômetros ao norte da cidade de Caen. Todas as estradas principais neste sector do campo Normando funcionavam através de Caen, que era uma cidade chave para os Aliados e também para os Alemães com finalidades de transporte e manobras. Os Alemães fortificaram a área com defesas que consistiam em obstáculos na praia e em fortificações nas dunas de areia. A defesa da praia foi reforçada com canhões de 75 milímetros em Merville, situados 8 quilômetros a leste do estuário do rio Orne. Eles também tinham canhões de 155 milímetros 32 quilómetros a leste, em Le Havre, além de valas e minas antitanque. Os elementos da 716ª divisão de infantaria Alemã, os regimentos 736º e 125º, junto com forças da 21ª divisão Panzer na vizinhança, eram capazes de participar de operações defensivas ou ofensivas. Por fim, a leste, no rio Dives estava a 711ª divisão.

Na praia Sword, a área de desembarque atribuída ao 2º exército Britânico, sob ordens do general Miles Dempsey, foi dividida em quatro sectores: de oeste para leste, Oboe, Peter, Queen, e Roger. A primeira vaga chegou às 07:25 horas do Dia D, composta pela 3ª divisão Britânica, com os comandos Franceses e Britânicos unidos. Os elementos do regimento South Lancashire assaltaram o sector de Peter à direita; o regimento de Suffolk assaltou ao centro no sector de Queen; e o regimento East Yorkshire assaltou o sector de Roger à esquerda. O objectivo da 3ª divisão era progredir através da praia de Sword, passar próximo de Ouistreham ir direito a Caen e ocupar o aeródromo de Carpiquet. Os comandos tinham conseguido seu objectivo mais importante: tinham se ligado às tropas aero-transportadas nas pontes sobre os canais de Orne. No flanco direito os Ingleses tinham sido incapazes de ligar às forças Canadenses na praia de Juno. Às 16:00 horas a 21ª divisão de Panzer lançou o único contra-ataque Alemão sério no Dia D: o 192º regimento de Panzer Grenadier alcançou a praia às 20:00 horas, mas seus 98 tanques foram detidos por armas antitanque e o contra-ataque foi anulado.

No fim do dia os Ingleses tinham desembarcado 29.000 homens e tinham tido cerca de 630 baixas. Já as baixas Alemãs eram muito mais elevadas, além dos que foram feitos prisioneiros.

Pointe du Hoc[editar | editar código-fonte]

Pointe du Hoc é uma escarpa situada entre as praias de Omaha (setor Charlie) e Utah, um objectivo atribuído aos rangers do exército dos Estados Unidos no Dia D, que escalaram seus penhascos com o objectivo de silenciar as peças de artilharia aí colocadas e defendidas por elementos da 352ª divisão de infantaria Alemã, e que poderiam bombardear ambas praias americanas. A tarefa de neutralizar a artilharia, e de cortar a estrada que funciona atrás do Pointe de Saint-Pierre-du-Mont a Grandcamp, caiu aos 2º e 4º batalhões dos rangers, comandados pelo tenente coronel James Rudder. As ordens eram, às companhias D, E, e F do 2º batalhão, um ataque ao penhasco escalando-o no Pointe, a companhia C desembarcaria a este para destruir posições dos canhões na extremidade ocidental da praia de Omaha.

Enquanto estes assaltos ocorriam, as companhias A e B, com todo o 5º batalhão, deviam esperar na praia e esperar o sinal de que a escalada do penhasco tinha tido sucesso, se o sinal viesse, deviam seguir e escalar também, se o sinal não viesse, deviam desembarcar na praia de Omaha e atacar o Pointe du Hoc pela parte traseira. As companhias D, E, e F desembarcaram no Pointe às 7:10 horas, 40 minutos mais tarde do previsto. Eram vítimas de mares pesados e ventos, um dos seus barcos afunda-se, entretanto, os Rangers combatiam os alemães no alto dos penhascos em um violento tiroteio, em alguns minutos, o primeiro homem chegava até a parte superior do morro. Os rangers lutaram em pequenos grupos à sua maneira, quando chegaram as casamatas, os canhões não se encontravam lá. Continuaram o combate e cortaram a estrada atrás do Pointe, então uma patrulha de dois homens descobriu os canhões a uns 500 metros do local. Os canhões foram destruídos pelos dois rangers que depois regressavam às suas posições.

Os outros rangers na praia, não vendo o sinal do Point, desembarcaram na praia de Omaha mas não podiam realizar sua missão de atacar Pointe du Hoc porque ficaram envolvidos na luta desesperada em Omaha. Eram, entretanto, uma chave ao sucesso eventual em Omaha. Embora os relatórios adiantados caracterizassem o ataque no Pointe como um esforço desperdiçado porque os canhões alemães não estavam lá, o ataque estava de fato altamente bem sucedido. Pelas 09:00 horas, os rangers no Pointe tinham cortado a estrada atrás e tinham posto os canhões fora da ação. Eram assim a primeira unidade americana para realizar sua missão no Dia D com o custo de metade da sua força de combate. Para o fim do dia ocupavam apenas um pequeno pedaço de terreno nas alturas do Pointe, os Alemães contra-atacavam. Os rangers resistiram dois dias até que a ajuda chegou.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • O seriado Band of Brothers, de apenas dez episódios, explora os acontecimentos do Dia D em seu segundo episódio, "Day of Days".
  • As mulheres francesas, em forma de protesto aos recorrentes estupros, penduraram suas roupas íntimas no topo da torre Eiffel, com o auxílio das Tropas Aliadas. Algumas, após essa forma de protesto, se lançaram da famosa torre.
  • Para confundir os alemães, criaram a Operação Fortitude, que consistia num falso desembarque em Pas-de-Calais, "comandado" pelo General Patton, foram criados barcos e tanques falsos de madeira, plástico ou lona a leste da Inglaterra para confundir aviões espiões alemães. Idosos reservistas ficavam o dia inteiro enviando mensagens falsas via rádio entre si.
  • Ao final do conflito armado, as tropas do Eixo se viram encurraladas e, como último recurso, plantaram explosivos nas bases da Torre Eiffel, e tentaram demolir-la. A torre só foi reinaugurada anos mais tarde, em 17 outubro de 1948.
  • Hitler estava muito confiante de que o desembarque seria em Pas-de-Calais, por causa de seu espião Garbo que lhe forneceu informações falsas, já que era um agente duplo a serviço da Inglaterra.
  • Rommel acreditava que o desembarque seria na Normandia, mas como recebeu ordens de Hitler, não pode desobedecer, e teve que ir para Pas-de-Calais.
  • Graças à Operação Fortitude, duas semanas após o desembarque, os alemães ainda esperavam o desembarque em Pas-de-Calais.
  • Durante o ataque à Omaha, os tanques anfíbios "DD" (Duplex Drive) não puderam desembarcar por causa da turbulência causada pela grande movimentação de barcos e navios no canal da mancha, os tanques viraram e os soldados desembarcaram sem apoio pesado, o que ajuda a explicar as grandes baixas e feridos em Omaha.
  • Devido à artilharia antiaérea, muitos paraquedistas saltaram fora da zona prevista, alguns dos paraquedistas se enroscaram nas árvores, foram vistos pelos soldados alemães e morreram antes mesmo de porem os pés na França.
  • O jogo Call Of Duty reconstitui com grande riqueza de detalhe a batalha da Ponte Pegasus, com detalhes ao terreno, posição de guaritas e casas.
  • Na noite do salto real, os aliados jogaram bonecos de borracha carregados de espoletas, ao bater no chão, as espoletas disparavam e os alemães atiraram contra ninguém.
  • O jogo Medal of Honor:Allied assault simula o ataque na praia de Omaha na terceira missão
  • O jogo Company of Heroes, simula o ataque a praia de Omaha na primeira missão da campanha "Invasion of Normandy" (Invasão da Normandia)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Luxembourgian soldiers were incorporated in the Free French Forces the "Commando Kieffer". Raths, Aloyse (2008). Unheilvolle Jahre für Luxemburg - Années néfastes pour le Grand-Duché. pp. 357-358
  2. Hakim, Joy. A History of Us: War, Peace and all that Jazz. Nova Iorque: Oxford University Press, 1995. 157–161 pp. ISBN 0-19-509514-6.
  3. a b D-Day June 6, 1944 www.army.mil US Army Official website. Visitado em 2009-05-14.
  4. Ambrose, Stephen E.. D-Day. Nova Iorque: Simon & Schuster, 1994. ISBN 0-684-80137-X.
  5. Omaha Beachhead. [S.l.]: United States Army Center of Military History, 1994. 11–16 pp. Visitado em 10 de junho de 2007.
  6. a b Praia Juno (em português) Paris City Vision.com. Visitado em 06 de junho de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Desembarques da Normandia