O Direito de Nascer (1978)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

O direito de nascer é uma radionovela cubana escrita na década de 40 por Félix Caignet. Apresentada no Brasil no rádio e na televisão, tendo recebido três versões em formato de telenovela. Esta, em adaptação de Teixeira Filho e Carmem Lídia e dirigida por Antonino Seabra, era a segunda. Produzida pela extinta Rede Tupi e exibida de julho de 1978 a maio de 1979, às 19h30.

As outras duas versões foram ao ar, respectivamente, em 1964 pela mesma TV Tupi, e em 2001, pelo SBT.

Trama[editar | editar código-fonte]

Na sociedade moralista de Havana, capital de Cuba, no início do século XX, a jovem Maria Helena engravida do noivo Alfredo e, diante da recusa do rapaz em assumir o filho, torna-se mãe solteira. A criança será alvo do ódio do avô materno, o poderoso Dom Rafael. Após o nascimento, temendo as represálias do velho, a criada negra Dolores foge com o bebê, que batiza como Alberto. Depois disso, desgostosa, Maria Helena se recolhe a um convento, e passa a atender por Sóror Helena da Caridade. Sempre fugindo, Dolores cria o menino e ele, já crescido, forma-se em medicina. O destino leva Alberto à família que desconhece, para desespero de Mamãe Dolores. Albertinho se apaixona, sem saber, por sua prima Isabel Cristina, e acaba salvando a vida do avô que o amaldiçoara no passado.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Trilha Sonora[editar | editar código-fonte]

Trilha Sonora Nacional[editar | editar código-fonte]

  1. Começaria Tudo Outra Vez - Maria Bethânia
  2. O Vagabundo - Altemar Dutra
  3. Sou Mais Um - Moacyr Franco
  4. Aqueles Olhos Verdes (Aquellos Ojos Verdes) - Agostinho dos Santos
  5. Ave Ligeira - Guto
  6. A Noite Eterna (Canção Para Dilene) - Neuber
  7. Acalanto Para Dolores - Carlos Augusto Strazzer (tema de Mamãe Dolores)
  8. Dentro de Mim Mora Um Anjo - Fafá de Belém
  9. Santo Domingo - Wildner
  10. Por Dentro Estou Morrendo (Tu Carño Se Me Vai) - César Sampaio
  11. Amor Eterno (O Direito de Nascer) - Lolita Rodrigues
  12. Sorria (Smile) - João José

Trilha Sonora Internacional[editar | editar código-fonte]

  1. Padre Nuestro (Da Missa de Los Andes) - Victor Sanhueza
  2. The Charleston - The Grandfathers
  3. Angelitos Negros - Roberta Flack (tema de Mamãe Dolores)
  4. Vida - Orquestra TV Sound (tema de Maria Helena)
  5. Nana Para Mi Madre - Jose Luis Perales (tema de Albertinho Limonta e Mamãe Dolores)
  6. Que He de Hacer Para Olvidarte? - Manolo Otero
  7. Far Away - Sidney Thompson
  8. Quedamos Solos (Vida) - Ederly
  9. Zema - Orquestra TV Sound
  10. Amores Que Se Lleva El Viento - La 5. Reserva
  11. Te Amare Toda La Vida - Lucho Gatica (tema de Albertinho Limonta e Isabel Cristina)

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • O ator Zanoni Ferrite, que interpretaria o personagem Jorge Luís, faleceu em desastre de automóvel, na primeira semana das gravações, sendo substituído por Adriano Reys.
  • A TV Tupi teve problemas para escalar o elenco dessa versão de O direito de nascer. Os atores pretendidos estavam quase todos comprometidos com outros trabalhos, até mesmo em produções da própria emissora.
  • Débora Duarte desentendeu-se com a produção e, mesmo tendo gravado dez capítulos como Isabel Cristina, foi substituída por Beth Goulart. A dificuldade em encontrar atriz para o papel de Maria Helena, a protagonista da chorosa história, foi solucionada com o afastamento de Eva Wilma do elenco de Roda de fogo, situação também vivida por Beth.
  • O ator e diretor Henrique Martins, que em 1964, na primeira versão, vivera Alfredo, agora aparecia na pele de Ricardo, o marido algoz de Dorinha, irmã de Maria Helena.
  • Alberto, durante a infância, era chamado de "filho de urubu" e de "rato branco" pelos outros garotos, por haver sido criado por uma negra.
  • Após o término da novela, Carlos Augusto Strazzer se transferiu para a Rede Globo.
  • Na versão mexicana,de 1981,Albertinho Limonta ainda criança foi interpretado pelo cantor mexicano Cristian Castro.Maria Helena foi interpretada pela mãe do cantor,a atriz Verónica Castro.
  • Alfredo quando jovem foi interpretado pelo ator e dublador Carlos Laranjeira.Por coincidência,Laranjeira morreu no mesmo ano em que o ator Carlos Augusto Strazzer,1993,e de complicações da mesma doença:a AIDS.