O País dos Petralhas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de O país dos petralhas)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde setembro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
O País dos Petralhas
País dos Petralhas.png
Capa do livro
Autor (es) Reinaldo Azevedo
Idioma Português
País Brasil
Assunto política/sociedade
Editora Editora Record
Lançamento 2008
Páginas 337
ISBN 978-85-01-08232-9
Cronologia
Último
Último
O País dos Petralhas II
Próximo
Próximo

O País dos Petralhas é um livro escrito pelo jornalista brasileiro Reinaldo Azevedo. A obra reúne artigos escritos em seu blog hospedado pela versão online da revista Veja e outros publicados no Jornal do Brasil.

No livro Azevedo analisa criticamente o comportamento da esquerda brasileira, em especial o do Partido dos Trabalhadores (PT). Todavia, o autor não se restringe à esfera da política, discutindo também a ação dos meios de comunicação, a situação do sistema educacional (básico, médio e universitário), o posicionamento Igreja Católica, entre outros temas.

O título do livro traz o neologismo criado por Azevedo que mistura as palavras petista e metralha, dos Irmãos Metralha, quadrilha das histórias em quadrinho cujo objetivo único era assaltar o cofre do Tio Patinhas, numa clara alusão ao que considerada sanha do Partido dos Trabalhadores em engordar as caixas do partido com fundos provenientes do erário.

O livro critica também o método de usar a liberdade. Seja o uso de liberdade das eleições para conquistar o poder ou seja o uso de abaixo assinados, processos judiciais ou “manifestações espontâneas”.

Comentários do autor sobre o livro[editar | editar código-fonte]

Em 7 de novembro de 2008, Reinaldo Azevedo comentou que o País dos Petralhas é sobre algo que deveria aproximar as pessoas mais diferentes nos detalhes. "É uma crítica às diversas faces do mal que castiga o Brasil: a ideia que qualquer coisa é válida se for feita para o bem da maioria." É uma crítica ao método, diz o autor.

O método que Reinaldo contrapõe, ele explica, é o regime democrático, como instituído nos países ocidentais ao longo dos últimos dois séculos. Um regime onde toda discordância é permitida – exceto naquilo que garante a liberdade de discordar.

Sobre o multiculturalismo, Reinaldo diz:

“Trata-se de um curioso pluralismo evidentemente: todas as culturas estão em princípio certas e válidas, menos essa nossa, que lhes garante a liberdade de dizer que estamos todos errados.”

Para ele o livro defende que A liberdade individual está acima da vontade da maioria. É sobre este princípio que se construiu a sociedade ocidental que, como diz Reinaldo, nos deu papel higiênico, luz elétrica e geladeira. O País dos Petralhas é, portanto, um golpe em favor da civilização na longa batalha contra a barbárie.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]