Onda Revolucionária

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Onda Revolucionária, também chamada de Ciclo Revolucionário é uma série de revoluções ocorrendo em vários locais em um período de tempo semelhante. Em muitos casos, revoluções passadas e ondas revolucionárias pode inspirar os atuais, ou uma revolução inicial inspira outros concorrentes "revoluções afiliados" com objetivos semelhantes.[1] [2] Historiadores e filósofos políticos estudaram as causas de ondas revolucionárias, incluindo Robert Palmer Roswell, Crane Brinton, Hannah Arendt, Eric Hoffer e Jacques Godechot.[3] O conceito é importante para marxistas, que ver as ondas revolucionárias como prova de que um revolução mundial é possível. Para Rosa Luxemburgo, "A coisa mais preciosa ... na vazante acentuada e fluxo das ondas revolucionárias é o crescimento espiritual do proletariado. O avanço aos trancos e barrancos da estatura intelectual do proletariado oferece uma garantia inviolável de seu progresso ainda mais nas lutas inevitáveis ​​econômicas e políticas à frente."[4] No entanto, a frase também tem sido usado por não-marxistas ativistas e escritores, incluindo Justin Raimondo e Michael Lind, para descrever os números de rotações que ocorrem dentro de um período curto de tempo.[5] [6] Various examples of revolutionary waves are cited.[7]

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Fim do Século XVIII e início do Século XIX[editar | editar código-fonte]

  • A Revolução Liberal é o nome com o que se designa as revoluções políticas incluída no processo de transição em todas os áreas em que se encerra a Idade Moderna e o início da Idade Contemporânea(fim do século XVIII e início do século XIX). O componente econômico dessa transição é a Revolução Industrial e o componente social a Revolução Burguesa. A ideologia justificativa desta revolução é o liberalismo.

→ A eclosão das Guerras de Independência da América Latina. Estas revoluções são muitas vezes vistas como inspiradas pelo menos em parte pelas revoluções americana e francesa, em termos de sua ideologia iluminista liberal e objectivos, são contados como a segunda parte do ciclo. Pode-se incluir a América Espanhola duante o período de 1810 à 1826.

Decorrer do Século XIX[editar | editar código-fonte]

  • Revolução de 1820, chamado também de Ciclo Mediterrâneo, que começa na Espanha com o Triênio Liberal e estende-se por Portugal, Itália e Grécia. Também significou o fim da independência da América espanhola continental (Batalha de Ayacucho, 1824)
  • Revolução de 1830, que começa com a chamada Monarquia de Julho, na França, e se estende até a independência da Bélgica e movimentos que falharam na Alemanha, Polónia e Itália. Também relacionada com a reforma de medidas como o Cartismo na Inglaterra, onde havia processos políticos revolucionários.
  • Revolução de 1848 (vulgarmente conhecido como Primavera de Nações ou Primavera dos Povos), cujo relativo sucesso significava o fim dos poderes autoritários até então exercidos pelos absolutistas da Santa Aliança na política interna dos países da Europa.

Século XX[editar | editar código-fonte]

  • Onda de revoluções relacionadas ao final da Primeira Guerra Mundial (1918) e a Revolução Russa (1917), como a Liga Espartaquista, a Revolução Alemã de 1918-1919 ou a Revolução Húngara de Béla Kun (que identifica as características da revolução proletária). Alguns processos contemporâneos geralmente não estão associados a eles, mas eles compartilham características, apesar de terem a dinâmica inerente (Revolução Mexicana, a crise espanhola de 1917).

→ Os partidos comunistas começaram a executar a estratégia da frente popular, fazendo coligações com outros esquerdistas e até mesmo alguns grupos de centro direita, em um esforço para moldar a política, sobretudo após chegar ao poder Adolf Hitler na Alemanha nazista em 1933. Ao contrário, eles terminaram em grande parte, ora por derrota militar e política, como na Guerra Civil Espanhola e outras democracias do colapso da era do entre-guerras, eleições ou cooptação e de compromisso, como exemplificado pelo predomínio dos partidos social-democrático sobre os comunistas em muitos lugares, como o Front Populaire em França, e o Partido Democrata americano através de sua coalizão do New Deal.

  • A onda (ou uma série delas) que ocorre no final da Segunda Guerra Mundial e durante a Guerra Fria (ver abaixo). Indiscutivelmente, especialmente no caso das revoluções comunistas, houve ondas regionais após cada tomada de poder em uma determinada área do mundo.

→ Dois grandes ondas varreram a Ásia Oriental e Sudeste Asiático. A primeira onda(1940-1950) cresceu após a Segunda Guerra Mundial e foi simbolizada pela vitória de 1949 dos maoístas na Guerra Civil Chinesa, inclui o estabelecimento de um Estado comunista na Coreia do Norte e a subsequente Guerra da Coreia, uma trajetória semelhante dos vietnamitas e ao regime comunista norte-vietnamita através da Primeira Guerra da Indochina, assim como as revoltas reprimidas dos Huks nas Filipinas, dos comunistas na área malaia, e da Frente Popular, aliança que levou o triunfo na Independência da Indonésia. Outra onda ocorrida nas décadas de 1960 e 1970 são à Revolução Cultural Chinesa (1966-1976) e a Guerra do Vietnã (ou Segunda Guerra da Indochina), que se estendeu além do Vietnã e do Guerra Civil do Camboja e do Guerra Civil do Laos, enquanto a onda iria incluir os esforços do Exército, nas Filipinas.

→ Duas grandes ondas de guerrilha na América Latina: um com o triunfo da Revolução Cubana, em 1959, inspirando outros movimentos com foco rural ou guerrilha urbana, e logo a seguir a vitória da revolução na Nicarágua em 1979, revigorou outra geração de militantes partidários, revoltas armadas e frentes populares.

→ Outra onda significativa na África, na década de 1970, incluindo as revoluções comunistas e golpes militares pró-soviéticos na Somália, Congo-Brazzaville, Daomé (atual Benim) e a Etiópia, a luta dos partidos comunistas contra o Império Português, bem como a luta anti-apartheid, a Guerra de Independência da Namíbia e da Guerra da Libertação da Rodésia(no que é hoje conhecido como Zimbábue).

→ Vários protestos em 1968, consistindo numa série de protestos no mundo, ora o Movimento dos Direitos Civis(1955-1968), nos Estados Unidos, em que foram organizados protestos não-violentos contra o governo e discriminação privada, o que se seguiu levou a tumultos em várias cidades durante o "Verão longo e quente de 1967" e as várias revoltas em 1968 após o assassinato de Martin Luther King, Jr.. Protestos em várias partes do mundo liderados pelos estudantes e trabalhadores. Como os acontecimentos de Maio de 1968, na França; o Massacre de Tlatelolco, no México; a Primavera de Praga, na Tchecolosváquia em um eco da nova esquerda contemporânea durante a Guerra Fria. Surgimento de movimentos liderados do jovens em todo o mundo incluído oposição ao envolvimento dos Estados Unidos na Guerra do Vietnã, a contracultura dos anos 1960.


Anos 2000[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. Mark N. Katz, Revolution and Revolutionary Waves, Palgrave Macmillan (October 1, 1999)
  2. Nader Sohrabi, Revolution and Constitutionalism in the Ottoman Empire and Iran, Cambridge University Press, 2011 p. 74, 83, 87, 90, 94, 96, ISBN 0-521-19829-1, ISBN 978-0-521-19829-5
  3. *Colin J. Beck, Dissertation submitted to Stanford University Department of Sociology graduate Ph.D program, March 2009, "Ideological roots of waves of revolution," ProQuest, 2009, p. 1-5, ISBN 1-109-07655-X, 9781109076554.
    • Note: Colin J. Beck also wrote The Ideological Roots of Waves of Revolution, BiblioBazaar, 2011, ISBN 1243608560, 9781243608567
  4. Rosa Luxemburg, Gesammelte Werke, citado em Tony Cliff Rosa Luxemburg, 1905 and the classic account of the mass strike in Patterns of mass strike, International Socialism 2:29, Summer 1985, p.3-61.
  5. Justin Raimondo, The Revolutionary Wave: Tunisia, Egypt, Yemen – is the West next?, Antiwar.com, January 28, 2011.
  6. Michael Lind, Vietnam, the necessary war: a reinterpretation of America's most disastrous military conflict, Simon and Schuster, 2002 p 37 ISBN 0-684-87027-4, ISBN 978-0-684-87027-4
  7. Colin J. Beck, "Ideological roots of waves of revolution," p. 161.