O Profeta (1977)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde julho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
O Profeta
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 60 minutos aproximadamente
Criador(es) Ivani Ribeiro
País de origem  Brasil
Idioma original (em português)
Produção
Diretor(es) Antonino Seabra
Álvaro Fugulin
Elenco Augusto Strazzer
Débora Duarte
Elaine Cristina
ver mais
Tema de abertura alem do olhar
Tema de
encerramento
alem olhar
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil Rede Tupi
Transmissão original 19 de maio de 1979 - 29 de abril de 1980
N.º de episódios 260
Cronologia
Programas relacionados O Profeta

O Profeta foi uma telenovela brasileira produzida pela extinta Rede Tupi e exibida de 24 de outubro de 1979 a 29 de abril de 1980 às 21h10. Escrita por Ivani Ribeiro e dirigida por Antonino Seabra e Álvaro Fugulin.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Na história, Daniel era um paranormal que via o passado e previa o futuro. Quando era criança, teve a visão de que o cunhado, Henrique, traía sua irmã, Ester, com uma moça loura. Ester acabou se separando do marido. A moça loura era na verdade um espírito que acompanhava Henrique. Este fato despertou o ódio de Henrique por Daniel. Quando adulto, sua paranormalidade aumentou e ele passou a usá-la em benefício próprio, em vez de ajudar as pessoas.

Daniel abriu um consultório e se apresentou em vários programas na televisão. Ficou rico, importante e frio. Sua paranormalidade era explicada através da psiquiatria, pelo doutor Michel, Daniel aprendeu a ver a fe de outro nome como o profeta do senhor, pelo , através de seu pai, Francisco, e pelo catolicismo, pelo tio padre Olavo que ajudou o sobrinho e sua paranormalidade almentou .

De tão obcecado pelo poder não percebeu a traição de Henrique, que, para se vingar de sua separação, tornou-se seu amigo e o denunciou à policia por fralde. Ele acaba se disvirtuando do caminho do bem.

Ao mesmo tempo, envolveu-se com Sônia, noiva de Carlos, seu melhor amigo. Ele previu a morte do rapaz, mas foi acusado de tê-la provocado para ficar com Sônia. Envolveu-se também com a fútil Ruth, que só queria um marido rico. E não percebeu a paixão de Carola, uma moça feia, desengonçada e problemática. Ao final, Daniel foi preso, atormentado com seus poderes, e desejando ser um homem simples como todo mundo ao lado de Sonia e criar seu filho no caminho da luz longe das trevas e o bem contra o mal

Elenco[editar | editar código-fonte]

A apresentadora Hebe Camargo gravou uma participação na novela.

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Nacional[editar | editar código-fonte]

Internacional[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • A principal música da trilha sonora, "Quem dá mais ?", era cantada por Antônio Marcos, mas não era o tema da abertura.
  • A trama foi mais uma mostra do potencial de Ivani Ribeiro ao desenvolver suas novelas. Dois anos antes, ela tinha escrito A Viagem, a primeira telenovela a tratar do espiritismo, para a mesma emissora, e então, voltava ao tema.
  • O ator Carlos Augusto Strazzer ganhou, por esse trabalho, o Troféu APCA, da Associação Paulista de Críticos de Arte, de melhor ator de 1977.
  • O Profeta se beneficiou do insucesso da novela das oito da Rede Globo à época, Espelho Mágico, e chegou a superar a audiência da novela seguinte da Globo, O Astro, fato bastante explorado pela imprensa da época.
  • A imprensa chegou a noticiar que O Astro tinha sido feita de encomenda para concorrer com O Profeta, com temas semelhantes. Em poucas semanas a audiência de O Astro se consolidou em primeiro lugar.
  • A telenovela talvez tenha sido a última trama de sucesso da Tupi, que na época de sua exibição já enfrentava uma grave crise financeira. Mas, em parte, foi por causa de cortes provocados pela Censura Federal em seus primeiros capítulos que o então diretor artístico Guga de Oliveira (irmão de Boni) deixou a emissora. Ele havia feito um corte importante de gastos, o que melhorarim a situação financeira da emissora, mas com sua saída não houve mais esperanças para a salvação da Pioneira, extinta em Julho de 1980.
  • Retomava o misticismo de outras tramas de Ivani, como em O terceiro pecado, Os estranhos e A viagem.
  • O personagem Daniel, um dos mais marcantes da carreira de Carlos Augusto Strazzer (que, a exemplo da autora, também era um adepto da doutrina do espiritismo), foi usado como referência para muitos outros paranormais da televisão.
  • Quando Ivani começou a escrever O Profeta, Strazzer estava no ar na telenovela Éramos Seis, na qual interpretava Carlos, o filho mais velho da protagonista Dona Lola (Nicette Bruno). A emissora comunicou aos autores de Éramos seis, Sílvio de Abreu e Rubens Ewald Filho, que precisavam de Strazzer ou Carlos Alberto Riccelli (que vivia Alfredo, irmão de Carlos) para protagonizar O Profeta. Assim, os autores mataram Carlos na história, a exemplo do que ocorria no romance original que inspirou a novela, e liberaram o ator.
  • A telenovela contou com a participação do então arcebispo de São Paulo, Dom Paulo Evaristo Arns, fato celebrado à época como um grande acontecimento. Além dele, também contou com representantes de outras religiões, como o médium espírita Chico Xavier.
  • A apresentadora Hebe Camargo também teve uma participação especial na telenovela, recebendo o protagonista em seu programa.
  • O Profeta foi reapresentada pela TV Tupi no horário nobre, em 1980, e ganhou uma nova versão em 2006 com texto adaptado por Thelma Guedes e Duca Rachid, e supervisionado por Walcyr Carrasco,repetindo o sucesso da versão original.

Referências