O Novo Grande Jogo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Uma das definições da Ásia Central atualmente.

O Novo Grande Jogo é um termo usado para descrever a conceituação moderna geopolítica na Eurásia Central como uma competição entre os Estados Unidos, o Reino Unido e os países da OTAN contra a Rússia, a China e os países da OCX, com fim de "influência, poder, hegemonia e lucros na Ásia Central e no Cáucaso".[1] É uma referência ao "Grande Jogo", uma rivalidade política entre o Império Britânico e o Império Russo na Ásia Central durante o século 19.

Introdução[editar | editar código-fonte]

Muitos autores e analistas veêm este "jogo" como o centro de uma nova política do petróleo regional. Em vez de competir pelo controle real de uma área geográfica, "o transporte tubular, as rotas petroleiras e os contratos são os geradores de tensões, ao mesmo tempo sendo os grandes prêmios do novo grande jogo".[2] O termo se tornou predominante em todos as notícias relacionadas a região, aparecendo em títulos de livros, revistas acadêmicas, artigos, notícias e relatórios dos governos. O autor paquistanês Ahmed Rashid, alega que cunhou o termo em uma descrição sobre um artigo em uma revista semanal, publicada em 1997,[3] [4] [5] [6] [7] [8] [9] no entanto o uso do termo pode ser encontrado antes da publicação de sua descrição.

Em um Vazamento de telegramas diplomáticos dos Estados Unidos divulgado pelo Wikileaks, foi relatado que André, Duque de Iorque, apoia o conceito de um Novo Grande Jogo:

Diferença em relação ao Grande Jogo[editar | editar código-fonte]

Noopolitik no Novo Grande Jogo[editar | editar código-fonte]

Após Halford John Mackinder escrever O Grande Tabuleiro, Zbigniew Brzezinski enfatizou o valor incomparável da Ásia Central entre os imperativos geoestratégicos dos Estados Unidos. No entanto, em seu livro The Choice: Global dominance or Global Leadership, Brzezinski argumenta nomeadamente que os EUA devem recorrer mais ao Soft power na tentativa de politicamente assumir o O Pivot Geográfico da História. Da mesma forma, Idriss Aberkane alegou que o noopolitik joga um papel mais central do que nunca no equilíbrio de poder no Novo Grande Jogo, a inovação pode ser de maneira simples para os "Grandes Jogadores", para alterar o seu complexo status e equilíbrio regional no poder. Entre tais "inovações", estão as militares capazes de alterar o equilíbrio regional de poder de uma forma não linear já vista antes. No lado do Soft power, James Glanz e John Markoff realizaramn relatórios para o International Herald Tribune em que argumentam que a Administração Obama implantou redes de conexão para fornecer secretamente aos seus aliados políticos no Novo Grande Jogo, acesso direto à internet sem passar pela censura local, assim, concedendo-lhes acesso direto às redes de movimentos de resistência.

Aberkane, portanto, argumentou que a projeção de desenvolvimento e as medidas de confiança foram ganhando força como meio para alavancar interlocutores políticos por outros meios na Ásia Central, e que isso era uma característica inovadora do Novo Grande Jogo em oposição ao Grande Jogo:

Semelhança com o Grande Jogo[editar | editar código-fonte]

"O Cemitério de Impérios"[editar | editar código-fonte]

O especialista no Afeganistão, Seth Jones publicou um livro analisando o seu nome popular como O Cemitério de Impérios: No Cemitério de Impérios: A Guerra dos Estados Unidos no Afeganistão, o Afeganistão é uma posição no Novo Grande Jogo que é impossível de se manter por um período prolongado de tempo, mas parece ter permanecido um invariante do Novo Grande Jogo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Edwards, 85.
  2. Brysac & Meyer, xxiii.
  3. Rashid 2000, 145.
  4. Rashid, Ahmed. "Central Asia: Power Play", Far Eastern Economic Review, April 10, 1997.
  5. Geyer, Georgie Anne. "U.S. Flag Waves Inside A Proud New Nation", Universal Press Syndicate, February 17, 1992.
  6. "The New Great Game in Asia", The New York Times, January 2, 1996.
  7. Ahrari, Mohammed E.; James Beal (January 1996). "The New Great Game in Muslim Central Asia". McNair Paper 47, Institute for National Strategic Studies and National Defense University. 
  8. Sneider, Daniel. "New 'Great Game' In Central Asia", The Christian Science Monitor, May 5, 1992.
  9. Cohen, Ariel (January 25, 1996). "The New "Great Game": Oil Politics in the Caucasus and Central Asia". Backgrounder #1065, The Heritage Foundation. 
  10. "Wikileaks files: US ambassador criticised Prince Andrew", BBC, November 30, 2010.
  11. "U.S. Underwrites Internet Detour Around Censors", The International Herald Tribune, June 12, 2011.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Brysac, Shareen; Meyer, Karl (1999), Tournament of Shadows: The Great Game and the Race for Empire in Asia, Washington, D.C.: Counterpoint, ISBN 0-349-11366-1 
  • Edwards, Matthew (March 2003), "The New Great Game and the new great gamers: disciples of Kipling and Mackinder", Central Asian Survey 22 (1): 83–103, doi:10.1080/0263493032000108644 
  • Rashid, Ahmed (2000), Taliban: Islam, Oil and the New Great Game in Central Asia, London: I. B. Tauris, ISBN 1-8606-4417-1 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]