O Rei Leão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Lion King
O Rei Leão (PT/BR)
Pôster original do filme.
 Estados Unidos
1994 • cor • 89 min 
Direção Roger Allers
Rob Minkoff
Produção Don Hahn
Roteiro Irene Mecchi
Jonathan Roberts
Linda Woolverton
Elenco Matthew Broderick
James Earl Jones
Jeremy Irons
Nathan Lane
Moira Kelly
Rowan Atkinson
Whoopi Goldberg
Cheech Marin
Género Animação
Aventura
Drama
Épico
Idioma Inglês
Música Hans Zimmer
Distribuição Walt Disney Pictures
Lançamento Estados Unidos 15 de Junho de 1994
Brasil 8 de Julho de 1994
Portugal 5 de Agosto de 1994
Orçamento US$ 45 milhões[1]
Receita US$ 987 483 777[1]
Cronologia
Último
Último
O Rei Leão 2: O Reino de Simba
Próximo
Próximo
Página no IMDb (em inglês)


(em inglês: The Lion King) é o 32º filme animado de longa-metragem da Walt Disney Pictures, lançado em 1994. É a décima nona maior bilheteria da história, a terceira animação com maior bilheteria de todos os tempos, perdendo apenas para Frozen - Uma Aventura Congelante e Toy Story 3.[2] [3]

O filme é inspirado na peça teatral Hamlet, de Shakespeare; no filme da Disney Bambi; nas histórias de José e Moisés, da Bíblia; e principalmente na clássica história de Osamu Tezuka: Kimba, o Leão Branco. O sucesso levou a uma adaptação teatral, na Broadway desde 1997, e duas sequências, O Rei Leão 2: O Reino de Simba e O Rei Leão 1½.

Enredo[editar | editar código-fonte]

O filme conta a história de Simba, um pequeno leãozinho que é filho de Mufasa, o Rei Leão, e da rainha Sarabi. O recém-nascido recebe a bênção do sábio mandril Rafiki mas, ao crescer, é envolvido nas artimanhas de seu tio Scar, o invejoso e maldoso irmão de Mufasa, que planeja livrar-se do sobrinho e assumir o trono. Quando Simba se vê injustamente acusado pela morte de Mufasa, sua única chance de salvar sua vida é se exilar das Terras do Reino. Ele encontra abrigo junto a outros dois excluídos da sociedade, um javali chamado Pumba e um suricate chamado Timão, que lhe ensinam a filosofia do "Hakuna Matata" (sem preocupações). Anos depois, ao ser descoberto por Nala, sua amiga de infância, Simba tem que decidir se deve assumir suas responsabilidades como rei ou seguir com seu estilo de vida despreocupado.

Re-lançamento em 3D[editar | editar código-fonte]

Após 17 anos, o clássico voltou às telas do cinema para um relançamento em 3D em setembro de 2011.

O filme O Rei Leão 3D liderou as bilheterias norte-americanas e canadenses por duas semanas seguidas. Arrecadou cerca de 22,1 milhões de dólares em três dias nas bilheterias dos EUA e do Canadá.[4] No Brasil o filme foi visto por 303.582 espectadores.[5]

Personagens[editar | editar código-fonte]

Mufasa: O rei, pai de Simba, irmão de Scar e parceiro de Sarabi. Um rei justo e bondoso para com sua família e seu povo, tentando manter a ordem e a paz no reino e conduzindo seu filho Simba no bom caminho, afim de que este um dia dê continuidade ao reino do pai. É irmão do sagaz e sádico Scar, o qual é um obstáculo em seu caminho, planejando tomar seu reino. Scar o faz, quando, através de uma armadilha, mata Mufasa e expulsa Simba do reino tornando-se rei em seu lugar.

Scar: Irmão de Mufasa. Invejoso, Scar lamenta o fato de seu irmão ser rei e ele não. Nutre ódio por seu sobrinho Simba(filho de Mufasa) por ter tomado seu lugar na ordem de sucessão ao trono. Scar faz aliança com as hienas do exílio afim de que estas o ajudem em sua cilada contra Mufasa e Simba, prometendo recompensá-las. Através de uma armadilha, Scar coloca a vida de Simba em perigo, cabendo a Mufasa salvar seu filhote, o que acaba prejudicando o rei leão. Mufasa livra Simba e consegue escapar, mas cai nas mãos de seu irmão, o qual o derruba de um penhasco, matando-o. Scar joga o peso da culpa sobre Simba e o força a fugir das terras do reino para bem distante, ordenando as hienas para o matarem. Após a morte de Mufasa e a fuga de Simba, Scar se torna o rei. Durante seu reino, Scar acaba deixando as terras sem água e comida, desertando boa parte do povo, porém sua tirania excede a tudo, permanecendo como rei até o retorno de Simba.

Simba: Filho de Mufasa e Sarabi. Um leão filhote muito esperto e astuto que rapidamente aprende as lições de seu pai, porém é certamente ingênuo às artimanhas de seu tio Scar. Simba sonha com o dia em que irá se tornar rei. Foge do reino forçadamente quando Scar o acusa de ter matado Mufasa, quando na verdade o próprio Scar o matou. Volta anos depois, já adulto, quando é procurado por Nala e retoma seu lugar no ciclo da vida. Seus melhores amigos são Pumba e Timão, dois malucos que Simba conhece no exílio, e que voltam com ele para as terras do reino afim de Simba destronar seu tio e tomar o reino para si.

Sarabi: Parceira de Mufasa e mãe de Simba.

Nala: É a melhor amiga de Simba quando os dois são filhotes. De acordo com Zazu, o pássaro mordomo, os dois são destinados a se casar no futuro, algo que Simba e Nala discordam, já que são muito crianças e acreditam ser somente amigos. Logo após uma festa em homenagem ao futuro reinado de Simba, ele e Nala decidem se aventurar no submundo(contra a vontade de Zazu e de Mufasa) onde encaram o perigo frente a frente com as hienas que os perseguem, até serem resgatados por Mufasa. Muitos anos depois, quando Simba, já adulto, está vivendo num paraíso muito além do exílio, com seus novos amigos Timão e Pumba, Nala o encontra e os dois se unem. É Nala quem tenta convencer Simba a voltar às terras do reino.

Zazu: Pássaro mordomo de Mufasa. Responsável por noticiar o rei de todos os acontecimentos no reino e todas as respolsabilidades. Encarregado de proteger Simba (e Nala, quando está junto deles), Zazu tenta ao máximo proteger o filhote leão dos mais variados perigos, impedindo que este visite as terras do exílio. Depois da morte de Mufasa e da ascensão de Scar ao trono, Zazu passa a ser seu escravo pessoal.

Pumba: Um facócero que ajuda Simba enquanto pequeno e melhor amigo de Timão. Seu lema era "Hakuna Matata". Ele e Timão encontram Simba perdido no deserto, e então o abrigam em seu lar e o ensinam o lema Hakuna Matata. Simba cresce sobre o cuidado e a amizade dos dois até ser encontrado por Nala e convencido a retornar ao seu reino. Quando Simba se convence, acaba levando consigo Timão e Pumba. Pumba é um javali largadão e bonachão, um tanto quanto espaçoso, mas muito divertido. Quando criança, sofria de solidão,. porque devido ao seu odor, ninguém queria ficar perto dele, o que se tornou um trauma de infância.

Timon (Timão no Brasil): Um suricate que junto a Pumba ajuda Simba enquanto criança. Melhor amigo de Pumba. O seu lema era "Hakuna Matata". Timão é aparentemente o cérebro da dupla, mais responsável que pumba, e um tanto quanto neurótico, porém uma companhia agradável e divertida.

Rafiki: O sábio mandril responsável pelo batismo de Simba e também por abrir os olhos de Simba em relação ao seu passado.

Banzai, Shenzi e Ed: Hienas, que tem como moradia o exílio do reino, numa região onde Mufasa ordenou que Simba nunca visitasse, para não se expor aos perigos do submundo. Estas três hienas, junto a várias outras (provavelmente um clã de hienas as quais pertencem), se unem a Scar, que as lidera num plano contra Mufasa e Simba e pela posse do reino, através de uma cilada para matar ambos. As hienas aceitam, sabendo que serão recompensadas por tal ajuda tendo cargos altos no reino de Scar. Banzai, Shenzi e Ed têm personalidade e estilos parecidos com punks arruaceiros e malandros. Aparentemente as três hienas são irmãos, sendo que Banzai é aparentemente o mais velho dos três, porém não é muito esperto. Shenzi, a fêmea do trio, é aparentemente o cérebro do trio (e portanto a líder dos três). Ed, o caçula, aparentemente não fala, apenas emite sons guturais, além de estar constantemente rindo e de língua de fora.

Sarafina: Mãe de Nala e a melhor amiga de Sarabi.

Vozes dos personagens[editar | editar código-fonte]

Personagem Estados Unidos Dubladores Originais Brasil Dubladores Brasileiros Portugal Dobradores Portuguesa
Mufasa James Earl Jones Paulo Flores António Marques
Simba (criança) Jonathan Taylor Thomas
Jason Weaver (canções)
Patrick de Oliveira
Bruno Miguel (canções)
Tiago Caetano
Fábio Pascoal (canções)
Simba (adulto) Matthew Broderick
Joseph Williams (canções)
Garcia Junior Carlos Freixo
Telmo Miranda (canções)
Scar Jeremy Irons Jorgeh Ramos Rogério Samora
Timon Nathan Lane Pedro Lopes André Maia
Pumba Ernie Sabella Mauro Ramos José Raposo
Nala (criança) Niketa Calame
Laura Williams (canções)
Érika Menezes
Paula Tribuzy (canções)
Sara Feio
Ana Guida (canções)
Nala (adulta) Moira Kelly
Sally Dworsky (canções)
Carla Pompílio
Roberta Madruga (canções)
Cláudia Cadima
Rafiki Robert Guillaume Pietro Mário Fernando Luís
Zazu Rowan Atkinson Pádua Moreira
Shenzi Whoopi Goldberg Carmen Sheila Cucha Carvalheiro
Ed Jim Cummings Voz original retida Voz original retida
Banzai Cheech Marin Hércules Fernando Adriano Luz
Sarabi Madge Sinclair Maria Helena Pader Manuela Santos
Sarafina Zoe Leader Marly Ribeiro Desconhecido

Vozes Adicionais: Marly Ribeiro, Telmo de Avelar.

Fonte: Marciacowboy, Eddy Potter, A.J., Kazinha

Produção[editar | editar código-fonte]

A idéia para O Rei Leão foi concebido no final de 1988, durante uma conversa entre Jeffrey Katzenberg, Roy E. Disney e Peter Schneider em um avião para a Europa para promover Oliver e sua Turma. Durante a conversa, o tema de uma história ambientada na África surgiu, e Katzenberg imediatamente aproveitou a idéia. A ideia foi então desenvolvida pelo Charlie Fink, vice-presidente das Relações Criativas da Walt Disney Animation Studios[6] . Katzenberg decidiu acrescentar elementos que envolvessem a chegada da maturidade e da morte, e idéias de experiências de vida pessoais, como algumas de sua vida esburacada na política, dizendo sobre o filme: "É um pouco sobre mim mesmo"[7] . Em novembro do mesmo ano, Thomas Disch (autor de A Torradeira Valente ) escreveu um argumento intitulado King of the Kalahari,[8] e, posteriormente, Linda Woolverton anos escrevendo rascunho do roteiro, que foi intitulado rei dos animais e, em seguida, o rei da selva. A versão original do filme era muito diferente do filme final. A trama foi centrada em uma batalha que está entre leões e macacos com Scar ser o líder dos babuínos, Rafiki ser uma chita, e Timão e Pumba sendo amigos de infância de Simba. [9] Simba também não deixar o reino, mas tornar-se um " personagem horrível desleixado, preguiçoso" devido a manipulações de Scar, então Simba seria derrubado depois de atingir a maioridade. Em 1990, o produtor Thomas Schumacher, que tinha acabado de completar Bernado e Bianca 2, decidiu unir-se ao projeto ", porque os leões são legais". Schumacher comparou o roteiro de O Rei da Selva "a um animado especial do National Geographic " . [10]


O diretor George Scribnerde de Oliver e sua Turma, foi o diretor inicial do filme, [11] sendo mais tarde acompanhado por Roger Allers, que era o principal revisor da história de A Bela e a Fera em outubro de 1991. Allers trouxe com ele Brenda Chapman, que se tornaria a chefe de história. Mais tarde, vários dos membros da equipe principal, incluindo Allers, Scribner, Hahn, Chapman, e o desenhista de produção Chris Sanders, fez uma viagem para Parque Nacional, no Quênia, a fim de estudar e ganhar uma apreciação do ambiente para o filme. [12] Depois de seis meses de trabalho de desenvolvimento história, Scribner decidiu deixar o projeto, como ele colidiu com Allers e os produtores sobre a sua decisão de transformar o filme em um musical, como a intenção de Scribner foi de fazer um filme documentário como mais focada em aspectos naturais[13] . Rob Minkoff substituído Scribner, e o produtor Don Hahn se juntou à produção como Schumacher tornou-se apenas um produtor executivo, devido à Disney promovê-lo a vice-presidente de Desenvolvimento para o Animation Studios. Hahn encontrou o roteiro sem foco e sem um tema claro, e depois de estabelecer o tema principal como "deixando a infância e enfrentar as realidades do mundo", pediu um reequipe final. Allers, Minkoff, Chapman e Hahn então reescreveu a história através de duas semanas de reuniões com diretores Kirk Wise e Gary Trousdale, que tinha acabado de A Bela ea Fera. O script também teve seu título alterado de rei da selva para o O Rei Leão, que a definição não foi a selva, mas um cerrado.

O Rei Leão foi o primeiro longa-metragem de animação da Disney para ser uma história original, em vez de ser baseado em um trabalho já existente. Os cineastas disseram que a história de O Rei Leão foi inspirado pelas José e Moisés da Bíblia e Hamlet de Shakespeare[14] . Durante o verão de 1992, foi adicionado á equipe o roteirista Irene Mecchi, com um segunda roteirista, Jonathan Roberts, juntando-se poucos meses depois. Mecchi e Roberts assumiu o comando do processo de revisão, correção de problemas emocionais não resolvidos no script e adicionando cenas para Pumba, Timão e as hienas. O letrista Tim Rice trabalhou em estreita colaboração com a equipe de roteiristas, voando para a Califórnia, pelo menos uma vez por mês, como suas canções se necessário trabalhar na continuidade narrativa. As letras de Rice - que foram retrabalhadas até ao final da produção - foram ainda precisas aos storyboards durante o desenvolvimento. Reescrotas eram frequentes, como animador Andreas Deja que tinha completado uma série de cenas que foram precisam ser refeitas devido a mudanças de diálogo.

Animação[editar | editar código-fonte]

"O Rei Leão foi considerado um pequeno filme porque estávamos indo para assumir alguns riscos. O campo para a história era um filhote de leão acusado de assassinato por seu tio definido pelaa música de Elton John. Pessoas diziam, 'O quê? Boa sorte com isso!'. Mas por alguma razão, as pessoas que acabaram entrando no filme foram muito apaixonada por ele e motivado. " - Don Hahn [15]

O desenvolvimento de O Rei Leão começou simultaneamente com Pocahontas, por isso, a maioria dos animadores da Disney decidiu trabalhar nele ao invés de no Rei Leão, acreditando que seria o mais prestigiado e bem-sucedido dos dois. Os artistas de história também não tinha muita fé no projeto, com Brenda Chapman declarando que ela estava relutante em aceitar o trabalho " porque a história não foi muito bom", e o escritor Burny Mattinson dizendo ao colega de trabalho Joe Ranft sobre o filme que "eu não sei quem vai querer assistir a isso. " A maioria dos principais animadores ou foram fazendo o seu primeiro grande trabalho de supervisão de um personagem, ou tinha muito interesse em animar um animal[16] . Treze desses supervisores de animação, ambos na Califórnia e na Flórida, foram responsáveis ​​por estabelecer as personalidades e ajustar o tom para os personagens principais do filme. A animação principal dos personagens inclui Mark Henn animando o Simba filhote, Ruben A. Aquino em Simba adulto, Andreas Deja em Scar, Aaron Blaise em Nala filhote, Anthony DeRosa em Nala adulta, e Tony Fucile em Mufasa[17] . Quase 20 minutos do filme, incluindo o "O que eu quero mais é ser Rei" seqüência, foram animadas no Disney-MGM Studios por facilidade. Em última análise, mais de 600 artistas, animadores e técnicos contribuíram para O Rei Leão ao longo de sua produção. Semanas antes de o filme ser lançado, a produção foi afetada pelo terremoto de Northridge em 1994 , que desligou o estúdio e foi necessário os animadores terminar o seu trabalho de casa.

Arte conceitual de Andreas Deja para Scar.

Os animadores de personagens estudaram animais da vida real para referência, como foi feito para Bambi em 1942. Jim Fowler, renomado especialista em vida selvagem, visitou os estúdios em várias ocasiões com uma variedade de leões e outros habitantes da savana para discutir o comportamento e ajudar os animadores dar aos seus desenhos uma sensação de autenticidade. As Terras dos Reinos são modelados sobre o parque nacional queniano visitado pela equipe. Distâncias focais variadas e lentes foram empregadas para diferir do retrato habitual da África em documentários - que empregam lentes teleobjetivas para fotografar a vida selvagem à distância. A sensação épica se inspirou nos estudos do artista Hans Bacher e as obras de pintores como Charles Marion Russell, Frederic Remington e Maxfield Parrish[18] . Uma vez que os personagens não seres antropomorfismos, todos os animadores tiveram de aprender a desenhar animais de quatro patas, e o desenvolvimento da história e personagem foi feito através do uso de cenas mais longas seguintes personagens.

O uso de computadores ajudou os cineastas apresentarem sua visão de novas maneiras. O uso mais notável de animação por computador está na seqüência "debandada de gnus". Vários personagens gnus distintas foram criados em um programa de computador 3D, multiplicando-se em centenas, cel sombreadas para se parecer com animação desenhada, e dado caminhos aleatórios abaixo de uma montanha para simular o movimento real, imprevisível de um rebanho[19] . Cinco animadores com formação específica e técnicos passaram mais de dois anos criando a sequencia da debandada. Outros usos de animação por computador foram feitas por meio de CAPS, que ajudou a simular movimentos de câmera, tais como rastreamento de tiros , e foi empregado na coloração, iluminação e efeitos de partículas.

Arte Conceitual colorida do Rei Leão.

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Letrista Tim Rice, que estava trabalhando com o compositor Alan Menken em músicas para Aladdin, foi convidado a escrever as músicas, e aceitou com a condição de encontrar um parceiro de composição. Como Menken não estava disponível, os produtores aceitaram a sugestão de Rice, que foi Elton John, após o convite de Rice aos integrantes do ABBAnão deu certo porque Benny Andersson estava ocupado com o musical Kristina från Duvemåla. John manifestou interesse em escrever "ultra-pop canções que as crianças gostariam, então os adultos podem ir e ver os filmes e obter tanto prazer deles ", mencionando uma possível influência de O Livro da Selva , onde se sentia a "música era tão engraçado e apelou para crianças e adultos" . [20]

John e Rice escreveu cinco canções originais para o filme (" Circle of Life ","I just can't wait to be king"," Be Prepared "," Hakuna Matata " e "Can't you feel the love tonight ") com o o desempenho do cantor em Can You Feel the Love Tonight sobre os créditos finais. Os lançamento em IMAX e DVD acrescentou outra canção, "The Morning Report", que foi baseado em uma canção descartado durante o desenvolvimento que eventualmente foi destaque em o viver a versão musical de O Rei Leão (musical)[21] . A pontuação do filme foi composta por Hans Zimmer, que foi contratado com base em seu trabalho em dois filmes em cenários africanos, O Poder de um Jovem e A World Apart, e completou a pontuação com música e coro com elementos tradicionais africanos organizados por Lebo M. Os parceiros de Zimmer, Mark Mancina e Jay Rifkin ajudou com arranjos e produção musical.

A Trilha Sonora Original do filme foi lançado pela Walt Disney Records em 13 de julho de 1994, e foi o quarto álbum mais vendido do ano no Billboard 200 e a trilha sonora mais vendida[22] . É a única trilha sonora um filme de animação a ser certificada Diamante (10 × platina) pela Recording Industry Association of America[23] . A trilha instrumental completa de Zimmer para o filme nunca foi originalmente dado uma versão completa pela Disney, até a data comemorativa da trilha sonora em 2014. O Rei Leão também inspirou a 1995 liberação Rhythm of Pride Lands, com oito canções de Zimmer, Mancina e Lebo M.

Canções[editar | editar código-fonte]

  1. Circle of Life (Ciclo da vida) - Carmen Twillie, Lebo M. e Mbongheni Ngema
  2. I Just Can't Wait to be King (O que eu quero mais é ser rei) - Simba (Jason Weaver), Zazu (Rowan Atkinson) e Nala (Laura Williams)
  3. Be Prepared (Se preparem) - Scar (Jeremy Irons), Banzai (Cheech Marin) e Shenzi (Whoopi Goldberg)
  4. Hakuna Matata - Timão (Nathan Lane), Pumba (Ernie Sabella) e Simba (Jason Weaver, criança; Joseph Williams, adulto)
  5. Can You Feel The Love Tonight? (Esta noite o amor chegou) - Simba (Joseph Williams), Nala (Sally Dworsky), Timão (Nathan Lane), Pumba (Ernie Sabella) e Kristle Edwards; Elton John canta uma versão pop nos créditos
  6. The Morning Report (Relatório Matinal) - Zazu (Jeff Bennett), Mufasa (James Earl Jones) e Evan Saucedo; não aparece no filme original, mas foi incluída na versão de IMAX e no DVD

Recepção[editar | editar código-fonte]

O Rei Leão tornou-se um dos maiores sucessos da Disney, com 312 milhões de dólares somente nos Estados Unidos e US$783,841,776 milhões ao redor do mundo.[3] Foi a animação de maior bilheteria até Procurando Nemo em 2003. No Brasil, fez mais de 500 mil pagantes na estréia[24] e 4.2 milhões no total.[25]

O VHS vendeu 4.5 milhões de cópias no dia da chegada em 1995, e o DVD, em 2003 chegou a 2 milhões na estréia. Em 2011 foi lançado em Blu-ray 2D e 3D,[26] e vem se mantendo como o mais vendido desde sua pré-venda.[27] [28]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar 1995
Ano Categoria Notas Resultado
1995 Melhor Trilha Sonora Hans Zimmer Venceu
Melhor Canção Original Can You Feel that Love Tonight Venceu
Circle of Life Indicado
Hakuna Matata Indicado
Globo de Ouro 1995
Ano Categoria Notas Resultado
1995 Melhor Filme (Comédia/Musical) O Rei Leão Venceu
Melhor Trilha Sonora Hans Zimmer Venceu
Melhor Canção Original Can You Feel that Love Tonight Venceu
Hakuna Matata Indicado
BAFTA 1995[29]
Ano Categoria Notas Resultado
1995 Melhor Trilha Sonora Hans Zimmer Indicado
Melhor Som David Hudson, Mel Meltcafe e Terry Potter Indicado

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Nas estréias nos cinemas em São Paulo e no Brasil, no dia 08 de julho de 1994, e na Rede Globo exibindo na Tela Quente especial no dia 24 de dezembro de 2012, durante do especial de Natal.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Quando foi lançado no Japão, houve queixas de que o filme teria feito plágio do desenho japonês Kimba, O Leão Branco. Com isso, mais de 1.100 fãs do desenho fizeram um protesto contra a Disney, exigindo apenas o nome de Osamu Tezuka (criador de Kimba) nos créditos, mas o protesto não foi além porque a viúva de Tezuka parou com o protesto, dizendo estar feliz com que a Disney tenha feito algo em homenagem a seu marido.
  • Com o sucesso do filme, histórias em quadrinhos foram lançadas em outros países, como a Alemanha, a Espanha, e outros. Uma das histórias mais famosas é Friends Again, onde, pela primeira vez, Nala briga com Simba. Na maioria dessas histórias, Mufasa ainda está vivo.
  • Há uma polêmica que em uma das cenas do filme, alguns alegam que a palavra "sex" (sexo, em inglês) é formada por pequenas flores quando Simba pensa no pai.
  • Apesar de ter sido dublada, a trilha sonora não foi lançada no Brasil.
  • A música The Lion Sleeps Tonight, tradicional música dos Estados Unidos, chegou a ser interpretada e animada para o filme, mas não foi lançada na trilha sonora.
  • Foi confirmado pela Disney que entrará em produção pelo Disney Channel uma série baseada no filme.

Referências

  1. a b The Lion King (1994) (em inglês) Box Office Mojo. Página visitada em 3 de junho de 2012.
  2. The Lion King em Box Office Mojo
  3. a b Bilheteria mundial, Internet Movie Database
  4. O Rei Leão 3D" lidera bilheterias pela 2ª semana nos EUA (em português) Uol Notícias. Página visitada em 11 de outubro de 2011.
  5. Informações sobre O Rei Leão no AdoroCinema. Página visitada em 29-06-2012.
  6. Neuwirth, Allan (2003) toons Makin ': dentro dos mais populares programas de TV e filmes de animação. Skyhorse Publishing Inc
  7. The Lion King: Diamond Edition: Walt Disney Home Entertainment.
  8. http://news.jamescumminsbookseller.com/?p=59
  9. Allers, Roger; Hahn, Don, e Minkoff, Rob (1995). VHS / DVD comentário em áudio para O Rei Leão. Walt Disney Home Entertainment
  10. http://www.disney.com.au/tlk/media/TLK_Media_Kit_v4.pdf
  11. http://www.ew.com/ew/article/0,,302837,00.html
  12. Finch, Christopher (1994). "Epílogo". A arte de The Lion King . Hyperion. pp. 165-193.
  13. Norman, Floyd (2010). Ghez, Didier, ed. Pessoas de Walt -, Volume 9 Xlibris Corporation.. pp. 463-464.
  14. O Rei Leão: Platinum Edition (Disc 2), Origens. (DVD) Walt Disney Home Entertainment.
  15. http://articles.latimes.com/2011/sep/15/entertainment/la-et-lion-king-20110915
  16. The Pride of the King (Blu-ray O Rei Leão: Edição Diamante: Walt Disney Home Entertainment. 2011.
  17. http://www.lionking.org/text/FilmNotes.html
  18. Hans P. Dream worlds: production design for animation
  19. The Lion King: Platinum Edition (Disc 2), Computer Animation (DVD)
  20. The Lion King: Platinum Edition (Disc 1), Music: African Influence (DVD).
  21. O Rei Leão (trilha sonora original). Hans Zimmer, Elton John, Tim Rice. Walt Disney Records .
  22. http://web.archive.org/web/20130404212700/http://www.billboard.com/charts/year-end/1994/the-billboard-200
  23. Certificações, RIAA
  24. O Senhor dos Anéis bate recorde no Brasil
  25. HARRY POTTER: MEGASUCESSO NA IMPRENSA
  26. Disney's The Lion King Special Edition a Hot Seller
  27. The best items in Blu-ray based on Amazon customer purchases (em inglês) Amazon.com. Página visitada em 11 de outubro de 2011.
  28. Rei Leão, veloz e furioso, bate recorde de vendas em Blu-ray nos EUA! (em português) BJC.com. Página visitada em 21 de outubro de 2011.
  29. http://www.imdb.com/event/ev0000123/1995

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Aladdin
Lista de filmes da Disney
1990
Sucedido por
Pateta - O Filme
Applications-multimedia.svg Este usuário participa do WikiProjeto Cinema.