O Padre e a Moça

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Padre e a Moça
 Brasil
1965 • p&b • 90 min 
Direção Joaquim Pedro de Andrade
Roteiro Joaquim Pedro de Andrade
Carlos Drummond de Andrade (poema)
Elenco Helena Ignez
Paulo José
Mário Lago
Fauzi Arap
Género drama
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

O padre e a moça é um filme brasileiro de 1965, do gênero drama, dirigido por Joaquim Pedro de Andrade, e com roteiro baseado no poema homônimo de Carlos Drummond de Andrade. Filmagem em Minas Gerais, em São Gonçalo do Rio das Pedras, Gruta de Maquiné e Serra do Espinhaço [1] . O filme foi restaurado inicialmente em 1999 e depois entre 2005 e 2007.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Num garimpo de diamantes decadente à beira do Rio das Pedras, numa região serrana próxima a Diamantina, um jovem padre chega para dar a extrema unção ao idoso vigário de um vilarejo isolado. Antes de morrer o morimbundo sussurra algo ao padre e o comerciante Fortunato ouve o nome de Mariana, sua concumbina. Mariana era filha de um garimpeiro arruinado que aos dez anos de idade foi dada por seu pai a Fortunato para que ele a criasse. O comerciante tomou Mariana por amante quando ela se tornou moça e queria se casar com ela mas o padre Antonio se negou. Depois do enterro do vigário, o novo padre aceita realizar o casamento mas fica relutante ao saber que Mariana o deseja e que ele também a quer.

Elenco[editar | editar código-fonte]

A igreja de São Gonçalo aparece com destaque no filme

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Instituto Nacional do Cinema (INC) 1966 (Brasil)

  • Recebeu o Prêmio de Qualidade.

Festival de Berlim 1966 (Alemanha)

Festival de Brasília 1966 (Brasil)

  • Recebeu o Troféu Candango de Ouro nas categorias de Melhor Atriz (Helena Ignez) e de Melhor Fotografia.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]