O Evangelho segundo o Espiritismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Evangelho segundo o Espiritismo
L'Évangile Selon le Spiritisme
Evangile selon le spiritisme.jpg
Publicação de O Evangelho segundo o Espiritismo em Paris
Autor (es) Allan Kardec
Idioma francês
País  França
Assunto Doutrina Espírita
Género Religião e moral cristã
Série Obras básicas do espiritismo
Lançamento Abril de 1864
Edição portuguesa
Edição brasileira
Tradução Guillon Ribeiro
Editora Federação Espírita Brasileira - FEB
Cronologia
Último
Último
O Livro dos Médiuns
(1861)
O Céu e o Inferno
(1865)
Próximo
Próximo

O Evangelho segundo o Espiritismo (em língua francesa L'Évangile Selon le Spiritisme) é um livro espírita francês. De autoria de Allan Kardec, foi publicado em Paris em 15 de abril de 1864. É uma das obras básicas do espiritismo, e dentre elas a que dá maior enfoque a questões religiosas, éticas e comportamentais do ser humano.

Nela são abordados os Evangelhos canônicos sob a óptica da Doutrina Espírita, tratando com atenção especial a aplicação dos princípios da moral cristã e de questões de ordem religiosa como a da prece e da caridade.

Sumário[editar | editar código-fonte]

Na introdução da obra, Kardec divide didáticamente os relatos contidos nos Evangelhos canônicos em cinco partes: os atos ordinários da vida de Jesus, os milagres, as predições, as palavras que serviram de base aos dogmas, e os ensinamentos morais. Segundo Kardec, se as quatro primeiras foram, ao longo da história, objeto de grandes controvérsias, a última tem sido ponto pacífico para a maior parte dos estudiosos.

Assim, é especificamente sobre essa parte que Kardec lança o olhar espírita. Longe de pretender criar uma "Bíblia espírita" ou mesmo de objetivar uma reinterpretação espírita desse livro sagrado, Kardec se empenha em extrair dos Evangelhos princípios de ordem ético-moral universais, e em demonstrar sua consonância com aqueles defendidos pelo espiritismo. Utiliza-se, na maior parte da obra, da célebre tradução francesa de Lemaistre de Sacy (1613-1684). Eventualmente, para solucionar divergências, Kardec recorreu ao grego e ao hebraico.

A obra traz ainda um estudo sobre o papel de precursores do cristianismo e do espiritismo, como por exemplo Sócrates e Platão, analisando diversas passagens legadas por estes filósofos que demonstrariam claramente essa condição.

A edição da FEESP[editar | editar código-fonte]

No Brasil destacou-se pela polémica uma edição da obra que veio a público em julho de 1974 pela Federação Espírita do Estado de São Paulo (FEESP). Esta inseria-se em "um plano de completa e total revisão de toda a Codificação Doutrinária de Allan Kardec" posto em prática pelo Departamento do Livro da instituição, e vendeu cerca de 30.000 exemplares à época.[1] A edição foi refutada por Francisco Cândido Xavier e José Herculano Pires, pela obra Na Hora do Testemunho, que veio a público em 1977.

Referências

  1. "Herculano Pires: Na Hora do Testemunho" in autoresespiritasclassicos.com Consultado em 10 jun 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]