Olinda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde novembro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Município de Olinda
Montagem Olinda.jpg

Bandeira de Olinda
Brasão de Olinda
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 12 de março
Fundação 12 de março de 1535 (479 anos)
Gentílico olindense
Prefeito(a) Renildo Calheiros (PCdoB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Olinda
Localização de Olinda em Pernambuco
Olinda está localizado em: Brasil
Olinda
Localização de Olinda no Brasil
08° 00' 32" S 34° 51' 18" O08° 00' 32" S 34° 51' 18" O
Unidade federativa  Pernambuco
Mesorregião Metropolitana do Recife IBGE/2008 [1]
Microrregião Recife IBGE/2008 [1]
Região metropolitana Recife
Municípios limítrofes Recife e Paulista
Distância até a capital 7 km
Características geográficas
Área 43,548 km² [2]
População 388 127 hab. IBGE/2013[3]
Densidade 8 912,63 hab./km²
Altitude 16 m
Clima Tropical As'
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,735 alto PNUD/2010[4]
PIB R$ 3 412 248 mil IBGE/2011[5]
PIB per capita R$ 9 014 28 IBGE/2011[5]
Página oficial

Olinda é um município do estado de Pernambuco, no Brasil. Está localizado na Região Metropolitana do Recife. Possui uma população de 388 127 habitantes. É uma das mais bem preservadas cidades coloniais do Brasil. Foi a segunda cidade brasileira a ser declarada Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, em 1982, após Ouro Preto.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Um mito popular diz que o nome "Olinda" teria a sua origem numa suposta exclamação do fidalgo português Duarte Coelho, primeiro donatário da Capitania de Pernambuco – "Oh, linda situação para se construir uma vila!".

História[editar | editar código-fonte]

Olinda com Recife ao fundo.
Convento de São Francisco, convento franciscano mais antigo do Brasil.
A Igreja do Carmo, construída no ano de 1580 em Olinda, é o primeiro templo da Ordem dos Carmelitas nas Américas.[6]

Por volta do ano 1000, os índios tapuias que habitavam a região foram expulsos para o interior do continente pela chegada de povos tupis procedentes da Amazônia. No século XVI, quando chegaram os primeiros europeus à região, ela era ocupada pela tribo tupi dos caetés[7] . Localizada no atual estado de Pernambuco, é uma das mais antigas cidades brasileiras, tendo sido fundada (ainda como um povoado) em 1535 pelo primeiro donatário da Capitania de Pernambuco, o português Duarte Coelho. Duarte fez tudo pelo desenvolvimento da terra: fundou o primeiro engenho de açúcar, desenvolveu a agricultura e estabeleceu um livro de tombo.

O povoado foi elevado a vila em 12 de março de 1537. Duarte Coelho ordenou a construção de um edifício destinado ao funcionamento da Câmara do Senado de Olinda, prédio este doado, em 1676, ao primeiro bispo de Olinda, dom Estevam Brioso de Oliveira, que o converteu em um palácio episcopal, até hoje bem conservado. Olinda era sede da capitania de Pernambuco, mas foi incendiada pelos holandeses devido à sua localização. Segundo a concepção holandesa de fortificação, Olinda detinha um perfil de difícil defesa. Diante disso, a sede foi transferida para o Recife.

Em 1630, Olinda foi tomada pelos holandeses, que a incendiaram no ano seguinte; em 1654 os portugueses retomaram o poder e expulsaram os holandeses. Olinda voltou a ser capital de Pernambuco, muito embora os governadores residissem em Recife. Por volta de 1800, com a fundação do Seminário Diocesano e, em 1828, do Curso Jurídico, transformou-se num burgo de estudantes. Deixou de ser a Capital da Província em 1837, perdendo o título de capital para o Recife.

Sob certos aspectos, Olinda rivalizava com a metrópole portuguesa. Seus velhos sobrados tinham dobradiças de bronze, enquanto as igrejas, principalmente a Sé, ostentavam, em suas portas principais, dobradiças de prata e chaves fundidas em ouro.

Foi no Senado da Câmara de Olinda que, a 10 de novembro de 1710, o sargento-mor Bernardo Vieira de Melo deu o primeiro grito em prol da independência nacional.

Os primeiros cursos jurídicos do Brasil, criados pelo Decreto Imperial de 11 de agosto de 1827, foram inaugurados solenemente no Mosteiro de São Bento, a 15 de maio de 1828. Antes de sua transferência para Recife, os cursos jurídicos funcionaram no prédio em que atualmente se encontra a prefeitura.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Pix.gif Centro Histórico de Olinda *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Sitio Historico de Olinda.jpg
Vista do Sítio Histórico de Olinda.
País  Brasil
Tipo Cultural
Critérios iii, iv
Referência 189
Região** Brasil
Coordenadas 8°0'48" S 34°50'42" W
Histórico de inscrição
Inscrição 1982  (6ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

Olinda tem uma população de 375 559 habitantes (360 554 na zona urbana), e uma área de 37,9 km².

Faz parte da Região Metropolitana do Recife, e localiza-se a uma distância de 6 km da capital pernambucana.

Faz limite ao norte com Paulista, ao sul e oeste com o Recife, a leste com o Oceano Atlântico.

Olinda foi o ponto de partida, não só para o povoamento do interior pernambucano, mas também para a ocupação dos estados de Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Maranhão. Somente Sergipe e Piauí não devem sua ocupação a Pernambuco. Além disso havia a corrente luso-baiana da Casa da Torre, que contratava paulistas como Domingos Jorge Velho, bandeirantes sem os quais o interior do Nordeste teria permanecido sob controle tapuia por séculos.

Economia[editar | editar código-fonte]

Olinda é um município essencialmente habitacional, comercial e turístico. Pode-se dizer que é uma "semicidade dormitório" em relação à vizinha capital pernambucana, Recife. Os habitantes são majoritariamente de classe média e de classe baixa, com exceção da Cidade Alta, considerada Patrimônio da Humanidade.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Instituições de ensino superior

Cultura[editar | editar código-fonte]

Elevador panorâmico de Olinda, instalado em 2010.
Olinda foi eleita a 1ª Capital Brasileira da Cultura, após concorrer com as cidades de Salvador e João Pessoa.[8]
Maracatu Nação em Olinda.

Além de sua beleza natural, Olinda é também um dos mais importantes centros culturais do Brasil. Foi declarada, em 1982, Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Olinda foi eleita a primeira Capital Brasileira da Cultura no ano de 2006.

Foi a primeira vez que o Brasil elegeu uma capital cultural. O projeto é uma iniciativa da organização Capital Brasileira da Cultura, com o apoio dos Ministérios da Cultura e do Turismo e da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Olinda revive o esplendor de seu passado todos os anos durante o Carnaval de Olinda, ao som do frevo, do maracatu e outros ritmos originais de Pernambuco. Há "bonecos gigantes", nos quais cabe um homem utilizando apenas suas pernas para ampará-lo; e blocos carnavalescos (com temáticas variadas, de grupos variados, geralmente acompanhados de orquestras de frevo, e/ou grupos de maracatus). É costume dos jovens molhar os transeuntes com pistolas d'água. Vários grupos também se fantasiam, seja em qual for o personagem, em geral com a intenção de chamar a atenção para si, fazer uma crítica social, animar com brincadeiras ou atrair parceiros para namoros.

Observatório Astronômico do Alto da Sé de Olinda, onde foi realizada a descoberta do Cometa Olinda, primeiro cometa descoberto na América Latina e o único no Brasil.

Durante todo o ano, em especial no sítio histórico de Olinda, há eventos culturais, como feirinhas de artesanato, reggaes, sambas, maracatus e afoxés. Também há ambientes mais intimistas, como casas de festas, bares e restaurantes culturais - com noites literárias, gastronomia, música ao vivo etc.. Circulam, no meio dessas atividades, crianças, jovens e adultos dos mais variados estilos. Também há outras localidades, à beira-mar, frequentados à noite por diversas pessoas.

Também são símbolos culturais da cidade a comida típica tapioca e o farol de Olinda.

Cidades-Irmãs de Olinda:[9]

Cometa Olinda[editar | editar código-fonte]

Em 1860, o astrônomo francês Emmanuel Liais descobriu, no Observatório do Alto da Sé, o primeiro cometa relatado a partir de observações na América Latina e o único descoberto no Brasil, que recebeu a denominação de cometa Olinda.[10]

Vista Panorâmica do Alto da Sé, a partir do mirante do Elevador de Olinda.
Vista Panorâmica do Alto da Sé, a partir do mirante do Elevador de Olinda.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Olinda é município integrante do Grande Recife Consórcio de Transporte Metropolitano (empresa que fiscaliza o transporte público por ônibus na Região Metropolitana do Recife). O município possui, em operação, 3 terminais de ônibus integrados e 1 que está sendo construído. Eles possuem área coberta, lanchonete e sanitários. Nos terminais, os passageiros têm a possibilidade de trocar de linha sem pagamento de nova tarifa.

Vista aérea de Olinda.
Vista aérea de Olinda.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Estimativa Populacional 2011. Censo Populacional 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (julho de 2011). Página visitada em 29 de outubro de 2011.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 04 de setembro de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios - 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 17 dez. 2013.
  6. Após reforma, Igreja do Carmo, em Olinda, é devolvida aos carmelitas
  7. BUENO, E. Brasil: uma história. Segunda edição revista. São Paulo. Ática. 2003. p. 18,19.
  8. Olinda eleita Capital Brasileira da Cultura 2006.
  9. Olinda e Colônia de Sacramento são agora oficialmente cidades irmãs. Página visitada em 18 de abril de 2014.
  10. /http://www.grandebrasil.com.br/Brasil/PE_Pernambuco/?Cidade_Olinda+5362

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons


Imagem: Centro Histórico de Olinda A cidade de Olinda inclui o sítio Centro Histórico de Olinda, Património Mundial da UNESCO. Welterbe.svg