Obsolescência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
As fitas de vídeo abrem espaço para os DVDs

Obsolescência é a condição que ocorre a um produto ou serviço que deixa de ser útil, mesmo estando em perfeito estado de funcionamento, devido ao surgimento de um produto tecnologicamente mais avançado[1]

Existe inclusivamente a chamada obsolescência programada em que o produtor programa propositadamente desenvolver, fabricar e distribuir um produto, para consumo, de forma que se torne obsoleto ou não-funcional especificamente para uma determinada data ou tempo de funcionamento para forçar o consumidor a comprar de novo.

Tipos de obsolescência[editar | editar código-fonte]

Obsolescência técnica ou funcional[editar | editar código-fonte]

Pode ocorrer:

  • Quando um novo produto ou tecnologia mais funcional, toma o lugar do antigo (por exemplo, do telégrafo para o telefone, do disquete de 5 1/4" para o de 3 1/2", do celular analógico para o digital etc).
  • Quando o produto se torna inútil devido a mudanças em outros produtos. Por exemplo, os relhos tornaram-se obsoletos quando as pessoas começaram a andar em automóveis, em vez de charretes.
  • Quando as peças de reposição se tornam tão dispendiosas que se torna mais interessante comprar um produto novo.
  • Quando a baixa qualidade dos materiais encurta o tempo de vida do produto.
  • Quando partes essenciais não estão mais disponíveis para viabilizar a fabricação de um item. O gerenciamento deste tipo de obsolescência é necessário se uma disponibilidade de longa duração do produto for necessária.

Obsolescência planejada (ou programada)[editar | editar código-fonte]

Às vezes, os profissionais de marketing introduzem deliberadamente a obsolescência em sua estratégia de produto, com o objetivo de gerar um volume de vendas duradouro reduzindo o tempo entre compras sucessivas. Um exemplo poderia ser o de uma máquina de lavar roupa, que é deliberadamente projetada para deixar de funcionar cinco anos após a compra, obrigando os consumidores a comprar outra máquina para os próximos cinco anos [2] Numa indústria altamente competitiva, esta estratégia costuma ser arriscada porque os consumidores podem comprar máquinas dos fabricantes concorrentes. A prática de obsolescência planejada é também considerada por muitos consumidores como um sinal de comportamento antiético. Benito Muros, da SOP (Sem Obsolescência Programada),[3] inventou uma lâmpada de longa durabilidade e recebeu ameaças por causa de sua invenção.[4] A inspiração para sua criação foi a Centennial Bulb, que permanece funcionando desde 1901.[5]

Obsolescência perceptiva (ou percebida)[editar | editar código-fonte]

A obsolescência perceptiva é uma forma de reduzir a vida útil dos produtos que ainda são perfeitamente funcionais e úteis. Os fabricantes lançam produtos com aparência inovadora e mais agradável, além de pequenas mudanças funcionais, dando aos produtos antigos aspecto de ultrapassados. Dessa forma, induzem o consumidor à troca[6] . Um bom exemplo é a moda, que se modifica de forma a estimular a frequente aquisição de novos modelos de vestuários.

Referências

  1. COS, Jordi Pau; Gasca, Ricardo Navascués. Manual de Logística Integral. Madri: Diaz De Santos, 1998. ISBN 8479783451
  2. KAZAZIAN, Thierry; Heneault, Eric Roland Rene. Haverá a idade das coisas leves: design e desenvolvimento sustentável. São Paulo: Senac, 2005. ISBN 8573594365.
  3. OEP Electrics - Sin obsolescencia programada. Página visitada em 8-7-2013. (em espanhol)
  4. Eco Debate - Espanhol que inventou lâmpada que não queima é ameaçado de morte. Página visitada em 8-7-2013.
  5. Centennialbulb - Página visitada em 8-7-2013. (em inglês)
  6. Sobre o documentário "A história das coisas" Secretaria da Educação do Estado do Paraná. Visitado em 16-12-2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Tecnologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.