O Teatro Mágico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Teatro Mágico
O grupo em concerto
Informação geral
Origem Osasco, São Paulo
País  Brasil
Gênero(s) MPB, indie rock, folk rock
Período em atividade 2003 - atualmente
Página oficial www.oteatromagico.mus.br
Integrantes
Fernando Anitelli
Ex-integrantes
Edu Diux, Carlos Trevisan, Holden, Charlao, Fernando Rosa

O Teatro Mágico (TM) é um grupo musical brasileiro formado em 2003 na cidade de Osasco, São Paulo, criado por Fernando Anitelli. O TM é um projeto que reúne elementos do circo, do teatro, da poesia, da música, da literatura, da política e do cancioneiro popular tornando possível a junção de diferentes segmentos artísticos numa mesma apresentação.

História[editar | editar código-fonte]

Cquote1.svg O Teatro Mágico está crescendo porque as pessoas estão colaborando. Elas nos ajudam a compor, e podem tirar fotos e gravar vídeos para o nosso site. Para nós, essa interação é muito importante: o público alimenta a trupe e a gente responde. É essa a fórmula que faz acontecer![1] Cquote2.svg

O Teatro Mágico[2] , foi criado por Fernando Anitelli, ator, músico e compositor das canções do show. A equipe que o acompanha, foi formada em dezembro de 2003 por amigos e artistas que acreditaram no projeto. Trabalha sem apoio de gravadoras ou campanhas midiáticas, alegando-se independentes. Já participaram de eventos patrocinados pelo poder público, como o Governo Federal[3] e a Prefeitura de São Paulo[4] .

Possui três álbuns de estúdio: Entrada para Raros, O Segundo Ato e A Sociedade do Espetáculo.

A filosofia da trupe passa por construir sua participação na formação e diretriz do movimento Movimento Música para Baixar – MPB - comprometido com a defesa do livre compartilhamento de arquivos musicais via internet e flexibilização do direito autoral, que conta com adesão de artistas e músicos preocupados com a questão da censura na web.

Inspiradas nas obras de Hermann Hesse, escritor alemão ganhador do Prêmio Nobel de Literatura que apresentou o conceito de teatro mágico em seu livro O Lobo da Estepe, as composições tratam dos personagens que as pessoas precisam assumir nas diversas situações do cotidiano. As canções vão sendo intercaladas pelo traçado tecnológico de ruídos telefônicos, sinais de rádio e mensagens de voz. Os integrantes da trupe se apresentam maquiados e vestidos de palhaço, que trazem a ideia do "personagem interno" escondido em cada um de nós.

Apesar de envolver várias expressões artísticas, a linguagem musical e cênica é popular e acessível para todo tipo de público, independente de idade e classe social.

Embalando todas as canções, destacam-se: violões, violino, guitarra, baixo, percussão, flauta, DJs, gaita, xilofone, bateria, bandolim e sonoplastia. São 10 músicos e 3 artistas circenses, e algumas participações esporádicas como a da percussionista Simone Soul (Funk Como Le Gusta) e de alguns músicos do grupo pernambucano Cordel do Fogo Encantado, que também participaram da gravação do CD.

Em 19 de abril de 2008, o grupo se apresentou no programa Altas Horas, da Rede Globo, com uma apresentação circense, o grupo cantou "Camarada d’água" no programa[5] . Em 18 de Junho de 2008, três anos depois do lançamento de seu primeiro álbum, O Teatro Mágico fez o lançamento de seu segundo álbum de estúdio, intitulado O Teatro Mágico: Segundo Ato[6] [7] .

No dia 28 de março de 2009, voltaram a se apresentar no programa Altas Horas, cantando duas canções do do 2o álbum (O Segundo Ato), "Pena" e "Mérito e o Monstro". O programa contou também com a presença da apresentadora Xuxa Meneguel e da cantora Ivete Sangalo, que também se embalaram ao som da trupe.[8]

No dia 24 de abril de 2010, a trupe participou da novela "Viver A Vida da Rede Globo. Eles foram convidados pelo diretor de núcleo, Jayme Monjardim, e se apresentaram na inauguração de um restaurante da trama, executando as músicas "O Anjo mais velho" e "Pena".

O terceiro disco da banda foi lançado em 2011, quase juntamente com o projeto solo de Fernando Anitelli: As Claves da Gaveta, intitulado de A Sociedade do Espetáculo. Segundo o músico, inicialmente este disco fecharia a trilogia do grupo, porém tal ideia foi alterada posteriormente. Em algumas apresentações recentes, Fernando esclareceu ao público que não se limitará apenas a uma trilogia. Publicações recentes no blog oficial da trupe confirmam a preocupação com o próximo disco, inclusive citando a importância da renovação dos integrantes, para assim oferecer novas sonoridades e continuar impressionando o público.

Fernando Anitelli

Discussão com Rick Bonadio[editar | editar código-fonte]

Em 2009, o diretor musical Rick Bonadio fez duras críticas ao movimento "Música Para Baixar - MPB". Segundo ele, “quem dá música de graça na internet é estúpido e não valoriza seu trabalho. Quem baixa músicas sem autorização sabe que está lesando o artista”.

Em resposta, o músico Fernando Anitelli, defensor ferrenho da música livre no Brasil, disse: “não seja tão mal educado, alguém que se diz realizado não precisa chamar de estúpida uma nova geração de músicos”[9] .

Trupe[editar | editar código-fonte]

Músicos[editar | editar código-fonte]

  • Fernando Anitelli ( Voz e Violão)
  • Willians Marques ( Percussão)
  • Rafael dos Santos ( Bateria)
  • Guilherme Ribeiro ( Teclados)
  • Luiz Galldino ( Violino)
  • Sergio Carvalho
  • Daniel Santiago ( Guitarra)

Circo[editar | editar código-fonte]

  • Andrea Barbour
  • Mateus Bonassa
  • Nayara Dias
  • Nathalia Dias
  • Kátia Tortorella

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Ano Título Formato
2003 Entrada para Raros CD
2008 Segundo Ato CD
2011 A Sociedade do Espetáculo CD
2014 Grão do Corpo CD

Álbuns ao vivo[editar | editar código-fonte]

Ano Título Formato
2007 Fragmentos III DVD
2008 Entrada para Raros - Ao Vivo DVD
2009 Segundo Ato - Ao Vivo DVD
2013 Recombinando Atos - Ao Vivo em São Paulo DVD

Indicações, Prêmios e Recordes[editar | editar código-fonte]

  • Melhor Show Nacional de 2007 pelo guia da Folha de São Paulo;
  • Recorde de Público na Virada Cultural 2007 (40 mil pessoas em São Paulo) e 30 mil pessoas na Virada Cultural 2008 (recorde para o horário das 9h da manhã de domingo);
  • Mais de 120 mil cópias vendidas do CD “O Teatro Mágico: "Entrada para Raros”;
  • Mais de 50 mil cópias do CD "Segundo Ato";
  • Todas as músicas disponíveis gratuitamente na Internet. Sendo as do “Segundo Ato” recorde de downloads na Trama Virtual;
  • Anitelli participou do Fórum Social Mundial 2009 e foi convidado pelo MST e pela Marcha Mundial das Mulheres para cantar na cerimônia de recepção aos presidentes: Hugo Chavez (Venezuela), Fernando Lugo (Paraguai), Evo Morales (Bolívia) e Rafael Correa (Equador).
  • Em 2012, a música "Nosso Pequeno Castelo" foi indicado ao Hit do Ano no VMB 2012[10] .


Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Flag of Brazil.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical do Brasil, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.