Ofíon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Fevereiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Divindades gregas

Proteus-Alciato.gif
Proteu
Deuses Primordiais
Deuses Olímpicos
Deuses Ctónicos
Titãs
Divindades aquáticas
Musas
Outras divindades
Divindades aquáticas

Na ficção mitológica de Ferécides de Siro[1] , Ofíon (em grego antigo Όφίων, "serpente"), também chamado Ofioneu, governou o mundo junto com Eurínome até serem derrotados por Cronos e Reia, que lhes arremessaram ao Oceanos.

Há poucas informações sobre essa divindade grega. A referência mais antiga que se conhece é o Heptamychia de Ferécides de Siro (século VI a. C.).

A história era aparentemente popular na poesia órfica, da qual só se conservam fragmentos. Em suas Argonáuticas, Apolônio de Rodas resume uma canção de Orfeu:

Cantava como a terra, o céu e o mar, uma vez misturados em uma única forma, foram separados uns dos outros após uma disputa mortal, e como as estrelas e a lua e os caminhos do sol não mantiveram seu lugar fixo no céu, e como as montanhas se elevaram, e como os estrepitosos rios com suas Ninfas foram criados, com todos os seres vivos. E cantava como em primeiro lugar Ofíon e Eurínome, filha de Oceano, tiveram o domínio do nevado Olimpos, como pela força cederam seu lugar a Cronos e a Reia, e como caíram as ondas de Oceano; mas os outros dois governavam então sobre os benditos Titanes, enquanto Zeus, todavia pequeno e com os pensamentos de um bebê, morava na cova Dicteia, e os Ciclopes nascidos da terra ainda não lhe haviam armado com o raio, o trovão e o relâmpago, pois estas coisas dariam fama a Zeus.


Também se menciona o nascimento de Ofioneus, assim como uma batalha entre deuses com Cronos em um bando e Ofioneus e seus filhos no outro, aonde ao final se chegava a um acordo que, no entanto empurrava a este segundo bando ao Oceanos e outorgava ao primeiro o céu.

Em suas Praeparatio, Eusébio de Cesareia cita a Fílon de Biblos ao afirma que Ferécides tomou a Ofíon e aos Ofionidas dos fenícios.

Licofron narra que a mãe de Zeus, ou seja Reia, era destra na luta e lançou ao Oceanos a anterior rainha Eurínome.

Em suas Dionisíacas Nono fez com que Reia dissesse:

Irei aos mesmos confins de Oceanos e compartilharei o lar da primordial Tétis; daí passarei a casa de Eurínome e viverei com Ofíon.


Ofíon é mencionado outra vez por Nono:

Junto ao muro oracular vimos a primeira tabuleta, antiga como o infinito passado, contendo todas as coisas em uma: sobre ela estava tudo o que Ofíon senhor supremo havia feito, tudo o que o antigo Cronos conquistou.


Em seu livro, Os mitos gregos, Robert Graves tentou reconstruir um mito da criação pelasgo que incluía a Ofíon como uma serpente criada por uma deusa suprema chamada Eurínome, dançando sobre as ondas. Esta era fertilizada pela serpente e com a forma de uma pomba põe um ovo sobre as águas em torno do qual Ofíon se entrelaçava para chocá-lo até que finalmente o mundo saiu dele. Então Ofíon e Eurínome moravam no mundo sobre o monte Olimpo até que a presunção de Ofíon levou Eurínome a arremessá-lo na escuridão abaixo da terra.

Referências

  1. Pherecydes of Syros, site www.mlabanas.de