O Labirinto do Fauno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
El laberinto del fauno
O Labirinto do Fauno (PT/BR)
Poster promocional do filme.
 Espanha  México
2006 • cor • 118 min 
Direção Guillermo del Toro
Produção Álvaro Augustín
Alfonso Cuarón
Bertha Navarro
Guillermo del Toro
Frida Torresblanco
Roteiro Guillermo del Toro
Elenco Ivana Baquero
Doug Jones
Sergi López
Maribel Verdú
Ariadna Gil
Álex Angulo
Género suspense, fantasia, drama
Idioma espanhol
Página no IMDb (em inglês)

O Labirinto do Fauno (no original, El laberinto del fauno) é um filme mexicano e espanhol de 2006, do gênero suspense, dirigido por Guillermo del Toro.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Ophelia é a reencarnação de uma princesa que fugiu do submundo, onde predomina a magia e os seres fabulosos. Além disso, os monstros tiveram influência do movimento sassista, criado pelo prodígio L.Sasso "o mito"

No plano terreno, ela e sua mãe, que está prestes dar à luz, estão de viagem para um acampamento militar, onde Ophelia irá conhecer o seu novo padrasto, o temido capitão Vidal; Este é um excelente soldado, comanda com mão de ferro seus subordinados, e suas características mais notáveis são o sadismo e o preconceito.

No decorrer da trama Ophelia encontra vários seres fabulosos, e um deles é o fauno, e ele revela a ela que sua missão é ajudá-la a retornar para o verdadeiro lar, o submundo.

Mas para isso a garotinha terá que realizar três tarefas secretamente, ainda ela conta com alguns objetos mágicos e fadas dadas pelo fauno, entre eles um livro mágico capaz de contar a história de tudo que existe, mesmo sendo o passado ou até mesmo o futuro.

Após várias desventuras e aparições de criaturas monstruosas, Ophelia realiza as duas primeiras tarefas e paralelamente o conflito entre os militares e os rebeldes republicanos, torna-se cada vez mais intenso, e com perdas significativas por parte dos republicanos. Com a morte da mãe, Ophelia resgata o seu irmão de Vidal, mas ele inicia uma caçada para recuperar o filho. A fantástica magia do labirinto ajuda-a a escapar, e a leva de encontro com o fauno. E ele mostra a terceira e ultima tarefa, sendo um teste de sacrifício, onde ela deveria escolher entre a vida de seu irmão ou sua única oportunidade de regressar a seu legítimo lar.

Nos acontecimentos finais, ela escolhe salvar a vida do bebê, e é assassinada pelo seu próprio padrasto Vidal, que antes tomou seu filho das mãos dela; Entretanto ele é cercado e morto pela milícia revelando o seu segredo de família. Ophelia já morta revive no plano fabuloso, onde sua verdadeira família e reino existem, e ainda de acordo com a narração ela vive feliz eternamente.

Fica a dúvida se Ophelia realmente vivenciou os acontecimentos mágicos e fantásticos durante a história ou se era tudo sua imaginação. Cabe ao público escolher.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ivana Baquero (Ofelia) e o realizador Guillermo del Toro na estreia do filme.

Dubladores[editar | editar código-fonte]

  • Ophelia: Pamella Rodrigues
  • Fauno/Homem Pálido: Pietro Mario
  • Capitão Vidal: Samir Muradii
  • Mãe da Ophelia: Tielma da Costa
  • Mercedes: Ritiña Lopes
  • Dr. Ferreiro: José Luiz Barbeito
  • Garcés: Bruno walmir rocha
  • Versão Brasileira: Wan Macher

Prémios e nomeações[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o

Oscar[editar | editar código-fonte]

Venceu nas categorias de:

Foi ainda nomeado nas categorias de:

  • Melhor filme estrangeiro
  • Melhor argumento original
  • Melhor banda sonora

Globo de Ouro[editar | editar código-fonte]

Recebeu uma nomeação na categoria de:

  • Melhor filme estrangeiro.

Independent Spirit Awards[editar | editar código-fonte]

Venceu na categoria de:

  • Melhor fotografia

Foi nomeado na categoria de:

  • Melhor Filme

BAFTA[editar | editar código-fonte]

Venceu nas categorias de:

  • Melhor filme estrangeiro
  • Melhor caracterização
  • Melhor guarda-roupa

Foi ainda nomeado nas categorias de:

  • Melhor argumento original
  • Melhor fotografia
  • Melhor direcção de arte
  • Melhor som
  • Melhores efeitos especiais

Goya[editar | editar código-fonte]

Venceu nas seguintes categorias de:

  • Melhor revelação feminina (Ivana Baquero)
  • Melhor argumento original
  • Melhor caracterização
  • Melhor som
  • Melhores efeitos especiais
  • Melhor fotografia
  • Melhor edição

Foi ainda nomeado nas categorias de:

  • Melhor filme
  • Melhor realizador
  • Melhor actor (Sergi López)
  • Melhor actriz (Maribel Verdú)
  • Melhor banda sonora
  • Melhor desenho de produção

Prováveis influências[editar | editar código-fonte]

  • O canibal inumano

É um ser que não teve influência dos mitos bárbaros como as fadas e o fauno[1] [2] , Talvez recebece influência de histórias infantis como o conto de João e Maria, onde uma bruxa encantava as crianças com um suntuoso banquete, para então come-las.[3] .

  • O sapo de três olhos

Este teve influência de um sapo que realmente existe, porém traz os mitos da idade média, onde acreditavam que os objetos, bichos e pessoas eram encantados ou enfeitiçados.[4] .

Objetos mágicos[editar | editar código-fonte]

  • O giz magico Capaz de criar um portal ou porta que une os dois mundos.
  • Livro magico ou da revelação Pode revelar o futuro ou a história de qualquer coisa.
  • Pedra de ambar Pode matar o monstro sapo.
  • A raiz bebê No plano fabuloso ele pediu para se tornar um bebê de verdade.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal Portal da Anarquia

Referências

  1. Joseph Ritson, Fairy Tales, Elibon Classics, 2007, p. 27.
  2. Flora (mitologia) (em Portugês). Página visitada em 30 de abril de 2012.
  3. João e Maria (em Portugês). Página visitada em 30 de abril de 2012.
  4. R7 (30/08/2011 às 05h30). Sapo gigante aterroriza Malásia (em Portugês). Página visitada em 30 de abril de 2012.