O Papa É Pop

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de O Papa é Pop)
Ir para: navegação, pesquisa
O Papa É Pop
Capa do disco
Álbum de estúdio de Engenheiros do Hawaii
Lançamento 1990
Gênero(s) Art rock, pop rock, rock progressivo
Duração 47:18
Idioma(s) português
Formato(s) CD
Gravadora(s) BMG
Produção Engenheiros do Hawaii
Cronologia de Engenheiros do Hawaii
Último
Último
Alívio Imediato
(1989)
Várias Variáveis
(1991)
Próximo
Próximo

O Papa É Pop é o quarto álbum de estúdio da banda brasileira de rock Engenheiros do Hawaii. Foi lançado em formato de LP e CD em 1990, pela BMG. Este foi o primeiro álbum produzido pelos próprios integrantes, ele marca a adoção por parte da banda de uma sonoridade mais próxima ao pop, com o uso de teclados, bateria eletrônica, baixo e à guitarra. Seus singles são: "O Exército de um Homem Só", "O Papa é Pop", "Era um Garoto Que, Como Eu, Amava os Beatles e os Rolling Stones" e "Pra Ser Sincero".

É considerado o álbum mais vendido da banda, com mais de 400 mil cópias nos primeiros anos. Com ele, os Engenheiros do Hawaii foram considerados a maior banda de rock do Brasil de 1990 em votação promovida pela revista Bizz,[1] em reportagem da mesma revista meses depois[2] e pela revista Veja.[3]

Faixas[editar | editar código-fonte]

No álbum O Papa é Pop, quase todas as canções são de autoria de Humberto Gessinger.

  1. "O Exército De Um Homem Só I" (Augusto Licks; Humberto Gessinger) – 4:51
  2. "Era um Garoto Que, Como Eu, Amava os Beatles e os Rolling Stones (C'era un Ragazzo Che Come me Amava i Beatles e i Rolling Stones)" (Franco Migliacci; Mauro Lusini / Versão de Brancato Júnior) – 4:25
  3. "O Exército De Um Homem Só II" (Augusto Licks; Humberto Gessinger) – 1:23
  4. "Nunca Mais Poder" (Augusto Licks; Humberto Gessinger) – 4:36
  5. "Pra Ser Sincero" (Augusto Licks; Humberto Gessinger) – 3:11
  6. "Olhos Iguais Aos Seus" – 3:45
  7. "O Papa É Pop" – 3:48
  8. "A Violência Travestida Faz Seu Trottoir" – 6:53
  9. "Anoiteceu Em Porto Alegre" – 8:06
  10. "Ilusão De Ótica" – 2:47
  11. "Perfeita Simetria" (bonus-track exclusiva do CD) 3:34

Formação[editar | editar código-fonte]

Humberto Gessinger - Vocal, Baixo, Piano Rhodes, Midi Pedalboard

Augusto Licks: Guitarra, Violão, Teclados, Midi Pedalboard

Carlos Maltz - Bateria

Vendas e certificações[editar | editar código-fonte]

País Empresa Certificado Vendas
Brasil ABPD Double Platinum.png 2× Platina 500,000+[4]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Os lados do vinil foram rebatizados de Lado Papa (Lado A) e Lado Pop (Lado B).
  • No encarte do CD há uma foto do Papa João Paulo II tomando chimarrão. A foto pertenceu a Leonel Brizola e mostra o Papa em visita à cidade de Porto Alegre, em 1980, durante a primeira viagem de João Paulo II ao Brasil. A mesma foi gentilmente cedida pelo ex-governador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro e pelo fotógrafo Carlos Contursi, autor da imagem.
  • A canção "O Exército de Um Homem Só" tem o mesmo título de um romance do escritor Moacyr Scliar e foi dividida em duas partes. A primeira parte é dedicada por Humberto Gessinger a "Mathias Rust e sua solitária invasão do espaço aéreo soviético". A segunda parte foi dedicada a "Mathias Rust e seu maluco ataque a uma enfermeira na prisão".
  • Depois da letra de "O Papa é Pop", aparece a seguinte observação: "Um sincero pedido de desculpas a Lulu 'Heill Gessinger!' Santos". A observação foi fruto de um desentendimento da banda com o cantor e guitarrista na época. O cantor gaúcho chamou Lulu de "entertainer", ou seja, pessoa que compunha canções para entretenimento. O cantor carioca, por sua vez, se referiu a Gessinger como "alemão nazista". Pouco depois do lançamento, o mal-entendido foi desfeito.
  • A mesma canção, por sua vez, "empresta" a melodia à música "Perfeita Simetria", que não aparece nas versões em vinil.
  • A canção "Ilusão de Ótica" não recebeu esse nome por acaso (ótica se refere à audição, diferente de óptica, que se refere à visão). Quando o vinil era rodado ao contrário, na parte da canção em que se escutava "Por que você roda assim? Eu não gosto que rode assim", agora era ouvido: "Por que é que cê tá ouvindo isto ao contrário? O que é que cê tá procurando? Hein?". Já em outra passagem onde escuta-se apenas o vocalista dizer frases sem sentido, quando o disco é rodado ao contrário, ouve-se: "mal entendido/bem intencionado - mal informado/bem aventurado - Jesus salva/salve as baleias/leia livros - safe sex/relax - o papa é pop/o país é pobre/ o PIB é pouco - poesia é um porre - o futebol brasileiro são várias camisetas com a mesma propaganda de refrigerantes - a juventude brasileira... - sem bandeiras - sem fronteiras pra defender."
  • As letras vermelhas do nome da banda são nuvens vermelhas, uma alusão à canção "Anoiteceu em Porto Alegre" ("arde fins de tarde de luz vermelha"). A mesma canção cita o Rio Guaíba, como apenas um "rio" (que tecnicamente é um lago, porém popularmente é considerado como sendo um rio), onde localiza-se o porto de Porto Alegre, e também passa por regiões próximas, no estado do Rio Grande do Sul (atrás do muro existe um rio/que na verdade, nunca existiu).
  • Ainda na mesma canção, há citações da Voz do Brasil e de trechos de narrações dos jogos do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense durante a Copa Libertadores da América de 1983, da qual sagrou-se campeão (vencendo o Peñarol, do Uruguai) e do Mundial Interclubes (vencendo o Hamburgo, da Alemanha). As narrações são provenientes de transmissões da rádio Guaíba AM.
  • O grupo de jovem guarda brasileiro Os Incríveis gravou um compacto com os hinos nacional e da independência do Brasil. A capa do compacto serviu de inspiração para o layout da capa de O Papa é Pop, além de passagens dos dois hinos serem tocadas no solo de guitarra final da canção "Era Um Garoto que Como Eu Amava os Beatles e os Rolling Stones"[1].

Referências

  1. Melhores de 90: Leitores consagram os Engenheiros (capa) Revista Bizz. Visitado em 25 de outubro de 2011.
  2. Engenheiros: a maior banda do Brasil? (capa) Revista Bizz. Visitado em 25 de outubro de 2011.
  3. O som que faz a cabeça da turma Revista Veja. Visitado em 25 de outubro de 2011.
  4. Certificados ABPD (em português) ABPD. Visitado em 2 de Junho de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Engenheiros do Hawaii é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.