O Rei do Gado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde fevereiro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
O Rei do Gado
logotipo da novela.
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 60 minutos (aproximadamente)
Criador(es) Benedito Ruy Barbosa[1]
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Luiz Fernando Carvalho[1]
Elenco Antônio Fagundes
Patrícia Pillar
Glória Pires
Raul Cortez
Fábio Assunção
Leonardo Brício
Oscar Magrini
Walderez de Barros
Sílvia Pfeifer
ver mais[2]
Tema de abertura "Rei do Gado", Orquestra da Terra[1]
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil Rede Globo
Transmissão original 17 de junho de 1996[1]14 de fevereiro de 1997[1]
N.º de episódios 209 (original)
110 (vale a pena ver de novo)
209 (Canal Viva)
Cronologia
Último
Último
O Fim do Mundo
A Indomada
Próximo
Próximo
Programas relacionados Esperança
Terra Nostra
Renascer

O Rei do Gado é uma telenovela brasileira que foi produzida pela Rede Globo e exibida de 17 de junho de 1996 a 14 de fevereiro de 1997, substituindo O Fim do Mundo e sendo substituída por A Indomada, totalizando 209 capítulos.

Escrita por Benedito Ruy Barbosa, teve a colaboração de suas filhas Edmara e Edilene Barbosa. Foi dirigida por Carlos Araújo, Emílio di Biase e José Luiz Villamarim, com direção geral e núcleo de Luiz Fernando Carvalho.

A trama contou com Antônio Fagundes como protagonista título. Ainda contou com Patricia Pillar, Fábio Assunção, Sílvia Pfeifer, Raul Cortez e Glória Pires nos papeis prinicpais.

Foi reprisada pelo Vale a Pena Ver de Novo, entre 15 de março e 13 de agosto de 1999, em 110 capítulos, as 14h20min, substituindo Quatro por Quatro e sendo substituída pela sua mesma sucessora original A Indomada.

Foi reprisada no Canal Viva entre 9 de fevereiro de 2011 a 28 de novembro de 2011, substituindo Por Amor e sendo sucedida por Barriga de Aluguel

História[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Primeira fase[editar | editar código-fonte]

Ocorre durante a Segunda Guerra Mundial, nos anos 1940. No interior de São Paulo, as famílias Berdinazzi e Mezenga têm uma rixa por causa de terras. Ocorre que os filhos das duas famílias, Giovanna Berdinazzi e Enrico Mezenga, se apaixonam, indo contra a briga de seus pais, Giuseppe e Antonio. Giovanna e Enrico se casam e têm um único filho, que recebe o nome de Bruno, em homenagem a um irmão de Giovanna, que morre na guerra e que era muito amigo de Enrico, apesar da inimizade entre as famílias.

Segunda fase[editar | editar código-fonte]

Ocorre na época da exibição da novela, em 1996, e mostra Bruno como um bem-sucedido fazendeiro, conhecido pelo apelido de Rei do Gado, por possuir um grande rebanho. Homem de hábitos simples, para quem a riqueza é apenas algo a mais, Bruno vive um casamento infeliz com Léia e tem dois filhos, Marcos e Lia. Ao descobrir a traição de Léia com o motorista Ralf, Bruno se separa dela.

Ao ter que resolver o problema da ocupação de uma de suas fazendas, a de Pereira Barreto, por um grupo de sem-terras liderados por Regino e sua mulher, Jacira, Bruno conhece a arredia bóia-fria Luana. Os dois se apaixonam, sem saber que na verdade são primos. Ele começa a encontrar a felicidade, só que ainda terá de enfrentar um dos tios, o velho Geremias Berdinazzi— um poderoso milionário foi conhecido como Rei do Café e do Leite em Guaxupé Minas Gerais— já que os dois manifestam intenção de comprar as terras que pertenceram a ambas as famílias no passado. Mesmo tanto tempo depois, a rixa entre os Berdinazzi e os Mezenga continua.

A bóia-fria Luana, que vivia no acampamento dos sem-terra era na verdade Marieta Berdinazzi, a única sobrinha viva de Geremias, mas que há muito tempo estava desaparecida. Como não tinha herdeiro, a fortuna de Geremias sempre foi alvo fácil de especulações. E eis que surge então uma misteriosa Marieta, que aparece do nada, se dizendo ser a sobrinha que Geremias tanto procurava. Essa mulher na verdade se chamava Rafaela e era uma golpista de olho na herança do produtor.

A vilã foi capaz de tudo para se manter no posto de sobrinha e herdeira da fortuna da família, foi capaz até de cometer um atentado contra a própria vida de Geremias para que ele morresse logo e não a retirasse da herança. A verdade, entretanto, surgiu e Luana ocupou o que lhe era de direito. Geremias ainda acabou encontrando um outro sobrinho na Itália, o jovem Giuseppe que retornou ao Brasil e herdou a herança do fazendeiro junto de Luana.

Aparício e Zé Bento são dois cantores apaixonados pelo sertão que decidem se juntar para formar uma dupla sertaneja, daí nasce Pirilampo e Saracura. A filha de Bruno, Lia, uma jovem meiga e doce, se apaixona por Pirilampo e contra a vontade da família, vai embora com ele pela estrada para viver seu amor dentro de um ônibus seguindo de cidade em cidade.

Já o filho de Bruno, o rebelde Marcos, era um jovem que não se preocupava com o amanhã, se envolve com Liliana, a filha do senador Roberto Caxias e a ilude a ponto de a abandonar grávida. Um golpe duro demais para uma menina sonhadora que ainda tinha que conviver com a falta de atenção do pai, que só tinha cabeça para sua fixação na luta dos sem-terra.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Antônio Fagundes interpretou o protagonista Bruno Mezenga.
Patrícia Pillar interpretou a protagonista Luana (Marieta Berdinazzi).
Glória Pires interpretou a principal antagonista Rafaela.
Raul Cortez interpretou o antagonista Geremias Berdinazzi.
Ator Personagem
Antônio Fagundes Bruno Berdinazzi Mezenga / Antonio Mezenga (1ª fase)
Patrícia Pillar Marieta Berdinazzi (Luana)
Glória Pires Rafaela Berdinazzi (falsa Marieta)
Raul Cortez Geremias Berdinazzi
Fábio Assunção Marcos Mezenga
Sílvia Pfeifer Léia Mezenga
Lavínia Vlasak Lia Mezenga
Carlos Vereza Senador Roberto Caxias
Mariana Lima Liliana Caxias
Guilherme Fontes Tavinho (Otávio)
Stênio Garcia Zé do Araguaia
Bete Mendes Donana
Walderez de Barros Judite
Ana Rosa Maria Rosa Caxias
Sérgio Reis Zé Bento (Saracura)
Almir Sater Aparício (Pirilampo)
Jackson Antunes Regino
Oscar Magrini Ralf
Ana Beatriz Nogueira Jacira
Carolina Ferraz Helena Cardoso
José de Abreu Coronel Geraldo Macedo
Lúcia Veríssimo Joana Patrício
Walter Breda Barão de São Gonçalo (José Martinho Ferraz)
Reginaldo Faria Padre Eduardo Herrera
Umberto Magnani Dom Marcelo Carneiro
Ana Lúcia Torre Maria de Lourdes Gonçalves
Ewerton de Castro Capitão Fernando Barão
Marco Nanini Dr. Edmilson Antunes
Hugo Carvana Fernando Matarazzo
Fernanda Montenegro Hermínia Galhardo
Pedro Paulo Rangel João Henrique Martins
Ney Latorraca Senador Carlos Greenberg
Leila Lopes Suzane
Jairo Mattos Fausto
Rogério Márcico Olegário
Iara Jamra Lurdinha
Chica Xavier Freira
Mara Carvalho Bia
Luciana Vendramini Marita
Maria Helena Pader Júlia
Luiz Parreiras Orestes (marido de Suzane)
Amilton Monteiro Detetive Clóvis
Paulo Coronato Dimas
Adenô de Souza Lupércio (sem-terra amigo de Regino)
Carlos Takeshi Olavo Takashi (piloto de Bruno que morre num acidente)
Manuel Boucinhas Giácomo Guilherme Berdinazzi
Roney Vilela Genivardo
Cosme dos Santos Formiga (sem-terra amigo de Regino)
Antônio Pompêo Dominguinhos (sem-terra amigo de Regino)
Arieta Corrêa Chiquita (Empregada dosmética do senador Caxias)
Tarcísio Meira Giuseppe Berdinazzi
Eva Wilma Marieta Berdinazzi
Vera Fischer Nena Mezenga
Letícia Spiller Giovanna Berdinazzi
Leonardo Bricio Enrico Mezenga
Marcello Antony Bruno Berdinazzi
Cláudio Corrêa e Castro Tony Vendacchio
Caco Ciocler Geremias Berdinazzi (jovem)
Emílio Orciollo Netto Giuseppe Berdinazzi (Jovem)

Abertura[editar | editar código-fonte]

A abertura da novela é feita de maneira pouco comum,; no início, após a revelação do nome de Antônio Fagundes como protagonista, e logo depois Glória Pires, sendo que Glória é a antagonista da trama, e a protagonista Patrícia Pillar, aparece creditada posteriormente a ela.[3]

Audiência[editar | editar código-fonte]

  • Primeiro capítulo: O primeiro capítulo obteve média de 55 pontos, índice superior a antecessora.
  • Último capítulo: O último capítulo teve média de 60 pontos.
  • Durante os capítulos em que o personagem Ralf, interpretado por Oscar Magrini, foi assassinado, a novela atingiu incríveis 57 pontos.[4]
  • Média final: A novela terminou com média geral de 51,6 pontos, se tornando a última novela da Globo a ter uma média acima dos 50 pontos.
  • Reprise: Em sua reprise, no Vale a Pena Ver de Novo, a novela registrou 27 pontos de média geral, sendo uma das maiores audiências do horário.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Reforçando o olhar cinematográfico do diretor, a novela contou com a fotografia de Walter Carvalho, um dos mais prestigiados fotógrafos de cinema do país, que já havia trabalhado com Luiz Fernando Carvalho em Renascer (1993), também de autoria de Benedito Ruy Barbosa.
  • O Rei do Gado estreou dois meses após a morte de 19 trabalhadores sem-terra em Eldorado dos Carajás, no Pará. A reforma agrária e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) foram abordados pela primeira vez numa telenovela. O tema teve grande repercussão na mídia e na sociedade em geral.
  • A novela marcou a estreia na TV Globo de Marcello Antony, Caco Ciocler, Emilio Orciollo Neto e Lavínia Vlasak.
  • Argentina, África do Sul, Canadá, Cuba, Grécia, Nicarágua, Noruega, Polônia e Rússia foram alguns dos mais de 50 países que exibiram O Rei do Gado.
  • Entre 15 de março e 13 de agosto de 1999, a novela foi reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo.
  • O Rei do Gado recebeu o Certificado de Honra ao Mérito no San Francisco International Film Festival, concorrendo com 1.525 produções de 62 países.
  • A primeira fase da novela, considerada um dos grandes momentos da teledramaturgia brasileira, e cujos sete capítulos mostravam a decadência do ciclo do café e a participação do Brasil na II Guerra Mundial, foi transformada pela Divisão Internacional da Rede Globo na minissérie Giovanna e Henrico. A obra foi selecionada como hors-concours no Festival Banff, do Canadá, entre 720 produções de 38 países.
  • O Rei do Gado conquistou excelentes índices de audiência e ganhou o Troféu Imprensa (1999) de melhor telenovela.[5]
  • A novela foi satirizada pelo Casseta & Planeta, Urgente! com três títulos: O Rei Drogado, O Rei Cagado e O Rei do Galho, como o grupo fazia com todas as novelas do horário nobre da emissora.
  • A Rádio Jovem Pan não deixou barato: Satirizou a novela com o título "O Rei Tardado", chegando a lançar um CD com os "capítulos" da Radionovela!

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Volume I[editar | editar código-fonte]

Capa: Patrícia Pillar

  1. "Rei do Gado" - Orquestra da Terra (tema de abertura)
  2. "Coração Sertanejo" - Chitãozinho & Xororó (tema de Bruno Mezenga)
  3. "Admirável Gado Novo" - Zé Ramalho (tema do núcleo dos sem-terras)
  4. "La Forza Della Vita" - Renato Russo (tema do senador Caxias)
  5. "Eu Te Amo, Te Amo, Te Amo" - Roberta Miranda (tema de Léa)
  6. "Correnteza" - Djavan (tema de Luana)
  7. "À Primeira Vista" - Daniela Mercury (tema de Liliana e Marcos)
  8. "Sem Medo de Ser Feliz" - Zezé Di Camargo & Luciano (tema de Ralf)
  9. "Doce Mistério" - Leandro & Leonardo (tema de Lia e Pirilampo)
  10. "Vaqueiro de Profissão" - Jair Rodrigues (tema de Zé do Araguaia)
  11. "The Woman In Me (Need The Man In You)" - Shania Twain (tema de Rafaela e Marcos)
  12. "O Que Vem a Ser Felicidade" - Orlando Morais (part. esp. Dominguinhos (tema de Rafaela)
  13. "Cidade Grande" - Metrópole (tema geral)
  14. "Caminhando Só" - Evara Zan (tema geral)
  15. "Glory of Love" - Peter Cetera (tema de Bruno Mezenga e Luana)

Volume II[editar | editar código-fonte]

"'Capa:"' Almir Sater e Sérgio Reis

  1. "Cabecinha no Ombro" - Pirilampo e Saracura (tema geral)
  2. "Mia Gioconda" - Chrystian & Ralf (part. esp. Agnaldo Rayol) (tema de Jeremias Berdinazzi)
  3. "Pirilume" - João Paulo & Daniel (tema geral)
  4. "No Fim do Asfalto" - Orquestra da Terra (tema geral)
  5. "Cortando Estradão" - Pirilampo e Saracura (tema geral)
  6. "Vagabundo" - Pirilampo e Saracura (tema de Geral)
  7. "Sia Mariquinha" - Dominguinhos (tema geral)
  8. "Brasil Poeira" - Pirilampo e Saracura (tema geral)
  9. "Boiadeiro Errante" - Pirilampo e Saracura (tema geral)
  10. "Travessa do Rio Araguaia" - Pirilampo e Saracura (tema de geral)
  11. "Você Vai Gostar" - Pirilampo e Saracura (tema geral)
  12. "Rei do Gado" - Pirilampo e Saracura (tema geral)


Referências

  1. a b c d e O Rei do Gado Memória Globo. Página visitada em 06/02/2011.
  2. Ficha Técnica Memória Globo. Página visitada em 06/02/2011.
  3. Relembre a abertura da novela O Rei do Gado Globo Vídeos. Página visitada em 06/02/2011.
  4. TV-Pesquisa (24 de novembro de 1996). DIRETOR JÁ TEM O NOME DE QUEM MATOU RALF Jornal do Brasil.. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  5. http://memoriaglobo.globo.com/Memoriaglobo/0,27723,GYN0-5273-230346,00.html

Ligações externas[editar | editar código-fonte]