O Sombra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde junho de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
O Sombra
Foto promocional de Orson Welles quando fazia a voz radiofônica do Sombra (1937 ou 1938)
Nome original The Shadow
Outro(s) nome(s) Kent Allard (pulps)
Lamont Cranston (rádio e filmes)
Sexo masculino
Espécie humano
Características excelente atirador, mestre em artes marciais, disfarces e fugas (pulp)
invisibilidade, Controle mental (Rádio)
Criado por Walter B. Gibson (sob o pseudônimo Maxwell Grant[1] )
Primeira aparição Programa de Rádio Detective Story Hour (31 de Julho de 1930)
Pulp "The Living Shadow" (1 de Abril de 1931)
Editor(es) Street & Smith e Condé Nast
Projecto Banda desenhada  · Portal da Banda desenhada

O Sombra é um personagem de histórias policiais criado originalmente para os programas de rádio na década de 1930. Seu criador foi Walter Brown Gibson, sob o pseudônimo Maxwell Grant. Trata-se de um impiedoso vingador mascarado que é, na realidade, o milionário Lamont Cranston. Na transmissão pelo rádio, vários atores emprestaram sua voz ao Sombra, entre eles Orson Welles. A noiva do Sombra, Margo Lane, era dublada por Agnes Moorehead.

O Personagem[editar | editar código-fonte]

Dono de um característico nariz aquilino e ameaçadores olhos negros, ele sempre usava chapéu, casaco e capa pretos, com a boca coberta por um lenço vermelho e um anel com um rubi enorme chamado Girassol.

Poderes & Armas[editar | editar código-fonte]

O Sombra usava duas pistolas 45 e tinha pontaria incrível. Possuia um aparelho voador feito sob medida.

Também dominava o controle da mente humana através da hipnose, arte que aprendeu no Oriente, podendo até desaparecer diante de seus adversários.

As Frases[editar | editar código-fonte]

No programa radiofônico, em resposta à terrível questão "Quem sabe o mal que se esconde nos corações humanos?"[1] , vinha a resposta: "O Sombra sabe... Pois ele tem o mal em seu próprio coração!" num tom tenebroso. Também sempre terminava cada episódio dizendo:

"O Sombra nunca falha!"

"As sementes do mal geram frutos amargos!"

"O crime não compensa!"

"O Sombra sabe!"

Os Agentes Do Sombra[editar | editar código-fonte]

O Sombra salvou diversas pessoas e, pregando que agora "a vida deles pertencia a ele", as transformou em suas agentes. O Sombra exige de seus subordinados submissão total, não gosta de ser questionado.

Personagens[editar | editar código-fonte]

  • Margo Lane: noiva do Sombra, era a única que conhecia seu segredo.
  • Black Tiger (no Brasil, Tigre Negro): vilão no seriado de 1940.

Cenário[editar | editar código-fonte]

Ao contrário de personagens como seu descendente direto, o Batman, o Sombra não teve o cenário de suas aventuras atualizado, e sua origem permanece presa à décadas de 1930 e 1940. Houve histórias, entretanto, em que o personagem continuava vivo nos dias atuais, como no caso da versão de Howard Chaykin e também no crossover O Sombra/ Ghost, publicado pela Dark Horse.

O Sombra e outro vingador encapuzado, o Aranha, foram algumas das fontes que inspiraram a criação do Batman (as outras, tão conhecidas entre os fãs, foram: Zorro, o filme The Bat e os projetos de Leonardo Da Vinci para um aparelho voador).

Nos Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

DC Comics[editar | editar código-fonte]

Uma confusão frequente dos leitores novatos é achar que o Sombra é um personagem da DC Comics, tal como Batman e Superman. Mas não se trata desse caso. Assim como Conan, O Cimério, não pertence à Marvel, o Sombra NÃO pertence à DC Comics. Nos dois casos as editoras compraram o direito de publicar os personagens das companhias que cuidam deles. Outros personagens em situação semelhante são Tarzan, John Carter de Marte, Gullivar Jones (de Edwin Lester Arnold, que teve uma série em quadrinhos chamada Guliver Of Mars).

A editora DC Comic publicou diversas revistas estreladas pelo personagem, mas em cada uma a versão apresentada era um pouco diferente.

Howard Chaykin reformulou o Sombra na mini-série Crime E Castigo, publicada no Brasil na revista Batman do final da década de 80/início da década de 90. Nessa publicação também apareceram a mini Batman: Ano Um, de Frank Miller e David Mazuchelli e O Questão, de Dennis O'Neil e Denny Cowan. Esta mini-série causou controvérsias, pois fugia muito da visão do Sombra incrustada até naqueles que o conheciam sem ter apreciado as obras anteriores. Chaykin inclusive quase nada sabia do personagem, estava nessa categoria de gente "que já tinha ouvido falar."

Dark Horse[editar | editar código-fonte]

  • O crossover O Sombra / Ghost. Nessa história, Lamont Cranston submete-se a um processo de congelamento para ser despertado no futuro.

No cinema[editar | editar código-fonte]

Alec Baldwin interpretou o personagem no filme de 1994.
  • Em 1937, a Grand National produziu um longa metragem, “The Shadow Strikes” (no Brasil, “Mr. Sombra”), sob a direção de Lynn Shares e estrelando Rod La Rocque. Em 1938, o mesmo ator voltou a interpretar o personagem em “International Crime”, sob direção de Charles Lamont[1] .
  • Em 1940, foi produzido um seriado, “The Shadow” (no Brasil, “A Sombra do Terror”), sob direção de James H. Horne, estrelando Victor Jory como o justiceiro que enfrenta o vilão Black Tiger (Tigre Negro) [1] .
  • A Monogram lançou três filmes sobre o Sombra em 1946, com o ator Kane Richmond no papel principal: “The Shadows Return” (“O Sombra Retorna”), sob direção de Phil Rosen; “Behind the Mask” (“A Máscara do Sombra”), sob direção de Phil Karlson, e “The Missing Lady” (“A Deusa de Jade”), também de Phil Karlson[1] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f Mattos, A. C. Gomes de. Cinemin 11. [S.l.]: Rio de Janeiro: EBAL. 53-55 p.