Jogos Olímpicos de Inverno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Olimpíadas de Inverno)
Ir para: navegação, pesquisa
Jogos Olímpicos de Inverno
Olympic rings without rims.svg

Opening of XXII Winter Olympic Games (2338-13).jpg
A Chama Olímpica em Sóchi durante
os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014
Jogos
1924 • 1928 • 1932 • 1936 • 1940 • 1944
1948 •1952 • 1956 • 1960 • 1964 • 1968
1972 • 1976 • 1980 • 1984 • 1988 • 1992
1994 • 1998 • 2002 • 2006 • 2010
2014 • 2018 • 2022
Esportes (detalhes)
Biatlo • Bobsleigh • Esqui cross‑country
Combinado nórdico • Curling • Esqui alpino
Esqui estilo livre • Hóquei no gelo • Luge
Patinação artística • Patinação de velocidade
Patinação de velocidade em pista curta
Salto de esqui • Skeleton • Snowboard

Jogos Olímpicos de Inverno são um evento multiesportivo realizado a cada quatro anos, reunindo modalidades de desportos de inverno disputadas no gelo e na neve, sendo um dos eventos máximos do Movimento Olímpico, ao lado dos Jogos Olímpicos de Verão.

A primeira competição de caráter mundial a reunir desportos de inverno foi a Semana Internacional de Desportos de Inverno, realizada em 1924 na cidade francesa de Chamonix. Apenas dois anos depois o Comitê Olímpico Internacional (COI) decidiu dar o estatuto de Jogos Olímpicos àquela competição, que passaria a acontecer regularmente.

No princípio, os Jogos de Verão e de Inverno eram atribuídos a um mesmo país para serem realizados no mesmo ano. Foi assim até a quarta edição, na Alemanha, em 1936 (ano em que Berlim sediou os Jogos de Verão e Garmisch-Partenkirchen sediou os Jogos de Inverno). Depois de duas edições canceladas por causa da Segunda Guerra Mundial (Sapporo 1940 e Cortina d'Ampezzo 1944), os Jogos passaram a ser realizados por países diferentes, mas continuaram a acontecer no mesmo ano. Em 1986 o COI decidiu intercalar os Jogos de Verão e de Inverno, realizados sempre nos anos pares. Assim, os Jogos de Albertville 1992 foram sucedidos pelos Jogos de Lillehammer 1994.

Os Jogos de Inverno sofreram mudanças significativas desde a sua criação. A ascensão da televisão como um meio global de comunicação melhorou o perfil dos Jogos. Foi também criado um fluxo de renda, através da venda de direitos de transmissão e publicidade, que tornou-se lucrativa para o COI. Isto permitiu que interesses externos, tais como empresas de televisão e patrocinadores influenciassem os Jogos. O COI teve de responder a críticas diversas e escândalos internos, bem como a utilização de substâncias dopantes por atletas. Houve um boicote político das Olimpíadas de Inverno. Nações também têm usado os Jogos de Inverno para mostrar a pretensa superioridade de seus sistemas políticos.

Os Estados Unidos sediaram os Jogos quatro vezes, mais do que qualquer outro país. Em seguida vem a França, com três edições. No total, dez países já receberam os Jogos de Inverno. A última edição ocorreu em Sóchi (Rússia), em fevereiro de 2014, que também foi a primeira cidade subtropical a receber os Jogos Olímpicos de Inverno. A próxima edição está marcada para o condado de Pyeongchang, na Coreia do Sul.

História[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

O primeiro evento multi-esportivo internacional para desportos de inverno foram os Jogos Nórdicos realizados na Suécia em 1901. Originalmente organizado pelo general Viktor Gustaf Balck, os Jogos Nórdicos foram realizados novamente em 1903 e 1905 e, em seguida, quadrienalmente, e posteriormente, até 1926.[1] Balck foi membro fundador do Comitê Olímpico Internacional (COI) e amigo próximo do fundador dos Jogos Olímpicos, Pierre de Coubertin. Ele esforçou-se para que os esportes de inverno, especificamente patinação artística, fossem incluídos no programa olímpico[1] . Balck não teve sucesso, até que os Jogos Olímpicos de Verão de 1908, em Londres, Reino Unido, contaram com quatro provas da patinação artística,[2] em que Ulrich Salchow (dez vezes campeão mundial) e Madge Syers conquistaram os títulos individuais.[3]

Três anos mais tarde, o italiano Eugenio Brunetta d'Usseaux propôs que o COI organizasse uma semana com desportos de inverno, como parte dos Jogos Olímpicos de Verão de 1912, em Estocolmo, Suécia. Os organizadores se opuseram a esta ideia, porque eles desejavam proteger a integridade dos Jogos Nórdicos, e estavam preocupados com a falta de instalações para desportos de inverno.[4] [5] [6] A ideia foi ressuscitada para os Jogos de 1916, que seriam realizados em Berlim, Alemanha. Uma semana de esportes de inverno com a patinação de velocidade, patinação artística, hóquei no gelo e esqui nórdico foi planejada, mas os Jogos Olímpicos de Verão de 1916 acabaram cancelados após a eclosão da Primeira Guerra Mundial.[5]

A primeira Olimpíada após a guerra, os Jogos de 1920, em Antuérpia, na Bélgica, exibiram a patinação artística e o hóquei no gelo.[5] No Congresso do COI realizado no ano seguinte, foi decidido que o país anfitrião dos Jogos Olímpicos de Verão de 1924 teria que organizar também em separado uma "Semana Internacional de Esportes de Inverno (International Winter Sports Week, em inglês), sob o patrocínio do COI. Com os Jogos Olímpicos acontecendo em Paris, na França, Chamonix foi escolhida para sediar esta "semana" (na verdade onze dias) de eventos. Os Jogos provaram ser um sucesso em que mais de 250 atletas de dezesseis nações competiram em dezesseis eventos.[7] Atletas da Finlândia e da Noruega conquistaram 28 medalhas, mais do que o restante das nações participantes juntas.[8] Em 1925, o COI decidiu criar em separado os Jogos Olímpicos de Inverno,[5] e os Jogos de 1924 em Chamonix foram retroativamente designados como os primeiros Jogos Olímpicos de Inverno.[5] [7]

Hóquei no gelo em 1928.

St. Moritz, na Suíça, foi apontada pelo COI para sediar a segunda Olimpíada de Inverno em 1928.[9] As oscilantes condições meteorológicas apresentaram desafios ao país-sede. A cerimônia de abertura foi realizada com uma nevasca.[10] Em contraste, as condições de clima quente atormentaram todo o restante dos jogos. Por causa do clima, a prova de 10 000 metros da patinação de velocidade teve de ser abandonada e oficialmente cancelada[11] O tempo não foi o único aspecto digno de nota dos Jogos de 1928; Sonja Henie da Noruega fez história quando venceu a patinação artística com quinze anos de idade. Ela se tornou a mais jovem campeã olímpica da história, uma excelência que ela mantém por 74 anos.[12]

Os Jogos Olímpicos de Inverno seguintes foram os primeiros a serem realizados fora da Europa. Dezessete países e 252 atletas participaram.[13] Estes foram menores que em 1928, já que a viagem a Lake Placid, Estados Unidos, era longa e cara para a maioria dos concorrentes e havia pouco dinheiro para o esporte no meio da Grande Depressão. Os atletas competiram em quatorze eventos em quatro esportes.[13] O tempo quente também foi um problema nos Jogos de 1932. Praticamente não nevou durante dois meses antes dos Jogos. Não havia até meados de janeiro, neve suficiente para realizar todos os eventos.[14] Sonja Henie defendeu seu título olímpico,[13] e Eddie Eagan, que havia sido campeão olímpico de boxe em 1920, ganhou o ouro no bobsled vindo a se tornar o primeiro, e até agora único atleta olímpico a ter ganho medalhas de ouro tanto nos Jogos de Verão quanto nos Jogos de Inverno[13] .

As cidades alemãs de Garmisch e Partenkirchen se juntaram para organizar a edição dos Jogos de Inverno de 1936, realizada de 6 a 16 de fevereiro.[15] Em 1936, os Jogos Olímpicos de Verão e de Inverno foram realizados no mesmo país, Alemanha, na última hora. O esqui alpino fez sua estreia olímpica, mas os professores de esqui foram impedidos de disputar porque eles eram considerados profissionais.[16] Por causa dessa decisão, os esquiadores suíços e austríacos se recusaram a disputar os Jogos[16] .

1939 a 1945: A Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, a cidade japonesa de Sapporo foi escolhida para sediar a edição de 1940, mas a eclosão da invasão japonesa da China fez com que o COI decidisse que a nova sede seria a cidade suíça de St. Moritz.[17] Três meses após a luta entre o COI e o Comitê Organizador fizeram com que os Jogos fossem outorgados a Garmisch-Partenkirchen, que havia acolhido a edição anterior, mas, finalmente, em novembro de 1939 e devido à eclosão da Segunda Guerra Mundial com a invasão da Polônia, tanto os Jogos de Verão e de Inverno foram finalmente cancelados. Os Jogos de 1944, que seriam realizados em Cortina d'Ampezzo, na Itália, também foram cancelados devido a continuação da guerra.[18]

1948 a 1960[editar | editar código-fonte]

St. Moritz foi escolhida para sediar os primeiros Jogos pós-guerra, em 1948. Por causa da neutralidade da Suíça, a cidade tinha sido intocada pela Segunda Guerra Mundial. Como a maioria dos locais já haviam sido construídos para os Jogos de 1928, St. Moritz foi uma escolha lógica vindo a se tornar a primeira cidade a sediar uma Olimpíada de Inverno por duas vezes.[19] Vinte e oito países competiram na Suíça, mas os atletas da Alemanha e do Japão não foram convidados.[20] Os jogos foram marcados pela controvérsia e roubo. Duas equipes de hóquei dos Estados Unidos tiveram sucesso. Ambas afirmavam ser a legítima representante americana no hóquei olímpico. Como a bandeira olímpica apresentada nas Olimpíadas de Antuérpia foi roubada, foi feita a sua substituição. Houve paridade sem precedentes nestes Jogos, durante o qual 10 países conquistaram medalhas de ouro, mais do que quaisquer Jogos até então.[21]

Cerimônia de abertura dos Jogos de 1952 em Oslo.

A cidade de Oslo, na Noruega, foi convidada para sediar os Jogos Olímpicos de Inverno de 1952. A chama olímpica foi acesa na lareira da casa do pioneiro esquiador Sondre Nordheim.[22] O revezamento da tocha foi conduzida por 94 participantes inteiramente em esquis.[22] [23] Bandy, um esporte popular nos países nórdicos, foi apresentado como um esporte de demonstração, mas apenas Noruega, Suécia e Finlândia tiveram equipes. Atletas noruegueses ganharam dezessete medalhas e superaram todas as nações no total de medalhas.[24] Eles eram liderados por Hjalmar Andersen, que ganhou três medalhas de ouro em quatro provas na competição de patinação de velocidade.[25] Chiharu Igaya ganhou a primeira medalha dos Jogos Olímpicos de Inverno para o Japão e para o continente asiático, quando ficou em segundo lugar no slalom.[26]

Depois de não ser capaz de sediar os Jogos em 1944 por causa da guerra, Cortina d'Ampezzo foi escolhida para organizar os Jogos Olímpicos de Inverno de 1956. Na cerimônia de abertura, o último portador da tocha, Guido Caroli, entrou no Estádio Olímpico em patins de gelo. Como ele patinou ao redor da pista do estádio, pegou o seu skate em um cabo e caiu, quase apagando a chama. Ele foi capaz de se recuperar e acender a pira.[27] Estes foram os primeiros Jogos de Inverno a serem televisionados, embora os direitos de televisão não seriam vendidos até a década de 1960 nos Jogos Olímpicos de Roma.[28] Os Jogos de Cortina foram usados como um experimento na viabilidade da transmissão televisiva de eventos desportivos em uma escala tão grande.[28] A União Soviética fez sua estreia nas Olimpíadas de Inverno. A equipe Soviética teve um impacto imediato, ganhando mais medalhas do que qualquer outra nação.[29]

O COI elegeu Squaw Valley para sediar a Olimpíada de 1960, nos Estados Unidos. Uma vez que a aldeia era subdesenvolvida, houve uma corrida para construir estradas, hotéis, restaurantes e pontes, bem como a arena de gelo, a pista de patinação de velocidade, teleféricos, e o monte de saltos de esqui.[30] [31] As cerimônias de abertura e encerramento foram produzidas por Walt Disney[32] Os Jogos Olímpicos de Squaw Valley tiveram um número de notáveis inovações: foi a primeira Olimpíada a ter uma vila dedicada aos atletas. Foi também a primeira a utilizar um computador (cortesia da IBM) para tabular os resultados, e as primeiras Olimpíadas a incorporar os eventos de patinagem de velocidade feminina.[32] Os eventos do bobsled estiveram ausentes, pela primeira e única vez porque o comitê organizador achou muito caro construir a pista de bobsled.[32]

1964 a 1980[editar | editar código-fonte]

A cidade austríaca de Innsbruck foi a sede em 1964. Embora Innsbruck fosse uma tradicional estância de desportos de inverno, o tempo quente causou uma falta de neve durante os Jogos, e o exército austríaco foi solicitado para o transporte de neve e gelo para os locais de competição[32] . A patinadora de velocidade soviética, Lidia Skoblikova fez história ao ganhar quatro provas da patinação de velocidade. Sua carreira, com um total de seis medalhas de ouro estabeleceu um novo recorde de medalhas de ouro conquistadas por um atleta em Jogos Olímpicos de Inverno[32] . O luge foi disputado pela primeira vez nestes Jogos Olímpicos, embora o esporte tenha recebido uma má publicidade quando um competidor foi morto em um treinamento pré-olímpico.[33] [34]

Realizado na cidade francesa de Grenoble, a Olimpíada de Inverno de 1968 foi a primeira Olimpíada a ser transmitida em cores.[35] Havia 37 países e 1.158 atletas competindo em 35 eventos[35] . O francês Jean-Claude Killy se tornou o segundo a vencer todos os rivais das provas do esqui alpino.[35] Os efeitos da televisão começou a aparecer nos Jogos de Grenoble. A comissão organizadora vendeu os direitos de televisão por US$ 2 milhões, um aumento significativo sobre o preço dos direitos de transmissão dos Jogos de Innsbruck, que totalizaram 936 667 dólares.[36] Sedes foram distribuídas por grandes distâncias exigindo três vilas dos atletas nestes Jogos. Os organizadores alegaram necessário para acomodar avanços tecnológicos. Críticos contestaram alegando que o esquema era necessário para proporcionar melhores possibilidades para transmissões de televisão em detrimento dos atletas[36] .

Os Jogos de Inverno de 1972, realizados em Sapporo, no Japão, foram os primeiros sediados fora da América do Norte e Europa. A questão do profissionalismo se tornou muito polêmica durante os Jogos de Sapporo. Três dias antes da Olimpíada o presidente do COI, Avery Brundage ameaçou excluir um grande número de esquiadores alpinos de competir, porque eles participaram de um acampamento de esqui em Mammoth Mountain, nos Estados Unidos. Brundage argumentou que os esquiadores tinham se beneficiado financeiramente de seu estatuto de atletas amadores.[37] Finalmente, apenas o austríaco Karl Schranz, que ganhou mais do que todos os outros esquiadores, não foi autorizado a competir.[38] O Canadá não enviou equipes para os torneios de hóquei no gelo de 1972 e 1976 em protesto contra a impossibilidade de utilizar jogadores das ligas profissionais.[39] Francisco Ochoa se tornou o único espanhol a ganhar uma medalha de ouro olímpica de inverno, quando triunfou no slalom.[40]

Originalmente, os Jogos de Inverno de 1976 foram concedidos a Denver, Estados Unidos, mas em 1972 os eleitores do Colorado passaram por um referendo recusando serem os anfitriões.[41] Innsbruck, que ainda mantinha a infra-estrutura dos Jogos de 1964, foi escolhida em 1973 para substituir Denver.[42] Duas chamas olímpicas foram acesas, porque foi a segunda vez que a cidade austríaca tinha sido sede dos Jogos.[42] Os Jogos de 1976 também contaram com a primeira combinação de pista para bobsled e luge em Igls[40] . A União Soviética conquistou a sua quarta medalha de ouro seguida do hóquei no gelo[42] .

Em 1980, os Jogos Olímpicos de Inverno voltaram para Lake Placid, que havia sediado os Jogos de 1932. O primeiro, e até agora único boicote dos Jogos Olímpicos de Inverno ocorreu durante os Jogos de 1980, quando a equipe de Taiwan se recusou a participar no âmbito de um decreto pelo COI a mudar seu nome e hino nacional.[43] O COI estava tentando adaptar a China, que pretendia concorrer com o mesmo nome e hino usado anteriormente por Taiwan[43] . O patinador americano Eric Heiden estabeleceu tanto um recorde mundial e olímpico em cada um dos cinco eventos em que ele competiu.[44] Hanni Wenzel venceu o slalom e o slalom gigante. Seu país, o Liechtenstein, tornou-se a menor nação a produzir um medalhista de ouro olímpico.[13] No "Milagre no Gelo", a equipe de hóquei americana venceu os favoritos soviéticos e ganhou a medalha de ouro.[45]

1984 a 1998[editar | editar código-fonte]

Alberto Tomba in hat and ski clothes
O italiano Alberto Tomba, vencedor de cinco medalhas olímpicas em Calgary, Albertville e Lillehammer.

As cidades de Sapporo, no Japão, e Gotemburgo, na Suécia, foram as mais cotadas para sediar os Jogos Olímpicos de Inverno de 1984. Foi, portanto, uma surpresa quando Sarajevo, na Iugoslávia, foi escolhida para sediar os Jogos.[46] Os jogos foram bem organizados e exibidos sem nenhuma indicação sobre a guerra que logo submergiria o país.[47] Um total de 49 nações e 1.272 atletas participaram em 39 eventos.[47] A nação anfitriã ganhou sua primeira medalha olímpica, quando o esquiador alpino Jure Franko ganhou uma prata no slalom gigante.[47] Outro destaque foi o desempenho desportivo na dança livre dos dançarinos de gelo britânicos Jayne Torvill e Christopher Dean. Seu desempenho para o "Bolero de Ravel" ganhou uma pontuação perfeita na impressão artística, e a medalha de ouro.[47]

Em 1988, a cidade canadense de Calgary sediou a primeira Olimpíada de Inverno a abranger dezesseis dias.[48] Novos eventos foram adicionados em salto de esqui e patinação de velocidade, enquanto esportes olímpicos futuros como curling, patinação de velocidade em pista curta e esqui estilo livre fizeram suas aparições como esportes de demonstração. Pela primeira vez, eventos da patinação de velocidade foram realizados em ambientes fechados, no Olympic Oval. A patinadora holandesa Yvonne van Gennip ganhou três medalhas de ouro e dois recordes mundiais na patinação de velocidade, batendo as favoritas patinadoras da Alemanha Oriental em cada corrida.[49] O total de medalhas dela foi igualado pelo esquiador finlandês Matti Nykanen, que venceu todas as três provas em seu esporte.[48] Alberto Tomba, um esquiador italiano, fez sua estreia olímpica ao ganhar o slalom gigante e slalom.[48] Da Alemanha Oriental, Christa Rothenburger ganhou os 1.000 metros de patinação de velocidade feminina. Sete meses mais tarde, ela iria ganhar uma medalha de prata no ciclismo de pista nos Jogos Olímpicos de Seul.[48] Ela se tornou a primeira e única atleta a ganhar medalhas em duas Olimpíadas de Verão e de Inverno no mesmo ano.[48]

Os Jogos de 1992 foram os últimos a serem realizados no mesmo ano que os Jogos de Verão.[50] Foram sediados na região da Saboia francesa. A cidade de Albertville foi a cidade anfitriã, embora apenas dezoito eventos foram realizados na cidade. O restante dos eventos foram espalhados pela Sabóia.[50] As mudanças políticas da época eram refletidas nas equipes olímpicas presentes na França. Este foram os primeiros Jogos a serem realizados após a queda do comunismo e o desmantelamento do muro de Berlim.[51] A Alemanha competiu como uma única nação pela primeira vez desde os Jogos de 1964, e ex-repúblicas da Iugoslávia, a Croácia e a Eslovênia fizeram sua estreia como nações independentes. A maioria das ex-repúblicas soviéticas ainda competiram como uma única equipe, conhecida como Equipe Unificada, mas os Estados bálticos fizeram aparições independentes pela primeira vez desde antes da Segunda Guerra Mundial. Aos dezesseis anos, o esquiador finlandês Toni Nieminen fez história ao se tornar o mais jovem do sexo masculino campeão olímpico dos Jogos de inverno.[52] A esquiadora neozelândesa Annelise Coberger se tornou a primeira medalhista olímpica dos Jogos de inverno do hemisfério sul, quando ganhou uma medalha de prata no slalom feminino.

Em 1986, o COI votou para separar os Jogos de Verão e de Inverno e colocá-los em alternância aos anos pares a partir de 1994. Estes jogos foram os primeiros Jogos Olímpicos de Inverno a serem realizados sem os Jogos de Verão do mesmo ano.[53] Após a divisão da Checoslováquia em 1993, a República Checa e a Eslováquia fizeram sua estreia olímpica em Lillehammer, na Noruega.[54] A competição de patinação artística feminina recebeu significativa atenção da mídia. A patinadora americana Nancy Kerrigan foi ferida em 6 de janeiro de 1994, em um assalto planejado pelo ex-marido da adversária Tonya Harding.[55] Ambas as patinadores competiram nos Jogos, mas também não ganharam a medalha de ouro, que foi para Oksana Baiul, que conquistou o primeiro título da Ucrânia nos Jogos Olímpicos.[56] [57] Johann Olav Koss da Noruega ganhou três medalhas de ouro e bateu a distância dos eventos da patinação de velocidade.[58]

Os Jogos Olímpicos de Inverno de 1998 foram os primeiros Jogos a receber mais de 2.000 atletas.[59] Os jogos foram realizados na cidade japonesa de Nagano. O torneio masculino de hóquei no gelo foi aberto aos profissionais pela primeira vez. Canadá e Estados Unidos, com seus muitos jogadores da NHL, foram os favoritos para ganhar o torneio.[59] No entanto, nenhum dos dois ganhou medalha no hóquei, já que a República Checa prevaleceu.[59] O hóquei no gelo feminino fez sua estreia e os Estados Unidos conquistaram a medalha de ouro. Bjørn Dæhlie da Noruega ganhou três medalhas de ouro no esqui nórdico. Ele se tornou o mais condecorado atleta olímpico de inverno, com oito medalhas de ouro e doze medalhas no geral.[59] O austríaco Hermann Maier sobreviveu a um acidente durante a competição de downhill e voltou a ganhar o ouro no super-G e no slalom gigante[59] Uma onda de novos recordes mundiais foram estabelecidos na patinação de velocidade por causa da introdução do skate clap.[60]

2002 até o presente[editar | editar código-fonte]

Interwoven steel frame several stories high with the lit flame at the top
Chama olímpica durante a cerimônia inaugural dos Jogos de 2002 em Salt Lake City.

Os XIX Jogos Olímpicos de Inverno foram realizados em Salt Lake City, Estados Unidos.[61] O alemão Georg Hackl conquistou uma prata no luge na prova individual, se tornando o primeiro atleta na história a medalha olímpica na mesma prova individual em cinco Jogos Olímpicos consecutivos.[61] Salt Lake City hospedou 77 nações e 2.399 atletas. Houve 78 eventos em sete esportes.[61] O Canadá conseguiu um duplo sem precedentes, ganhando medalhas de ouro no hóquei no gelo tanto na competição para homens quanto na competição para mulheres.[61] O Canadá também se envolveu com a Rússia em uma polêmica que envolveu o julgamento da competição de duplas da patinação artística. A dupla russa Yelena Berezhnaya e Anton Sikharulidze competiu contra o casal canadense Jamie Salé e David Pelletier a medalha de ouro. Os canadenses pareciam ter patinado bem o suficiente para vencer a competição, mas os russos foram agraciados com o ouro. O julgamento começou conforme as linhas da Guerra Fria, com exceção do juiz francês, Marie-Reine Le Gougne, que concedeu o ouro para os russos. Uma investigação revelou que ela havia sido pressionada a dar o ouro para a dupla russa, independentemente de como eles tivessem patinado e, em contrapartida, o juiz russo com bons olhos aos estreantes franceses na competição da dança de gelo.[62] O COI decidiu premiar ambos os pares com uma medalha de ouro numa segunda cerimônia realizada posteriormente aos Jogos.[63] O australiano Steven Bradbury se tornou o primeiro medalhista de ouro do hemisfério sul, quando ganhou os 1.000 metros evento speed skating pista curta.[64]

A cidade italiana de Turim sediou a Olimpíada de Inverno de 2006. Foi a segunda vez que a Itália sediou uma Olimpíada de Inverno. Atletas da Coreia do Sul ganharam 10 medalhas, incluindo seis de ouro nas provas da patinação velocidade em pista curta. Sun-Yu Jin conquistou três medalhas de ouro, enquanto seu companheiro de Hyun-Soo Ahn também ganhou três medalhas de ouro e mais um bronze.[65] No Cross-Country a equipe feminina de perseguição, a canadense Sara Renner quebrou uma de suas balizas. Quando viu seu drama, o técnico norueguês Bjørnar Håkensmoen decidiu emprestar-lhe uma baliza. Assim, ela foi capaz de ajudar a sua equipe a conquistar uma medalha de prata na prova, à custa da equipa norueguesa, que terminou em quarto.[65] [66] Claudia Pechstein da Alemanha se tornou a primeira patinadora de velocidade a ganhar nove medalhas na carreira.[65] Em fevereiro de 2009, Pechstein testou positivo para a "manipulação de sangue", que ela havia solicitado. O Tribunal Arbitral do Desporto confirmou a sua suspensão, mas um tribunal suíço considerou que ela poderia competir por um lugar na equipe olímpica alemã de 2010.[67] Ela perdeu a última instância para sua suspensão em 26 de janeiro de 2010, que a excluiu da competição em Vancouver, mesmo se ela tivesse feito parte da equipe alemã.[68]

Em 2003, o COI concedeu os Jogos Olímpicos de Inverno de 2010 a Vancouver, permitindo ao Canadá sediar a sua segunda Olimpíada de Inverno. Com uma população de mais de 2,5 milhões de habitantes, Vancouver é a maior área metropolitana a sediar Jogos Olímpicos de Inverno.[69] Mais de oitenta países e 5.000 atletas participaram em 86 eventos.[70] A morte do georgiano do luge Nodar Kumaritashvili em um treinamento a um dia da cerimônia de abertura lançou uma cortina de fumaça sobre os Jogos. Sua morte também obrigou os funcionários do Whistler Sliding Centre a mudar a pista, a fim de torná-la mais segura.[71] A esquiadora norueguesa de cross-country Marit Bjørgen ganhou cinco medalhas em seis provas de cross-country feminino. Ela terminou os Jogos Olímpicos com três medalhas de ouro, uma prata e um bronze.[72] Os Jogos de Vancouver também foram notáveis para o fraco desempenho dos atletas russos. Desde a sua primeira Olimpíada de Inverno em 1956 até 2006, uma delegação soviética ou russa nunca tinha estado fora do top cinco de nações medalhistas olímpicas. Em 2010, eles terminaram em sexto e décimo total de medalhas em medalhas de ouro. Isso causou grande preocupação aos mais altos níveis do governo russo. O presidente Dmitry Medvedev, pediu a renúncia de altos funcionários do esporte logo após os Jogos.[73] O sucesso dos países asiáticos estava em contraste com a equipe de baixo desempenho da Rússia. Vancouver marcou um ponto alto de medalhas ganhas por países asiáticos. Em 1992, a Ásia representava quinze medalhas, três das quais de ouro. Em Vancouver o número total de medalhas conquistadas por atletas da Ásia cresceu para trinta e um, sendo onze delas de ouro. A ascensão de nações asiáticas no esporte Jogos Olímpicos de Inverno é devido em parte ao crescimento dos programas de desportos de Inverno e o interesse nos desportos de inverno em nações como a Coreia do Sul, Japão e China.[74] [75]

A decisão para a localização dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014 foi feita em 4 de julho de 2007. Sóchi, na Rússia, foi eleita como a cidade-sede em relação aos outros dois finalistas: Salzburgo, Áustria, e Pyeongchang, Coreia do Sul. Sóchi foi a primeira cidade com um clima subtropical a sediar os Jogos de Inverno.[76] A Vila Olímpica e o Estádio Olímpico estão localizados na costa do Mar Negro. Todos as sedes de montanha estavam a 50 quilômetros (30 milhas) de distância na região alpina conhecida como Krasnaia Poliana.[76]

Jogos futuros[editar | editar código-fonte]

A cidade anfitriã dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018 foi determinada na 123ª Sessão do COI em 6 de julho de 2011.[77] [78] Pyeongchang superou as candidaturas de Munique, na Alemanha e Annecy, na França, com 63 votos, maioria absoluta que definiu a vitória ainda na primeira rodada da eleição.[77]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

a head shot of Juan Antonio Samaranch with dark glasses on
Juan Antonio Samaranch, presidente do COI, esteve implicado nos escândalos da candidatura dos Jogos de 2002.

O processo de concessão de honrarias a cidade-sede ficou sob intenso escrutínio depois que foi concedido a Salt Lake City o direito de sediar os Jogos de 2002.[79] Logo após a cidade-sede ter sido anunciada, foi descoberto que os organizadores haviam se envolvido em um esquema de corrupção elaborado para bajular oficiais do COI.[79] Presentes e outras considerações financeiras foram dadas para aqueles que avaliassem e votassem na proposta de Salt Lake City. Estes presentes incluíram o tratamento médico para os familiares, uma bolsa de estudos para o filho de um dos membros, e um acordo de terra em Utah. Até o presidente do COI Juan Antonio Samaranch, recebeu dois fuzis avaliado em US$ 2.000. Samaranch defendeu o presente como algo inconsequente já que como presidente ele era um membro não-votante.[80] A investigação posterior descobriu inconsistências nas propostas para todos os jogos (verão e inverno) desde 1988.[81] Por exemplo, os presentes recebidos pelo membros do COI dos japoneses do Comitê Organizador da candidatura de Nagano para Jogos Olímpicos de Inverno de 1998 foram descritos pela comissão de inquérito como "astronômica".[82] Embora nada estritamente ilegal foi feito, o COI temia que as empresas patrocinadoras perdessem confiança na integridade do processo, e que a marca olímpica fosse manchada de tal forma que os anunciantes começassem a retirar seu apoio.[83] Os resultados do inquérito foram a expulsão dos dez membros do COI e do sancionamento de outras dez regras mais estritas para as futuras candidaturas, limites máximos foram postos em prática para o quanto os membros do COI poderiam aceitar das cidades candidatas, novo mandato e os limites de idade foram estabelecidos para a adesão do COI, e quinze ex-atletas olímpicos foram adicionados à comissão.[84] [85] [86]

Legado da cidade-sede[editar | editar código-fonte]

Segundo o COI, a cidade anfitriã é responsável pelo, "estabelecimento de funções e serviços para todos os aspectos dos Jogos, tais como planejamentode esportes, espaços, finanças, tecnologia, alojamento e alimentação, mídia, e serviços, bem como operações durante os Jogos."[87] Devido ao alto custo envolvido com hospedagem de uma Olimpíada muitas cidades sedes nunca lucraram com seus investimentos.[88] Por exemplo, os Jogos Olímpicos de Inverno de 1998 em Nagano, Japão, custaram US$ 12,5 bilhões.[89] Em comparação, os Jogos de Turim em 2006 custaram US$ 3,6 bilhões.[89] Os organizadores alegaram que o custo de estender o serviço de trem bala entre Tóquio e Nagano foi responsável pelo enorme preço.[89] A comissão organizadora esperava que a exposição dos Jogos Olímpicos, e o acesso rápido a Nagano, de Tóquio, seria um benefício para a economia local por muitos anos depois. A economia de Nagano fez uma experiência de dois anos de estímulo pós-olímpico, mas os efeitos a longo prazo não se concretizaram como o planejado.[89] A possibilidade de pesadas dívidas, juntamente com instalações esportivas e infra-estrutura não utilizáveis, que sobrecarrega a localidade com custos de manutenção e praticamente nenhum valor pós-olímpico, é um impedimento pesado para potenciais cidades anfitriãs.[90]

Para atenuar estas preocupações, o COI adotou várias iniciativas. Primeiro, se comprometeu a financiar parte do orçamento da cidade-sede para a realização dos Jogos.[91] O COI também limita os países-sedes de candidatura para aqueles que têm os recursos e infra-estrutura para organizar com sucesso os Jogos Olímpicos sem impacto negativo para a região ou nação. Isso elimina grande parte do mundo em desenvolvimento.[92] Finalmente, as cidades candidatas a sediarem os Jogos são obrigados a somar um "plano de legado" à sua proposta. Isso requer potenciais cidades anfitriãs para planejar com vista aos impactos econômicos e ambientais de longo prazo os Jogos Olímpicos terão na região. Ele também permite que o COI a considere esse impacto na atribuição dos Jogos.[93]

Doping[editar | editar código-fonte]

Em 1967 o COI começou a adotar protocolos de testes de drogas. Eles começaram a testar aleatoriamente os atletas na Olimpíada de Inverno de 1968.[94] O primeiro atleta dos Jogos de Inverno a testar positivo para uma substância proibida foi Alois Schloder, um jogador de hóquei da Alemanha Ocidental que tinha efedrina em seu organismo. Ele foi desclassificado do resto do torneio, mas sua equipe ainda foi autorizada a competir.[95] [96] Durante a década de 1970, os testes fora da competição foram intensificados para dissuadir os atletas de usar drogas para melhorar o desempenho.[97] O problema com os testes durante este tempo foi uma falta de padronização dos procedimentos de teste, que minaram a credibilidade dos testes. Até o final dos anos 1980, as federações desportivas internacionais não haviam começado a coordenar esforços para padronizar os protocolos de testes de drogas.[98] O COI decidiu assumir um papel de liderança na luta contra os esteróides quando se estabeleceu a independdente Agência Mundial Antidoping (WADA) em novembro de 1999.[99] [100]

Os Jogos Olímpicos de Inverno de 2006 em Turim tornaram-se notáveis por um escândalo envolvendo a emergente tendência de doping sanguíneo, que se trata do uso de transfusões de sangue ou de hormônios sintéticos, tais como eritropoietina (EPO) para melhorar o fluxo de oxigênio, a fim de reduzir a fadiga.[101] A polícia italiana realizou uma operação durante os Jogos na residência da equipe austríaca de esqui cross-country. Eles tomaram amostras de sangue dopado e equipamentos.[101] [102] Este evento seguiu a suspensão pré-Olimpíada de doze esquiadores de cross-country que testaram positivo para níveis anormalmente elevados de hemoglobina, que é uma evidência de dopagem sanguínea.[101]

Comercialização[editar | editar código-fonte]

Como presidente do COI 1952-1972, Avery Brundage, rejeitou todas as tentativas de vincular os Jogos Olímpicos com interesses comerciais. Ele sentia que o movimento olímpico devia ser completamente separado da influência financeira.[103] A Olimpíada de Inverno de 1960 marcou o início do patrocínio corporativo dos Jogos.[103] Apesar de sua resistência tenaz, a comercialização dos jogos continuou durante a década de 1960, e a receita gerada pelo patrocínio corporativo inchou os cofres do COI.[104] Nos Jogos de Grenoble, Brundage tinha ficado tão preocupado com o rumo dos Jogos Olímpicos de Inverno para a comercialização que se não pudesse ser corrigido, então as Olimpíadas de Inverno deveriam ser abolidas.[105] A resistência de Brundage a este fluxo de receita significava que o COI foi lento ao procurar uma parte dos benefícios financeiros que estava chegando às cidades e foi incapaz de controlar a forma como contratos de patrocínio estavam sendo estruturados.[103] Quando Brundage se aposentou, o COI tinha US$ 2 milhões em ativos; oito anos mais tarde as contas do COI haviam aumentado para US$ 45 milhões[103] . Isto se deveu principalmente a uma mudança de ideologia entre os membros do COI para a expansão dos jogos através do patrocínio de empresas e a venda dos direitos televisivos[103] .

As preocupações de Brundage mostraram-se proféticas. O COI tem cobrado mais pelos direitos de transmissão televisiva a cada jogos.[106] Em Nagano 1998, a emissora americana CBS pagou US$ 375 milhões, enquanto que em Turim 2006 os jogos custaram a NBC 613 milhões dólares para transmissão.[107] Quanto mais as empresas de televisão têm pago a transmissão televisiva dos jogos, maior seu poder de persuasão com o COI[106] .[108] Por exemplo, o lobby da televisão tem influenciado o programa olímpico ao ditar que as provas finais devem ser realizadas no horário nobre da tevê de forma a privilegiar a audiência. Eles também pressionaram o COI a inclusão de novos eventos como o snowboard que atrai grandes audiências televisivas. Isso tem sido feito para aumentar sua audiência, que estava em ligeiro declínio até os Jogos de 2010.[109] [110]

Em 1986, o COI decidiu escalonar os Jogos de verão e inverno. Em vez de mantê-los, no mesmo ano, a comissão decidiu alterná-los a cada dois anos. Ambos os jogos continuariam sendo realizados em ciclos de quatro anos.[111] Foi decidido que 1992 seria o último ano a ter ambos os Jogos[53] . Havia duas razões para esta mudança. Uma delas era o desejo do lobby da televisão para aumentar a receita publicitária. Eles estavam tendo dificuldade em obter receitas de publicidade com dois jogos no mesmo ano.[111] A segunda razão para a mudança era o desejo do COI em ganhar mais controle sobre a receita gerada pelos Jogos. O comitê determinou que o escalonamento dos jogos faria mais sentido as corporações patrocinarem Jogos Olímpicos individualmente, o que contribuiria para aumentar o potencial de receita. O COI também tentou negociar diretamente os contratos de patrocínio, para que tivessem mais controle sobre a "marca" olímpica.[112] Os primeiros Jogos Olímpicos de Inverno a serem realizados neste novo formato foram os Jogos de 1994 em Lillehammer.[50]

Política[editar | editar código-fonte]

Guerra Fria[editar | editar código-fonte]

Os Jogos Olímpicos de Inverno foram uma frente ideológica da Guerra Fria desde que a União Soviética participou pela primeira vez dos Jogos de Inverno em 1956. Não demorou muito para que os combatentes da Guerra Fria descobrissem nos Jogos uma poderosa ferramenta de divulgação. Políticos soviéticos e americanos usaram os Jogos Olímpicos e outros eventos esportivos internacionais, como uma oportunidade para provar a suposta superioridade de seus respectivos sistemas políticos.[113] O atleta soviético de sucesso era homenageado e honrado. Irina Rodnina, três vezes medalhista de ouro da patinação artística, foi condecorada com a Ordem de Lenin, após sua vitória nos Jogos Olímpicos de Inverno de 1976 em Innsbruck.[114] Com o prêmio vinha a compensação monetária a partir de 4.000 dólares a 8.000 dólares, dependendo do prestígio do esporte. Um recorde mundial era um valor adicional de US$ 1.500.[115] Em 1978, o Congresso dos Estados Unidos reagiu à pressão de propaganda da União Soviética, ao aprovar a legislação que reorganizou o Comitê Olímpico dos Estados Unidos. Esse tipo de intromissão política em uma federação desportiva era sem precedentes em um país democrático.

A Guerra Fria criou tensões entre os países aliados com uma ou outra das superpotências. Um dos temas mais espinhosos para o COI foi o reconhecimento das duas Alemanhas. Em 1948, a Alemanha não estava autorizada a participar dos Jogos.[20] Em 1950, o COI reconheceu o Comitê Olímpico da Alemanha Ocidental.[116] E este era uma equipe composta apenas por atletas da Alemanha Ocidental, que representou a Alemanha nos Jogos de 1952 em Oslo, enquanto a Alemanha Oriental tinha sido convidada para formar uma equipe unificada, mas se recusou a aceitar a oferta.[117] Em 1955, a União Soviética reconheceu a Alemanha Oriental como Estado soberano, dando assim credibilidade a campanha da Alemanha Oriental a participar nos Jogos Olímpicos como um país independente. O COI reconheceu provisoriamente o Comitê Olímpico da Alemanha Oriental, mas sob a condição de que as duas Alemanhas competissem como uma equipe. Esta decisão foi tomada porque a Alemanha Ocidental adotou a Doutrina Hallstein, que proibia as relações com qualquer país que reconhecesse a soberania da Alemanha Oriental.[118] A situação se tornou ainda mais tensa com a construção do Muro de Berlim em 1962. Muitos países ocidentais como a França ou os Estados Unidos não concederam vistos aos atletas da Alemanha Oriental para competir em seus territórios.[119] O compromisso de competir sob uma única bandeira durou até os Jogos de 1968, realizados em Grenoble, onde o COI reconheceu as duas Alemanhas e ameaçou não conceder a organização dos jogos a países que não fornecessem os vistos para os atletas da Alemanha Oriental.[120]

Boicote[editar | editar código-fonte]

Os Jogos de Inverno tiveram apenas um boicote de uma equipe nacional. A República da China, também conhecida como Taiwan, decidiu boicotar as Olimpíadas de Inverno de 1980 em Lake Placid. A razão para o boicote foi que o COI concordou com o pedido da China em competir nos Jogos Olímpicos pela primeira vez desde 1952. Eles foram autorizados a concorrer como "República Popular da China" e usar a bandeira e o hino chinês. Até 1980, a ilha de Taiwan competiu sob o nome de "República da China" e vinha utilizando a bandeira e o hino chinês.[43] Inicialmente, o COI tentou que os países competissem juntos, mas quando a situação mostrou-se inaceitável, o COI exigiu que Taiwan deixasse de se chamar "República da China".[121] [122] O COI também renomeou a ilha para "Taipé Chinês" e exigiu que adotasse uma bandeira diferente e um hino nacional; estipulações que Taiwan não concordaria. Apesar dos apelos numerosos e audiências do tribunal, a decisão do COI permaneceu. Quando os atletas de Taiwan chegaram à Vila Olímpica com os seus cartões de identificação "República da China", eles não foram admitidos. Posteriormente eles deixaram os Jogos Olímpicos, em protesto pouco antes da cerimônia de abertura.[43] Taiwan voltou à competição olímpica em 1984 nos Jogos de Inverno de Sarajevo, como Taipé Chinês. O país concordou em concorrer com uma bandeira com o emblema do seu Comitê Olímpico Nacional e tocar o hino do seu Comitê Olímpico Nacional caso um de seus atletas ganhasse uma medalha de ouro. Este compromisso continua até hoje.[123]

Esportes[editar | editar código-fonte]

O hóquei no gelo é um dos esportes mais populares dos jogos olímpicos.

Capítulo 1, do artigo 6 da edição de 2007 da Carta Olímpica define esportes de inverno como "esportes que são praticados na neve ou no gelo."[124] Ao longo dos anos, o número de esportes e eventos realizados nos Jogos Olímpicos de Inverno aumentou. Houve também esportes de demonstração, que são disputados durante os Jogos, mas para os quais não são concedidas medalhas. Desde 1992, uma série de novos esportes foram adicionados ao programa olímpico. Estes incluem patinação de velocidade em pista curta, snowboard, esqui estilo livre e moguls. A adição desses eventos ampliou o apelo dos Jogos Olímpicos de Inverno para além da Europa e América do Norte. Enquanto potências europeias, como a Noruega, Alemanha e a Rússia continuam a dominar os tradicionais esportes olímpicos de inverno, países como Coreia do Sul, Austrália e Canadá se tornaram potências emergentes nos novos esportes e os Estados Unidos se equilibram entre as duas vertentes.Os resultados são mais paridade no quadro de medalhas, mais interesse nos Jogos Olímpicos de Inverno, e maior audiência da televisão mundial.[125]

Atuais modalidades esportivas[editar | editar código-fonte]

A patinação de velocidade é um esporte olímpico desde a primeira edição dos Jogos Olímpicos de Inverno em 1924.
O curling retornou ao programa olímpico nos Jogos Olímpicos de Nagano 1998.
O bobsled esteve ausente apenas nos Jogos de Squaw Valley em 1960.
Esporte Anos # de
Provas
Provas valendo medalhas em 2014[126]
Biatlo Desde 1960 10 Velocidade individual (homens: 10 km; mulheres: 7.5 km), individual (homens: 20 km; mulheres: 15 km), perseguição (homens: 12.5 km; mulheres: 10 km), revezamento (homens: 4x7.5 km; mulheres: 4x6 km) e largada coletiva (homens: 15 km; mulheres: 12.5 km).[127]
Bobsleigh 1924–1956
1964–presente
3 Equipes masculinas, duplas masculinas e duplas femininas.[128]
Combinado nórdico Desde 1924 3 Individual pista normal (90 m + 10 km), individual pista longa (120 m + 10 km) e equipes pista longa (120 m + 4x5 km).[129]
Curling 1924
1998–presente
2 Torneios masculino e feminino.[130]
Esqui alpino Desde 1936 10 Downhill, super-G, slalom gigante, slalom e combinado masculino e feminino.[131]
Esqui cross-country Desde 1924 12 Velocidade individual, velocidade por equipes, 15 km clássico, 30 km skiathlon, largada coletiva 50 km e revezamento 4x10 km masculino; velocidade individual, velocidade por equipes, 10 km clássico, 15 km skiathlon, largada coletiva 30 km e revezamento 4x5 km feminino .[132]
Esqui estilo livre Desde 1992 10 moguls, aerials, halfpipe, slopestyle e skicross masculino e feminino.[133]
Hóquei no gelo Desde 1924Note 2 2 Torneio masculino e feminino.[134]
Luge Desde 1964 4 Individual masculino e feminino, duplas e revezamento.[135]
Patinação artística Desde 1924Note 1 5 Individual masculino e feminino, duplas, dança no gelo e equipes.[136]
Patinação de velocidade Desde 1924 12 500 metros, 1000 metros, 1500 metres, 5000 metros e perseguição por equipes masculino e feminino; 3000 metros feminino; 10000 metros masculino.[137]
Patinação de velocidade em pista curta Desde 1992 8 500 metros, 1000 metros, 1500 metros masculino e feminino; revezamento 3000 metros feminino e revezamento 5000 metros masculino.[138]
Salto de esqui Desde 1924 4 Pista normal individual masculino e feminino; pista longa individual e pista longa por equipes masculino.[139]
Skeleton 1924; 1948
Desde 2002
2 Eventos masculino e feminino.[140]
Snowboard Desde 1998 10 Slalom gigante paralelo, slalom paralelo, halfpipe, slopestyle e snowboard cross masculino e feminino.[141]

Nota 1. Provas de patinação artística também foram realizadas nos Jogos Olímpicos de Verão de 1908 e 1920.

Nota 2. O torneio masculino de hóquei no gelo também foi realizado nos Jogos Olímpicos de Verão de 1920.

Esporte de demonstração[editar | editar código-fonte]

O skijöring foi um esporte de demonstração nos Jogos Olímpicos de Lake Placid em 1932.

Os esportes de demonstração têm historicamente proporcionado aos países-sede uma oportunidade em atrair publicidade a novos e populares esportes locais por se tratar de uma competição sem a concessão de medalhas. Os esportes de demonstração foram interrompidos desde 1992. A patrulha militar, um precursor do biatlo, foi um esporte medalhista em 1924 e mais tarde virou esporte de demonstração em 1928, 1936 e 1948, e em 1960 tornou-se um esporte oficial, como biatlo.[142] A prova de figuras especiais da patinação artística só foi disputada nos Jogos Olímpicos de Verão de 1908.[143] Bandy, um esporte popular nos países nórdicos e na Rússia descrito como hóquei no gelo com uma bola, foi demonstrado nos Jogos de Oslo.[144] Icestock, um variante alemão do curling, foi demonstrado em 1936 na Alemanha e na Áustria em 1964.[16] O evento esqui balé, mais tarde conhecido como esqui-acro, foi demonstrado em 1988 e 1992.[145] Skijöring, esqui atrás de cães, era um esporte de demonstração em St. Moritz em 1928.[144] As competições de corrida de cães de trenó foram exibidos em Lake Placid, em 1932.[144] Esqui de velocidade foi demonstrado em Albertville, em 1992.[146] Pentatlo de inverno, uma variante do pentatlo moderno, foi incluída como um evento demonstração nos Jogos de 1948, na Suíça. Era composto de esqui cross-country, tiro, esgrima, esqui downhill, e equitação.[127]

Sedes dos Jogos[editar | editar código-fonte]

Jogos Ano Sede Datas Nações Atletas Esportes Eventos Ref
Total Homens Mulheres
I 1924 França Chamonix, França 25 de Janeiro - 5 de Fevereiro 16 258 247 11 6 16 [7]
II 1928 Suíça St. Moritz, Suíça 11–19 de Fevereiro 25 464 438 26 6 14 [12]
III 1932 Estados Unidos Lake Placid, Estados Unidos 4–15 de Fevereiro 17 252 231 21 5 14 [13]
IV 1936 Alemanha Nazi Garmisch-Partenkirchen, Alemanha 6–16 de Fevereiro 28 646 566 80 6 17 [16]
1940 Originalmente concedidos a Sapporo, Japão, cancelados por causa da Segunda Guerra Mundial.[147]
1944 Originalmente concedidos a Cortina d'Ampezzo, Itália, cancelados por causa da Segunda Guerra Mundial.[148]
V 1948 Suíça St. Moritz, Suíça 30 de Janeiro – 8 de Fevereiro 28 669 592 77 4 22 [20]
VI 1952 Noruega Oslo, Noruega 14–25 de Fevereiro 30 694 585 109 4 22 [22]
VII 1956 Itália Cortina d'Ampezzo, Itália 26 de Janeiro– 5 de Fevereiro 32 821 687 134 4 24 [29]
VIII 1960 Estados Unidos Squaw Valley, Estados Unidos 18–28 de Fevereiro 30 665 521 144 4 27 [149]
IX 1964 Áustria Innsbruck, Áustria 29 Janeiro – 9 de Fevereiro 36 1091 892 199 6 34 [33]
X 1968 França Grenoble, França 6–18 de Fevereiro 37 1158 947 211 6 35 [35]
XI 1972 Japão Sapporo, Japão 3–13 de Fevereiro 35 1006 801 205 6 35 [150]
XII 1976 Áustria Innsbruck, Áustria 4–15 de Fevereiro 37 1123 892 231 6 37 [42]
XIII 1980 Estados Unidos Lake Placid, Estados Unidos 13–24 de Fevereiro 37 1072 840 232 6 38 [151]
XIV 1984 Jugoslávia Sarajevo, Iugoslávia 8–19 de Fevereiro 49 1272 998 274 6 39 [47]
XV 1988 Canadá Calgary, Canadá 13–28 de Fevereiro 57 1423 1122 301 6 46 [48]
XVI 1992 França Albertville, França 8–23 de Fevereiro 64 1801 1313 488 7 57 [50]
XVII 1994 Noruega Lillehammer, Noruega 12–27 de Fevereiro 67 1737 1215 522 6 61 [53]
XVIII 1998 Japão Nagano, Japão 7–22 de Fevereiro 72 2176 1389 787 7 68 [59]
XIX 2002 Estados Unidos Salt Lake City, Estados Unidos 8–24 de Fevereiro 77 2399 1513 886 7 78 [61]
XX 2006 Itália Turim, Itália 10–26 de Fevereiro 80 2508 1548 960 7 84 [65]
XXI 2010 Canadá Vancouver, Canadá 12–28 de Fevereiro 82 2566 1522 1044 7 86 [152]
XXII 2014 Rússia Sóchi, Rússia 7–23 de Fevereiro 88 2873 7 98 [153]
XXIII 2018 Coreia do Sul Pyeongchang, Coreia do Sul 9–25 de Fevereiro evento futuro [78]
XXIV 2022 A definir em 31 de julho de 2015 evento futuro

Ver também[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. a b Edgeworth, Ron. (maio, 1994). "The Nordic Games and the Origins of the Winter Olympic Games" (pdf) 2 (number 2). LA84 Foundation.
  2. "Figure Skating History", CNNSI.com. Página visitada em 2009-03-09.
  3. "1908 Figure Skating Results", CNNSI.com. Página visitada em 2009-03-09.
  4. Judd (2008), p. 21
  5. a b c d e 1924 Chamonix, France. CBC Sports. CBC.ca (2009-12-18). Página visitada em 2010-03-05.
  6. Findling and Pelle (2004), p. 283
  7. a b c Chamonix 1924. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-05.
  8. 1924 Chamonix Winter Games. Sports Reference LLC. Página visitada em 2009-03-12.
  9. Findling and Pelle (2004), pp. 289–290
  10. Findling and Pelle (2004), p. 290
  11. 1928 Sankt Moritz Winter Games. Sports Reference LLC. Página visitada em 2009-03-12.
  12. a b St. Moritz 1928. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-05.
  13. a b c d e f Lake Placid 1932. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-05.
  14. Findling and Pelle (2004), p. 298
  15. Seligmann, Davison, and McDonald (2004), p. 119
  16. a b c d Garmisch-Partenkirchen Olympics. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-11.
  17. Candidate Cities and Venues for the Winter Olympics (PDF). International Olympic Committee. Página visitada em 12 de marzo de 2009.
  18. Encyclopaedia Brtannica. Cortina d'Ampezzo Olympics. Encyclopaedia Britannica Online. Página visitada em 12 de março de 2009.
  19. Findling and Pelle (2004), p. 248
  20. a b c St. Moritz 1948. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-11.
  21. Findling and Pelle (2004), pp. 250–251
  22. a b c Oslo 1952. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-11.
  23. Findling and Pelle (2004), p. 255
  24. 1952 Oslo Winter Games. Sports Reference LLC. Página visitada em 2010-05-14.
  25. Speed Skating at the 1952 Oslo Winter Games. Sports Reference LLC. Página visitada em 2010-05-14.
  26. Chiharu Igaya. Sports Reference LLC. Página visitada em 2010-08-23.
  27. 1956 Cortina d'Ampezzo Winter Games. Sports Reference LLC. Página visitada em 2009-03-13.
  28. a b Guttman (1986), p. 135
  29. a b Cortina d'Ampezzo 1956. International Olympic Committee. Página visitada em 2009-03-13.
  30. Judd (2008), pp. 27–28
  31. "[1]".
  32. a b c d e Judd (2008), p. 28
  33. a b Innsbruck 1964. International Olympic Committee. Página visitada em 2010–03–13.
  34. Judd (2008), p. 29
  35. a b c d Grenoble 1968. International Olympic Committee. Página visitada em 2009-03-13.
  36. a b Findling and Pelle (2004), p. 277
  37. Findling and Pelle (2004), p. 286
  38. Fry (2006), pp. 153–154
  39. Podnieks, Andrew; Szemberg, Szymon (2008). Story #17–Protesting amateur rules, Canada leaves international hockey. International Ice Hockey Federation. Página visitada em 2009-05-13.
  40. a b Factsheet Olympic Winter Games (PDF). International Olympic Committee (janeiro, 2008). Página visitada em 2009-03-17.
  41. Fry (2006), p. 157
  42. a b c d Innsbruck 1976. International Olympic Committee. Página visitada em 2009-03-17.
  43. a b c d Findling and Pelle (1996), p. 299
  44. Judd (2008), pp. 135–136
  45. Huber, Jim. "A Golden Moment", CNNSI.com, 2000-02-22. Página visitada em 2009-03-18.
  46. "1984 Sarajevo", CNNSI.com. Página visitada em 2009-03-18.
  47. a b c d e Sarajevo 1984. International Olympic Committee. Página visitada em 2009-03-18.
  48. a b c d e f Calgary 1988. International Olympic Committee. Página visitada em 2009-03-20.
  49. Yvonne van Gennip. The Beijing Organizing Committee for the Games of the XXIX Olympiad. Página visitada em 2009-03-20.
  50. a b c d Albertville 1992. International Olympic Committee. Página visitada em 2009-03-20.
  51. Findling and Pelle (2004), p. 400
  52. Findling and Pelle (2004), p. 402
  53. a b c Lillehammer 1994. International Olympic Committee. Página visitada em 2009-03-20.
  54. Araton, Harvey. "Winter Olympics; In Politics and on ice, neighbors are apart", The New York Times, NYTimes.com, 1994-02-27. Página visitada em 2009-03-20.
  55. "Harding-Kerrigan timeline", The Washington Post, The Washington Post Company, 1999-03-01. Página visitada em 2009-03-20.
  56. Barshay, Jill J. "Figure Skating; It's Stocks and Bouquets as Baiul returns to Ukraine", Associated Press, The New York Times, 1994-03-03. Página visitada em 2009-03-20.
  57. Phillips, Angus. "Achievements still burn bright", The Washington Post, The Washington Post Company, 1999-03-01. Página visitada em 2009-03-20.
  58. Johann-Olav Koss. ESPN.com. Página visitada em 2010-05-14.
  59. a b c d e f Nagano 1998. International Olympic Committee. Página visitada em 2009-03-20.
  60. Nevius, C.W.. ""Clap" Skate draws boos from traditionalists", San Francisco Chronicle, Hearst Communications Inc, 1998-02-05. Página visitada em 2009-03-20.
  61. a b c d e Salt Lake City 2002. International Olympic Committee. Página visitada em 2009-03-21.
  62. Roberts, Selena. "The pivotal meeting; French judge's early tears indicating controversy to come", The New York Times, NYTimes.com, 2002-02-17. Página visitada em 2009-03-23.
  63. Bose, Mihir. "Skating scandal that left IOC on thin ice", Telegraph.co.uk, 2002-02-17. Página visitada em 2009-03-23.
  64. "Australia win first ever gold", BBC Sport, 2002-02-17. Página visitada em 2010-03-11.
  65. a b c d Turin 2006. International Olympic Committee. Página visitada em 2009-03-21.
  66. Berglund, Nina. "Canadians hail Norwegian coach's sportsmanship", Aftenposten, Aftenposten.no, 2006-02-20. Página visitada em 2009-03-21.
  67. Crouse, Karen. "Germany’s Claudia Pechstein Tries to Restore Reputation", The New York Times, NYTimes.com, 2009-12-11. Página visitada em 2010-03-11.
  68. Dunbar, Graham. "Claudia Pechstein's Doping Appeal Denied", The Huffington Post, HuffingtonPost.com, 2010-01-26. Página visitada em 2010-03-11.
  69. Canadian Statistics – Population by selected ethnic origins, by census metropolitan areas (2001 Census). StatCan (2005-01-25). Página visitada em 2006-05-31.
  70. Vancouver 2010. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-08-24.
  71. Longman, Jere. "Quick to Blame in Luge, and Showing No Shame", The New York Times, NYTimes.com, 2010-02-13. Página visitada em 2010-03-11.
  72. Jones, Tom. "Best and worst of the Winter Olympics in Vancouver", St. Petersberg Times, Tampabay.com, 2010-02-28. Página visitada em 2010-03-11.
  73. Russia's president calls for resignations. ESPN.com (2010-03-01). Página visitada em 2010-03-11.
  74. Armour, Nancy. "Surprising success bodes will for South Korea", The Seattle Times, Associated Press, 2010-02-28. Página visitada em 2010-08-24.
  75. Sappenfield, Mark (2010-02-12). Winter Olympics: Who will win the most medals?. The Christian Science Monitor. CSMonitor.com. Página visitada em 2010-08-24.
  76. a b Sochi elected as the host city of XXII Olympic Winter Games. International Olympic Committee. Página visitada em 2009-03-21.
  77. a b IOC elects PyeongChang as the host city of 2018 Olympic Winter Games. Comitê Olímpico Internacional (6 de julho de 2011). Página visitada em 7 de julho de 2011.
  78. a b "Three cities in running for 2018 Winter Olympics", CNN International, Time Warner company, 2009-10-16. Página visitada em 2010-03-12.
  79. a b "Olympics corruption probe ordered", BBC News, 1998-12-22. Página visitada em 2010-08-24.
  80. Cashmore (2005), p. 444
  81. Cashmore (2005), p. 445
  82. Cashmore (2003), p. 307
  83. Payne (2006), p. 232
  84. Miller, Lawrence and McCay (2001), p. 25
  85. Abrahamson, Alan. "Judge Drops Olympic Bid Case", Los Angeles Times, 2003-12-06. Página visitada em 2009-01-30.
  86. "Samaranch reflects on bid scandal with regret", Deseret News, WinterSports2002.com. Página visitada em 2002-03-22.
  87. Roles and Responsibilities during the Olympic Games (pdf) pp. 4–5. International Olympic Committee (janeiro 2010). Página visitada em 2010-08-24.
  88. Berkes, Howard. "Olympic Caveat:Host cities risk debt, scandal", National Public Radio, 2009-10-01. Página visitada em 2010-08-23.
  89. a b c d Payne, Bob. "The Olympic Effect", MSNBC.com, 2008-08-06. Página visitada em 2010-08-23.
  90. Koba, Mark (2010-02-11). The money pit that is hosting Olympic Games. CNBC.com. Página visitada em 2010-08-24.
  91. Preuss (2004), p. 277
  92. Preuss (2004), p. 284
  93. Rogge, Jacques. "Jacques Rogge: Vancouver's Winter Olympic legacy can last for 60 years", The Daily Telegraph, Telegraph.co.uk, 2010-02-12. Página visitada em 2010-08-23.
  94. Yesalis (2000), p. 57
  95. The Official Report of XIth Winter Olympic Games, Sapporo 1972. [S.l.]: The Organizing Committee for the Sapporo Olympic Winter Games, 1973. p. 386. Página visitada em 2009-03-22.
  96. Hunt, Thomas M.. (2007). "Sports, Drugs, and the Cold War" (PDF) 16 (1). International Centre for Olympic Studies.
  97. Mottram (2003), p. 313
  98. Mottram (2003), p. 310
  99. Yesalis (2000), p. 366
  100. A Brief history of anti-doping. World Anti-Doping Agency. Página visitada em 2009-03-25.
  101. a b c Macur, Juliet. "Looking for Doping Evidence, Italian Police Raid Austrians", New York Times, NYTimes.com, 2006-02-19. Página visitada em 2009-03-25.
  102. "IOC to hold first hearings on doping during 2006 Winter Olympics", USA Today, Gannett Co., 2007-02-09. Página visitada em 2009-03-25.
  103. a b c d e Cooper-Chen (2005), p. 231
  104. Senn (1999), p. 136
  105. Senn (1999), p. 136-137
  106. a b Moreland, Jennifer. Olympics and Television. The Museum of Broadcast Television. Página visitada em 2010-08-24.
  107. Gershon (2000), p. 17
  108. Barry, (2002), pp. 39–40
  109. Cooper-Chen (2005), p. 230
  110. Reid, Scott M.. "Winter Olympics has California flavor", The Orange County Register, Orange County Register Communications, 2010-02-10. Página visitada em 2010-03-17.
  111. a b Whannel (1992), p. 174
  112. Whannel (1992), pp. 174–177
  113. Hazan (1982), p. 36
  114. Hazan, (1982), p. 42
  115. Hazan (1982), p. 44
  116. Hill (1992), p. 34
  117. Hill (1992), p. 35
  118. Hill (1992), pp. 36–38
  119. Hill (1992), p. 38
  120. Hill (1992), pp. 38–39
  121. Hill (1992), p. 48
  122. "History of the Winter Olympics", BBC Sport, 1998-02-05. Página visitada em 2009-03-26.
  123. Brownell (2005), p. 187
  124. International Olympic Committee (2007-07-07). Olympic Charter(PDF). Press release. Página visitada em 2009-05-13.
  125. Sappenfield, Mark. "USA, Canada ride new sports to top of Winter Olympics medal count", The Christian Science Monitor, CSMonitor.com, 2010-02-25. Página visitada em 2010-08-23.
  126. Schedule and Results - Sochi 2014 Olympics. Sochi2014.com. Página visitada em 2014-02-25.
  127. a b Biathlon. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  128. Bobsleigh. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  129. Nordic Combined. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  130. Curling. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  131. Alpine Skiing. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  132. Cross Country Skiing. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  133. Freestyle skiing. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  134. Ice Hockey. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  135. Luge. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  136. Figure Skating. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  137. Speed Skating. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  138. Short Track Speed Sskating. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  139. Ski Jumping. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  140. Skeleton. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  141. Snowboard. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  142. Biathlon history. USBiathlon.org. Página visitada em 2009-03-26.
  143. Figure Skating at the 1908 London Summer Games. Sports Reference LLC. Página visitada em 2009-03-26.
  144. a b c "[2]".
  145. "Freestyle Skiing History", The National Post, Canadian Broadcasting Company, 2009-12-04. Página visitada em 2010-03-16.
  146. Janofsky, Michael. "Hitting the slopes in the fast lane", The New York Times, NYTimes.com, 1991-12-18. Página visitada em 2009-03-26.
  147. Candidate Cities and Venues for the Winter Olympics (PDF). International Olympic Committee. Página visitada em 2009-03-12.
  148. The Games:Olympics Past. National Post. Canadian Broadcasting Centre. Página visitada em 2010-03-30.
  149. Squaw Valley 1960. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  150. Sapporo 1972. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  151. Lake Placid 1980. International Olympic Committee. Página visitada em 2010-03-12.
  152. Vancouver Olympics – Athletes. The Vancouver Organizing Committee for the 2010 Olympic and Paralympic Winter Games. Página visitada em 2010-02-24.
  153. Sochi 2014. Organizing Committee of the XXII Olympic Winter Games and XI Paralympic Winter Games of 2014 in Sochi. Página visitada em 2010-05-05.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Este é um artigo destacado. Clique aqui para mais informações