Objecto Quase

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Objecto Quase
Autor (es) José Saramago
Idioma português
País  Portugal
Género conto
Editora Moraes Editores
Lançamento 1978
Páginas 139

Objecto Quase (1978), reúne seis narrativas curtas em que seu autor, o escritor português José Saramago, utiliza uma linguagem poética para fundir homens, seres e coisas em diferentes cenários.[1]

Em "A cadeira", o assento de um ditador vai sendo lentamente corroído até que ele se estatele no chão – referência clara à queda de Salazar, o ditador português. Nos contos, homens e coisas formam o mundo, cuja dinâmica se abala com a distância ou a desunião.[1]

"A cadeira ainda não caiu. Condenada, é como um homem extenuado por enquanto aquém do grau supremo da exaustão: consegue aguentar seu próprio peso. Vendo-a de longe, não parece que o Anobium a transformou, ele cow-boy e mineiro, ele no Arizona e em Jales, numa rede labiríntica de galerias, de se perder nela o siso."[1]

Outro dos contos incluídos neste livro é "Embargo"(adaptada a curta-metragem pelo realizador português António Ferreira em 2010. Um homem normal faz o que costuma a fazer todos os dias. Acorda, arruma-se, sai de casa, pega o seu carro. Mas esse dia será diferente. Depois de parar num posto de gasolina ele percebe que o seu carro começa a ter vontade própria e pára em todos os postos que ainda têm gasolina disponível. Sabe-se que há um embargo de petróleo causado pelos árabes e que esse embargo vai afectar o mundo inteiro. Os postos de gasolina estão lotados com filas de automóveis em busca de combustível, que se tornou fonte rara. O carro que toma vida embarga a vida rotineira do homem, atrasa-o do trabalho. A perplexidade de ver o carro com vida faz o homem perceber que agora ele está preso dentro dele, agarrado ao banco, impossibilitado da sua vontade, sozinho, sem ajuda.

"Acordou com a sensação aguda de um sonho degolado e viu diante de si a chapa cinzenta e gelada da vidraça, o olho esquadrado da madrugada que entrava, lívido, cortado em cruz e escorrendo de transpiração condensada. Pensou que a mulher se esquecera de correr o cortinado ao deitar-se, e aborreceu-se: se não conseguisse voltar a adormecer já, acabaria por ter o dia estragado. Faltou-lhe porém o ânimo para levantar-se, para tapar a janela: preferiu cobrir a cara com o lençol e virar-se para a mulher que dormia, refugiar-se no calor dela e no cheiro de seus cabelos libertos. […]"

"[…] Sentia fome. Urinara outra vez, humilhado demais para se envergonhar e delirava um pouco: humilhado, himolhado. Ia declinando sucessivamente, alterando as consoante e as vogais, num exercício in consciente e obsessivo que o defendia da realidade. Não parava porque não sabia para que iria parar. Mas, de madrugada, por duas vezes, encostou o carro a berma e tentou sair devagarinho, como se entretanto ele e o carro tivessem chegado a um acordo de pazes e fosse a altuar de tirar a prova da boa-fé de cada um. Por duas vezes falou baixinho quando o assento o segurou, por duas vezes tentou convencer o automóvel a deixa-lo sair a bem, por duas vezes num descampado nocturno e gelado, onde a chuva não parava, explodiu em gritos, em uivos, em lágrimas, em desespero cego. As feridas da cabeça e da mão voltaram a sangrar. E ele, soluçando, sufocado, gemendo como um animal aterrorizado, continuou a conduzir o carro. A deixar-se conduzir."

Referências

  1. a b c "13 receitas para subverter a história e criar utopias" - Revista Entre Livros, nº 23. Editora Duetto. São Paulo (2007).
Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.