O Gato de Botas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde dezembro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ilustração de Gustave Doré (1832-1886) para o conto de fadas O Gato de Botas

O Gato de Botas (título no Brasil) ou O Gato das Botas (título em Portugal) ou ainda O Mestre Gato é um conto de fadas de autoria do escritor francês Charles Perrault, incluído no livro Les contes de ma mère l'Oye, publicado em 1697.

O conto narra a história de um caçula de três irmãos que recebe como herança de seu pai um gato de estimação. Depois de ganhar um par de botas, o gato consegue convencer um rei muito poderoso de que pertence a um fidalgo chamado Marquês de Carabás, e consegue ao seu dono a mão da princesa em casamento.

Adaptações[editar | editar código-fonte]

O Gato de Botas teve três versões anime:

  • Série de 26 episódios da Enoki Films;
  • Três filmes da Toei Animation;
  • Dois episódios da série de anime Grimm Meisaku Gekijoo (em Portugal Grimm: Histórias - Encantar distribuído pela Trisan Editores ou Os Teus Contos Clássicos distribuído pela Editorial RBA.

O personagem Gato de Botas ficou bastante conhecido por ter tido participação em três dos quatro filmes da franquia Shrek. Nos filmes, ele é um assassino de aluguel com um leve sotaque hispânico, e que posteriormente se torna amigo do ogro Shrek. É dublado por Antonio Banderas no áudio original. O sucesso do personagem da DreamWorks lhe rendeu um filme solo intitulado O Gato de Botas, lançado em dezembro de 2011 nos cinemas.

Versões[editar | editar código-fonte]

O Gato de Botas é considerado um dos contos mais antigos, e pode variar muito em cada lugar que é contado. Em outras versões, o Gato de Botas era um cavaleiro enfeitiçado que precisaria trazer fortuna a um humanos e assim tornar-se homem novamente. Folcloristas indicam que em versões ainda mais remotas, o gato de Botas era retratado como um escravo que deveria conceder a mão da princesa para seu amo, e assim poder se libertar das correntes (aqui representadas pelas botas). Há ainda uma outra versão antiga contada pelos negros em que o protagonista não é um gato de botas, mas um macaco flautista que fazia feitos heroicos como retribuição ao Doutor Botelho (equivalente ao aqui chamado Marquês de Carabás), que o teria libertado da vida na selva.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]