Obra de Machado de Assis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Machado de Assis fotografado por Marc Ferrez, 1890.

A obra de Machado de Assis constitui-se de 9 romances e 9 peças teatrais, 200 contos, 5 coletâneas de poemas e sonetos, e mais de 600 crônicas.[1] [2] Suas primeiras produções foram editadas por Paula Brito,[3] e, mais tarde, por Baptiste-Louis Garnier. Garnier havia chegado ao Rio de Janeiro em 1844 de Paris e estabeleceu-se aí como uma figura notória do mercado livreiro brasileiro.[4] Hoje em dia, é comum as editoras brasileiras publicarem volumes especiais intitulados "Obra Completa de Machado de Assis" a fim de reunir toda a gama de sua produção literária.

Lista[editar | editar código-fonte]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Romantismo x Realismo[editar | editar código-fonte]

Capa de Ressurreição, primeiro romance do autor, convencional aos estilos da época.

Em sua História da Literatura Brasileira, José Verissimo dedica-se a um capítulo inteiro para tratar de Machado de Assis e lhe separa duas fases de sua obra: uma ligada à escola romântica (ou aos convencionalismos da época) e outra realista.[5] Os romances da primeira fase seriam Ressurreição (1872), A Mão e a Luva (1874), Helena (1876), Iaiá Garcia (1878), enquanto que os da segunda seriam todos os outros restantes de sua carreira, Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881), Quincas Borba (1891), Dom Casmurro (1899), Esaú e Jacó (1904) e Memorial de Aires (1908), pertencentes ao Realismo. higor

esta divisão seja ortodoxa entre os acadêmicos, o próprio Machado escrevera numa apresentação de uma reedição de Helena que este romance e os outros de sua fase "romanesca" possuíam um "eco de mocidade e fé ingênua."[6] 
Volume de Memórias Póstumas de Brás Cubas dedicado pelo próprio autor para a Biblioteca Nacional.

Contos Fluminenses (1872) e Histórias da Meia Noite (1873), consecutivamente, são posicionados em sua primeira fase, e Ocidentais (1882), ao lado de Histórias sem Data (1884), Várias Histórias (1896), Páginas Recolhidas (1899), e Relíquias da Casa Velha (1906), na segunda.[7] Seus dois primeiros livros de estreia, Crisálidas (1864) e Falenas (1870), são poéticos. Vinte e dois poemas, escritos entre 1858 e 64, compunham este primeiro livro. Há nestes poemas todos uma emoção "menos desbordante" que o comum lirismo da literatura brasileira.[8] As Crisálidas eram inspiradas pelo higor por intensas emoções amorosas ou pelo belo do feminino; os tercetos de "No Limiar" e os alexandrinos de "Aspiração" prefiguram os temas subjetivos e sentidamente idealizados de suas Ocidentais de 1882, embora não apresentassem excesso de sentimentalismo ou exagero de idealismo mas estremes da oratória.[9] Os dois livros poéticos embebiam-se dos cânones românticos, mas não se filiavam à natureza tropical do país.[10] Três anos antes destas duas publicações, Machado estreava como dramaturgo com a comédia Desencantos e a sátira Queda que as Mulheres Têm para os Tolos (tradução do livro de Victor Hénaux). Após 1866, a produção poética e teatral, outrora frequente, torna-se escassa.[11]

"Não me culpeis pelo que lhe achardes romanesco. Dos que então fiz, este me era particularmente prezado. Agora mesmo, que há tanto me fui a outras e diferente páginas, ouço um eco remoto ao reler estas, eco de mocidade e fé ingênua. E claro que, em nenhum caso, lhes tiraria a feição passada; cada obra pertence ao seu tempo."

—Apresentação de Machado de Assis a uma reedição de Helena.[12]

Liberto da "Escola Romântica" ou do "convencionalismo", como prefere a crítica moderna, Machado assume uma posição mais madura de sua carreira e compõe sucessivamente o que seriam todas as suas principais obras. A brusca mutação do autor é estudada pelos biógrafos juntamente com sua suposta "crise espiritual dos 40 anos" e da estadia que tivera de fazer para Nova Friburgo após a morte da esposa.[13] Apesar dessa sua segunda fase ser chamada "realista", críticos modernos argumentam que, ao contrário dos realistas, "que eram muito dependentes de um certo esquematismo determinista, Machado não procura causas muito explícitas ou claras para a explicação das personagens e situações".[14] Além disso, Machado criticava filosofias como o determinismo e o cientificismo da segunda metade do século XIX, fazendo com que suas obras não se encaixem perfeitamente nos pressupostos estéticos do Realismo.[15]

Após Memórias Póstumas de Brás Cubas, sucede-se diversas escritas de contos cuja estética é vista como "mais madura" e cujos temas são mais ousados.[16] "A Causa Secreta", "Capítulos dos Chapéus", "A Igreja do Diabo" e "Pai Contra Mãe" fazem parte desta fase. Iniciou sua carreira como contista em 1858, com "Três Tesouros Perdidos", e seguiu no ramo escrevendo contos em climas de tensões e de intensidade nos acontecimentos.[17] Por vezes seus contos são anedóticos, como em "A Cartomante", onde existe um final surpreendente, ou moderno, com o simples flagrante de um cotidiano, como em "Conto de Escola", ou de caráter, como em "Um Homem Célebre" ou em "O Espelho", que busca traçar "tipos humanos determinados em ideias fixas".[17] Escrevendo prolificamente conto e romance, surgiu o debate se Machado de Assis era mais genial em um ou em outro. Em 1882, publica O Alienista, que para alguns trata-se de conto, enquanto que para outros é uma novela.[17] É eminente, contudo, diferenciar a forma dos dois gêneros em Machado: seu romance "procura representar o mundo como um todo: persegue a espinha dorsal e o conjunto da sociedade", enquanto que seu conto "é a representação de uma pequena parte desse conjunto, mas não de qualquer parte, e sim daquela especial de que se pode tirar algum sentido."[18] Em sua produção final, publicou o "diplomático romance" Memorial de Aires e a peça teatral Lição de Botânica.[19]

Estilo[editar | editar código-fonte]

A obra de Machado de Assis assume uma originalidade despreocupada com as modas literárias dominantes de seu tempo. Os acadêmicos notam cinco fundamentais enquadramentos em seus textos: "elementos clássicos" (equilíbrio, concisão, contenção lírica e expressional), "resíduos românticos" (narrativas convencionais ao enredo), "aproximações realistas" (atitude crítica, objetividade, temas contemporâneos), "procedimentos impressionistas" (recriação do passado através da memória), e "antecipações modernas" (o elíptico e o alusivo engajados a um tema que permite diversas leituras e interpretações).[20]

Temática[editar | editar código-fonte]

Entre a temática na obra machadiana destaca-se a escravidão, os papéis sociais, a mulher, o ciúmes, a filosofia, como também a loucura, a solidão e a homossexualidade.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Moisés, 2001, p.15 e 45.
  2. Gledson (ed), 1990, p.11.
  3. Mônica Pimenta Velloso, "Do boato de rua à alta cultura" (01/10/2008). Acesso: 9 de agosto, 2010.
  4. El Far, 2004, p.38.
  5. Perrot, p.3.
  6. Freitas, 2001, p.60
  7. Milhomem, 2007, p.16 e seguintes.
  8. Veríssimo, 1998, p.395.
  9. Verissimo, 1998, p.397.
  10. Pereira, 1950, p.58
  11. BOSI et al., 1982, p. 522
  12. Apud Terra e Nicola, 2006, p.422.
  13. Coutinho, 1969, p.137
  14. Achcar, 1999, p.X.
  15. "Contos Escolhidos de Machado de Assis". Acessado em 31 de outubro, 2010.
  16. Nejar, 2007, p.92.
  17. a b c Sem nome, "O conto de Machado de Assis- parte I". Acesso: 4 de agosto, 2010.
  18. Aguiar, 1976, p.6
  19. "Manual prático de felicidade estreia no Barreto Júnior" (18.06.2009). Acesso: 4 de agosto, 2010.
  20. Francisco Achcar e Fernando Teixeira Andrade, 2001, p.80

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ---. "Figuras do narrador machadiano". In: Cadernos de Literatura Brasileira, n. 23/24, jul 2008, Instituto Moreira Salles, São Paulo.
  • ---. Brás Cubas em três versões. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
  • ---. "A escravidão entre dois liberalismos". In: ---. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 194-245.
  • ---. Machado de Assis, impostura e realismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.
  • ---, org. A biblioteca de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Topbooks/Academia Brasileira de Letras, 2001.
  • ---. Foco narrativo e memórias no romance machadiano da maturidade. In: SECCHIN, Antonio Carlos.
  • Abramo, Cláudio. A regra do jogo: o jornalismo e a ética do marceneiro (Edição 4). Editora Companhia das Letras, 1988. ISBN 8571640157
  • Achcar, Francisco (seleção e notas). Machado de Assis: Contos, ed. 6ª. Sol Editora, 1999.
  • Ascher, Nelson. "Machado de Assis: Má Influência?" in: Revista Veja 24 set., 2008, p.172.
  • Alencar, Mário de. "Advertência da edição de 1910". In: ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Crítica Literária. Organizado por Mário de Alencar. Rio de Janeiro: W. M. Jackson,1959, p. 7-10. (Obras completas de Machado de Assis)
  • Amâncio, Moacir. Ato de presença: hineni: (homenagem a Rifka Berezin), 2005, Editora Humanitas, 2005 ISBN 8598292850
  • Amaral, Andrey do. O máximo e as máximas de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2008.
  • Andrade, Fernando Teixeira de. (análise) "Memórias Póstumas de Brás Cubas" in: Os Livros da Fuvest I. São Paulo: Ed. Sol, 2001, pgs. 73-121.
  • Antunes, Benedito e Motta, Sergio Vicente. (orgs) Machado de Assis e a Crítica Internacional. São Paulo: UNESP, s/d. ISBN 8571399778
  • Aguiar, Flávio. Murmúrios no espelho. In: ASSIS, Machado. Contos. São Paulo: Ática, 1976.
  • Araújo, Hugo Bressane de. O aspecto religioso da obra de Machado de Assis. Cruzada da Boa Imprensa, 1939.
  • Assis, Joaquim Maria Machado de. Crítica Literária. Organizado por Mário de Alencar. Rio de Janeiro: W. M. Jackson, 1959.
  • Assis, Machado de. Obra Completa, org. por Afrânio Coutinho. Rio, Aguilar, 1971.
  • Assis, Machado de. Memórias Póstumas de Brás Cubas. Globo Livros, 2008. ISBN 8525044652
  • Assis, Machado de. Bons dias! (intro e notas de John Gledson). São Paulo, Hucitec, 1990.
  • Assis, Machado de. Balas de Estalo (org. por Heloísa Helena Paiva de Luca). São Paulo, Annablume, 1998.
  • Assis, Machado de. Obras completas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1979. 3 V.
  • Assman, Juracy. O circuito das memórias em Machado de Assis. São Paulo/ Porto Alegre: EDUSP/Editora Unisinos, 1993.
  • Bagno M. Machado de Assis para principiantes. 2ª Edição, Ed.Àtica. São Paulo SP, 200310.
  • Barbosa, Alexandre. Literatura e história: aspectos da crítica de Machado de Assis. In: ---. Alguma crítica. pp.57-74.
  • Bastos, Dau. Machado de Assis: num recanto, um mundo inteiro. Garamond, 2008. ISBN 8576171457
  • Bastos, Dau e JOBIM, José Luís, orgs. Machado de Assis: novas perspectivas sobre a obra e o autor no centenário de sua morte. Niterói / Rio de Janeiro: EDUFF / De Letras, 2008.
  • Bilac, Olavo. Ironia e piedade, introdução. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1916, p. 12.
  • Bosi et al., Alfredo. Machado de Assis. São Paulo: Ática, 1982.
  • Bosi, Alfredo. Machado de Assis: O Enigma do Olhar. São Paulo: Ática, 1999.
  • Bosi, Alfredo. O teatro político nas crônicas de Machado de Assis, São Paulo, IEA/USP, Coleção Documentos, Série Literatura, 2004.
  • Bloom, Harold. O Cânone Ocidental: os livros e a escola do tempo. 2.ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.
  • Bloom, Harold. Gênio. São Paulo, Objetiva, 2003.
  • Brayner, Sônia (org.). O conto de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.
  • Broca, Brito. "O processo de Machado de Assis". In:______ A vida literária no Brasil – 1900. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional, 1956, p. 187-203.
  • Bueno, Eduardo. Brasil: uma História. 1. ed. São Paulo: Ática, 2003.
  • Caldwell, Helen. Machado de Assis: The Brazilian Master and his Novels. Berkeley, Los Angeles and London, University of California Press, 1970.
  • Caldwell, Helen. O Othelo brasileiro de Machado de Assis. São Paulo: Ateliê Editorial, 2002.
  • Câmara Jr., M. Ensaios machadianos. Rio de Janeiro, Ao Livro Técnico, 1970.
  • Candido; Antonio. Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1970.
  • Candido, Antonio. "Esquema de Machado de Assis". In: Vários escritos. 3ª ed. rev.e ampl. São Paulo: Duas Cidades, 1995.
  • Carvalho, Marco Antonio de. Rubem Braga: um cigano fazendeiro do ar. Edição ilustrada. Editora Globo, 2007. ISBN 8525043915, 9788525043917.
  • Carvalho, Luiz Fernando. O Processo de Capitu, ed. ilustrada. Ed. Casa da Palavra, 2008. ISBN 857734102X
  • Chalhoub, Sidney. Machado de Assis, historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. ISBN 8535904352
  • Claret, M. Machado de Assis. Vida e Pensamentos. Ed. Mar-tin Claret Ltda. São Paulo SP 1996.
  • Costa, Pedro Pereira da Silva. Machado de Assis. Editora Três, 1974.
  • Coutinho, Afrânio. A tradição afortunada (o espírito de nacionalidade na crítica brasileira). Rio de Janeiro: José Olympio, 1968.
  • Coutinho, Afrânio. A filosofia de Machado de Assis. Casa Editora Vecchi ltda., 1940.
  • Datamata, Gasparino, Fernandes, Millôr e Luz, Moacyr. Antologia da Lapa, ed. 3. Ediouro Publicações, 2007. ISBN 8599070355
  • David M., John Barth. An Introduction. University Park and London, The Penn State Univ.Press, 1976.
  • Edmundo, Luis. O Rio de Janeiro do meu tempo, vol. II. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1938.
  • El Far, Alessandra. PÁginas de SensaÇÃo, ed ilustrada. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2004. ISBN 8535905847
  • Enciclopédia Barsa. Volume 10: Judô – Mercúrio. Rio de Janeiro: Encyclopædia Britannica do Brasil, 1987.
  • Facioli, Valentim. Um defunto estrambótico: análise e interpretação das Memórias póstumas de Brás Cubas. EdUSP, 2008. ISBN 8531410835, 9788531410833.
  • Facioli, Valentim. Várias histórias para um homem célebre (biografia intelectual). In: Alfredo Bosi et al., A. Machado de Assis. São Paulo: Ática, 1982, p. 9-59.
  • Faoro, Raymundo. Machado de Assis: a Pirâmide e o Trapézio, São Paulo, Cia. Ed. Nacional, 1974.
  • Faraco, Carlos Emílio e Moura, Francisco Mato. Português Projetos. São Paulo: Editora Ática, 2009.
  • Fernandez, Oscar. "Modern Language Journal", vol. 55, pp. 255-256, abr. 1971.
  • Ferreira,Eliane Fernanda Cunha. "Para traduzir o século XIX: Machado de Assis", Volume 297 de Selo universidade: Literatura. Annablume, 2004. ISBN 8574194344
  • Filho, Luís Viana. Vida de Machado de Assis. São Paulo: Liv. Martins Editora, 1965.
  • Freitas, Luiz Alberto Pinheiro de. Freud e Machado de Assis: uma interseção entre psicanálise e literatura. Mauad Editora Ltda, 2001. ISBN 8574780561
  • Fonseca, Gondin da. Machado de Assis e o hipopótamo. Volume 924 de Coleção brasileira de Ouro. Ed. de Ouro, 1968.
  • Giumbelli, Emerson. O cuidado dos mortos: uma história da condenação e legitimação do espiritismo. Ministério da Justicia, Arquivo Nacional, 1997. ISBN 8570090226
  • Gledson, John. J. Machado de Assis, ficção e história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.
  • Gledson, John. Por um novo Machado de Assis: ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
  • Goldmann, L. A criação cultural na sociedade moderna. São Paulo, Difusão Européia do Livro, 1972.
  • Goldmann, L. Literatura e sociedade: problemas de metodologia em sociologia da literatura. 2ª ed., Lisboa, Editorial Estampa, 1978.
  • Goldmann, L. Sociologia do romance. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1976.
  • Guerreiro CAM. Machado de Assis´s epilepsy. ArqNeuropsiq, 1992.
  • Guilhermino, Almir. Dom Casmurro: a encenação de um julgamento : na adaptação cinematográfica de Moacyr Góes e de Paulo César Saraceni. Ed. UFAL, 2008. ISBN 8571774277
  • Guimarães, H. de S. Os leitores de Machado de Assis: o romance machadiano e o público de literatura no século XIX. São Paulo: Nankin/EDUSP, 2004.
  • Grinberg, Keila, Grinberg, Lucia e Almeida, Anita. Para conhecer Machado de Assis: inclui atividades. São Paulo: Jorge Zahar Editor Ltda, 2005. ISBN 8571108714
  • Hollanda, Sérgio Buarque de. Cobra de Vidro. Livraria Martins Editôra, 1944. Original de Universidade da Califórnia.
  • Jobim, José Luís. Palavras da crítica: tendências e conceitos no estudo da literatura Biblioteca Pierre Menard. Ed. Imago, 1992. ISBN 853120223X
  • Júnior, R., Magalhães. Vida e obra de Machado de Assis, Maturidade, vol. 3, 1972.
  • Lajolo, M. e Zilbermann, R. A formação da leitura no Brasil. São Paulo, Ática, 1996.
  • Lamas, Berenice Sica. O duplo em Lygia Fagundes Telles: um estudo em psicologia e literatura. São Paulo: EDIPUCRS, 2004. ISBN 8574304395
  • Lima, Luiz Costa. História, ficção, literatura. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2006. ISBN 8535908579
  • Lima, Luiz Costa. "Letras à míngua". Folha de São Paulo, São Paulo, 27 ago. 2006.
  • Lopes JL. "A doença de Machado de Assis". In: A Psiquiatria de Machado de Assis. Ed. Agir, 2ª Edição. Rio de Janeiro RJ 1981.
  • Lucas, Fábio. O Nucleo E a Periferia de Machado de Assis. São Paulo: Editora Manole Ltda, 2009. ISBN 8520429459
  • Machado, Ubiratan Os intelectuais e o espiritismo: de Castro Alves a Machado de Assis : uma reportagem sobre meio século (1860-1910) de difusão do espiritismo no Brasil, através das repercussões em nossos meios intelectuais e segundo o depoimento da literatura. Edições Antares em convênio com o Instituto Nacional do Livro, Fundação Nacional Pró-Memória, 1983.
  • Machado, Ubiratan (org.). Machado de Assis. Roteiro de consagração. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2003.

Maciel, José dos Santos. "Momentos do Homoerotismo. A Atualidade: Homocultura e Escrita Pós-Identitária" in: Terra Roxa e outras terras Revista de Estudos Literários. Volume 7 (2006) – 26-38. ISSN 1678-2054

  • Marcondes, Ayrton Cesar. Machado de Assis: exercício de admiração. A Girafa, 2008. ISBN 8577190307
  • Matos, Mário. Machado de Assis: o homem e a obra, os personagens explicam o autor. Brasiliana; v.153 de Biblioteca Pedagógica Brasileira. Companhia editora nacional, 1939.
  • Meyer, Augusto. Machado de Assis (1935-1958). 4. Ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.
  • Moisés, M. Dicionário de termos literários. São Paulo, Cultrix, 1974.
  • Moisés, Massaud. "Machado de Assis, o modo de ser e de ver" in Jornal da Tarde, 1.5.1999.
  • Montello, Josué. O presidente Machado de Assis. 2a ed., rev. e ampl. Rio de Janeiro: José Olympio, 1986.
  • Nadaf, Yasmin Jamil. Machado de Assis em Mato Grosso: Textos críticos da primeira metade do século XX. Rio de Janeiro: Editora Lidador, 2006.
  • Nery, Fernando (coleção e anotação). Correspondência de Machado de Assis, Rio de Janeiro: Americo Bedeschi, editor, 1932.
  • Neto, Lira. O inimigo do rei, ed. ilustrada. Globo Livros, 2006. ISBN 8525041165.
  • Oliveira, Valdemar de. Ec̜a, Machado, Castro Alves, Nabuco ... e o teatro. Latin American documents. Universidade Federal de Pernambuco, Imprensa Universitária, 1967.
  • Pelegrino, Jr. Doença e constituição de Machado de Assis. Ed. José Olympio, Rio de Janeiro RJ, 1938.
  • Pereira, Lúcia Miguel. Machado de Assis: Estudo Crítico e Biográfico. Belo Horizonte, Editora Itatiaia Ltda, 1988.
  • Pereira, L. M. Machado de Assis (Estudo crítico e biográfico). Universidade de São Paulo. São Paulo SP 19884.
  • Pereira, Astrogildo. Machado de Assis e apontamentos avulsos. Rio de Janeiro: São José, 1959. In: Valentim Facioli, ob. cit., p. 39.
  • Pereira, R.A. Fraturas do texto: Machado e seus leitores. Rio de Janeiro, Sette Letras, 1999.
  • Pereira, Lúcia Miguel. "Machado de Assis". In: ---. Prosa de ficção (de 1870 a 1920). Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia/EDUSP, 1988. p. 59-106.
  • Pérez, Renard. Machado de Assis: Esboço Biográfico. In: Obra Completa de Machado de Assis. Rio, Editora Nova Aguiar S/A, 1971, 1º vol.
  • Piza, D. Machado de Assis. Um Gênio Brasileiro. Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2005.
  • Pontes, Elói. A Vida Contraditória de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Olympio, 1939.
  • Queirós, Eça de. "O escritor, o leitor e o público". In: C. REIS, O conhecimento da literatura: introdução aos estudos literários. 2ª ed., Coimbra, Almedina, 1997.
  • Queirós, E. de. O primo Basílio. 22ª ed., São Paulo, Ática, 2002.
  • Ramos, Celeste e Motta, Sérgio Vicente, ogs. À roda de Memórias Póstumas de Brás Cubas. Campinas: Alínea, 2006.
  • Raeders G. O Conde de Gobineau no Brasil. Paz e Terra. São Paulo SP 1993.
  • Reale, Miguel. A filosofia na obra de Machado de Assis. Sao Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1982.
  • Reis, Rutzkaya Queiroz dos. "Machado de Assis e Garnier: o escritor e o editor no processo de consolidação do mercado editorial". Disponível em http://www.livroehistoriaeditorial.pro.br/pdf/rutzkayaqueiroz.pdf
  • Revista de Letras, São Luís de Montes Belos, v. 1, p. 87-94, dez. 2007.
  • Riedel, Dirce Cortes. Metáfora. O espelho de Machado de Assis. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2008.
  • Rodrigues, Henrique. Machado de Assis: o Rio de Janeiro de seus personagens. Pinakotheke, 2008.
  • Romero, Sílvio. Machado de Assis: estudo comparativo de literatura brasileira. São Paulo: Editora da UNICAMP, [1897] 1992.
  • Rosa, Nereide S. Santa. Machado de Assis. Biografias Brasileiras. Callis Editora Ltd, 1998. ISBN 8574160547
  • Rouanet, Sérgio Paulo. Riso e melancolia; a forma shandiana em Sterne, Diderot, Xavier de Maistre, Almeida Garret e Machado de Assis. São Paulo: Companhia da Letras, 2007.
  • Rocha, João Cezar de Castro, org. "The Author as Plagiarist – The Case of Machado de Assis". Portuguese Literary & Cultural Studies 13/14, Fall 2004/Spring 2005.
  • Sant'Anna, Affonso Romano de. "Esaú e Jacó". In: ---. Análise estrutural de romances brasileiros. 4. Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1975.
  • Saraiva, J. Enunciação como espelho do enunciado. Espelho: Revista Machadiana, 6:6-24, 2000.
  • Santos, Fabio Muruci dos. "O Punhal de Martinha: O Rio de Janeiro Nas Crônicas de Machado de Assis", in: Anos 90, Porto Alegre, n. 14, dezembro de 2000.
  • Scarano, Júlia Maria Leonor. Grandes Personagens da Nossa História. São Paulo: Abril Cultural, 1969.
  • Schwarz, Roberto. "Duas notas sobre Machado de Assis". In: ______. Que horas são? Ensaios. 3ª reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 1987, p. 165-78.
  • Schwarz, Roberto. “A novidade das Memórias póstumas de Brás Cubas”. In: SECCHIN, A. C.; ALMEIDA, J. M. G.; SOUZA, R. M. (org.) Machado de Assis. Uma Revisão. Rio de Janeiro: In-Fólio,1988.
  • Schwarz, R. Ao vencedor as batatas. São Paulo: Duas Cidades, 1977.
  • Schwarz, R. Um mestre na periferia do capitalismo. São Paulo: Duas Cidades, 1990.
  • Secchin, Antonio Carlos, Almeida, José Maurício Gomes de e Souza, Ronaldes de Melo e. Machado de Assis, uma revisão. Rio de Janeiro: In-Fólio, 1998.
  • Sodré, Nelson. História da literatura brasileira. 4.a ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964, cap. 7.
  • Sousa, José Galante. Fontes para o estudo de Machado de Assis, ed. 2. Ed. Instituto nacional do livro, 1969.
  • Souza, Ronaldes de Melo e. O romance tragicômico de Machado de Assis. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2006.
  • Teive, Hélio A. G.; Paola, de Luciano; CARDOSO, Francisco. A Neuro-Psiquiatria em Machado de Assis. Universidade Federal do Paraná. Acta Med Port 2007; 20: 385-392.
  • Teixeira, Ivan. Apresentação de Machado de Assis. Universidade Hoje. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1987.
  • Teixeira, Jerônimo. "Machado: Um Verdadeiro Imortal" in: Revista Veja ed. 2079, 24 set., 2008. Disponível online em http://veja.abril.com.br/240908/p_160.shtml
  • Terra, Ernani e Nicola, José de. Português: de olho no mundo do trabalho. São Paulo: Editora Scipione, 2006.
  • Trigo, Luciano. O viajante imóvel: Machado de Assis e o Rio de Janeiro de seu tempo, ed. ilustrada. Editora Record, 2001. ISBN 8501057703
  • Trotto, Mrhn. A antipsiquiatria e Machado de Assis: O Alienista. J Bras Psiq, 1991.
  • Vainfas, Ronaldo. Dicionário do Brasil Imperial. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.
  • Ventura, Roberto. Estilo tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil - 1870-1914. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.
  • Verissimo, José. História da Literatura Brasileira: de Bento Teixeira (1601) a Machado de Assis (1908). 1º milheiro. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves & Cia., 1916.
  • Yacubian EMT, Pinto GRS. Arte. Poder. Epilepsia. São Paulo, Lemos Editorial e Gráficos, 1999.
  • Yacubian EMT. Epilepsia: Da Antigüidade ao Segundo Milênio. Saindo das Sombras. São Paulo, Lemos Editorial e Gráficos, 2000.
  • Zilberman, Regina. "Minha theoria das edições humanas: Memórias póstumas de Brás Cubas e a poética de Machado de Assis". In: --- et alii. As pedras e o arco; fontes primárias, teoria e história da literatura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2004. p. 17-118.
  • Zilberman, R. e Laojolo, M. A formação da leitura no Brasil. São Paulo, Ática, 1996.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikisource Textos originais no Wikisource