O Surto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde julho de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
O Surto
Informação geral
Origem Fortaleza, Ceará
País  Brasil
Gênero(s) Post grunge, rapcore, metal alternativo, reggae, forrocore
Período em atividade 1994 - atualmente
Gravadora(s) Virgin, EMI, JT Records, Independente.
Página oficial www.osurto.net
Integrantes Reges Bolo
Franklin Medeiros
Marcos Morini
Giuliano Giarolo
Ex-integrantes Bruno Graveto

O Surto é uma banda brasileira[1] de rock. Ficou conhecida nacionalmente pelo sucesso da canção "A Cera".

História[editar | editar código-fonte]

Formada em 1994 em Fortaleza, Ceará pelos cearenses Reges Bolo (voz) e Zé Wilclei (guitarra), além de Franklin Roosevelt (baixo) e Jucian Carlos (bateria), vindos de Natal, Rio Grande do Norte. A banda lançou seu primeiro trabalho independente em 1997, o título do álbum levando o mesmo nome da banda. O sucesso do disco fez com que a banda se apresentasse no Skol Rock Festival de 1998, sendo ovacionado como a melhor apresentação do festival.[2] A boa apresentação despertou o interesse da gravadora Virgin, que convidou o quarteto para fazer parte de seu casting. A banda foi para São Paulo, onde conheceram os integrantes dos Raimundos, pra quem abriram vários shows.

Em 2001, a banda lançou o álbum Todo Mundo Doido, produzido por Rick Bonadio, contendo dez faixas, destaca-se o hit A Cera, a música mais executada nas rádios brasileiras em 2001, Zarôia, Tudo é Possível que foi tema da novela adolescente Malhação e Hempadura. Com o sucesso do disco, O Surto foi convidado a se apresentar no Rock in Rio 3, dividindo o palco com grandes estrelas do Brasil e do mundo como Capital Inicial, Silverchair e Red Hot Chilli Peppers. O sucesso do álbum foi tão grande, que a banda foi convidada a participar de diversos programas de televisão em diversas emissoras como Globo, SBT, MTV, além de festivais por todo o país e uma série de cinco shows inesquecíveis no Japão.

Em 2002, a banda lançou seu segundo álbum, o Equalizando as Idéias. O hit O Veneno foi também uma das músicas mais executadas por todo o Brasil, e seu videoclipe foi um dos clipes mais executados da MTV, chamando atenção pela sua excelente produção e fotografia.

Entre 2004 a 2006, O Surto passou por uma transição. Aconteceram algumas trocas de integrantes e somente em 2007 a banda começou a trabalhar em um novo projeto, o disco De Onde Foi Que Paramos Mesmo?. O álbum contou com uma pré-produção do ex-tecladista do Capital Inicial, Aislan Gomes e com uma participação especial de Kiko Zambianchi em uma das faixas, porém, o vocalista Reges Bolo não ficou satisfeito com a produção final do álbum, que acabou por não ser lançado.

Doze anos depois do lançamento de seu álbum, Todo Mundo Doido, O Surto, agora um quarteto, se prepara para o lançamento de seu terceiro trabalho de inéditas. A formação atual da banda conta com dois integrantes da formação original: o vocalista e líder da banda, Reges Bolo e o baixista e humorista Franklin Medeiros. Markão Morini domina as baquetas na banda desde 2008 e Giuliano Giarolo na guitarra.

A banda promete lançar o novo EP "É pra Quem Gosta, e Não para Quem Quer" em agosto. O EP traz influências de rock and roll, hardcore e reggae. O primeiro single do novo trabalho é O Sol e o Céu em versão plugada e outra acústica. O segundo single será a música "Litoral", que será lançada em junho, juntamente com um videoclipe produzido pelo renomado fotógrafo Rick Werneck.

Legado[editar | editar código-fonte]

Muitos consideram que o O Surto foi uma banda que não teve oportunidade de mostrar todo seu potencial, alguns chegando a comparar com Chico Science como a melhor banda desde o movimento manguebeat. "A Cera" ficou marcada como uma das melhores músicas de rock produzidas no Brasil, sendo elogiada pela revista Rolling Stone americana[3] .

Integrantes[editar | editar código-fonte]


Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Singles[editar | editar código-fonte]

  • "A Cera"
  • "A Hempadura"
  • "Tudo É Possível"
  • "Cangsta"
  • "O Veneno"
  • "Menina"
  • "Saudade"
  • "Babba Ragga"
  • "Motivo"
  • "Iô Iô"
  • "O Sol e o Céu" *composição Reges Bolo Gelson Cherazzy - 2013

Referências

  1. O Surto chega como revelação no cenário musical (em português) Folha Online.. Página visitada em 31 de janeiro de 2012.
  2. Etapa do Skol Rock Festival agitou a praia do Pina Matéria publicada em 28 de setembro de 1998.
  3. Sucesso Rollinstone

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Flag of Brazil.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical do Brasil, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.