Onda curta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
High Frequency (HF)
Ciclos por segundo: 3 MHz a 30 MHz

Comprimento de onda: 100m a 10m

Onda Curta, é uma onda que opera no espectro de frequência dos 3.000 kHz a 30.000 kHz (3-30 MHz). Em Rádio, a onda curta corresponde a alta frequência obtida pela relação inversa entre a frequência e o comprimento da onda e por isso denominada "ondas curtas", pois seus comprimentos de onda são mais curtos do que os da onda longa, comprimentos utilizados no início das comunicações de rádio. HF (Alta Frequência) é um nome alternativo para onda curta de rádio.[1]

As ondas curtas representam importante papel nas transmissões de rádio tanto para radiodifusão como para fins utilitários (comunicações com aviões, embarcações, etc), civis, militares ou comerciais. Devido a característica do comprimento de onda, as transmissões em ondas curtas se propagam até grandes distâncias através de saltos por deflexão nas camadas da ionosfera.

A propagação das transmissões de rádio em ondas curtas estão sujeitas a fenomenologia própria das camadas ionosféricas.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Antigo receptor de ondas curtas.

HF é a sigla para o termo inglês High Frequency e significa "frequência alta". As radiofrequências (HF) de alta frequência estão entre 3 e 30 megahertz. Também conhecida como a faixa do decâmetro ou a onda curta, com a escala de comprimentos de onda de uma a dez medidas dos decâmetros (dez a cem). A origem da designação "ondas curtas" está associada com a comparação do seu "comprimento de onda", da ordem de dezenas de metros (sendo por isso também chamadas ondas decamétricas), com o comprimento de onda de outras radiações eletromagnéticas, mais longas, como as ondas médias (ondas hectométricas) e longas (ondas quilométricas). Representam importante papel nas transmissões de rádio tanto para radiodifusão, como para fins utilitários (comunicações com aviões, embarcações, etc) civis, militares ou comerciais. Devido à característica do comprimento de onda, as transmissões podem se propagar até grandes distâncias, através de saltos onde há a refração e consequente reflexão nas camadas da ionosfera (Lei de Snell). A propagação das transmissões de rádio em ondas curtas estão sujeitas à fenomenologia própria das camadas ionosféricas. A designação nasceu nos primórdios das transmissões de rádio, quando as frequências geralmente utilizadas eram muito mais baixas. Esta porção do espectro é também referida como HF, sigla derivada do inglês High Frequency, em contraponto à faixa de ondas longas (de comprimento de onda da ordem de quilômetros, também referida como LF, Low Frequency) e às ondas métricas que compõem as transmissões nas frequências de VHF, Very High Frequency.

Propagação e características[editar | editar código-fonte]

A ionosfera reflete frequentemente as ondas de rádio de HF (um fenómeno conhecido como a propagação), sendo usada extensivamente para a radiocomunicação da escala média e longa. Entretanto, a conformidade desta parcela do espectro para tal comunicação varia extremamente com uma combinação complexa de fatores:

Espectro[editar | editar código-fonte]

O espectro eletromagnético nas frequências de ondas curtas é ocupado por transmissões das mais diferentes formas, desde radiodifusão comercial e não comercial, até transmissões de radioamadores e transmissões para comunicação entre aviões e navios.

Muitos países contam com emissoras estatais de ondas curtas em diversos idiomas, com a intenção de levar as notícias econômicas, culturais ou mesmo as notícias do dia-a-dia da sua população para além de suas fronteiras territoriais, visto que as ondas curtas possuem grande alcance geográfico). Dentre estas, existem as que transmitem para o exterior com o objetivo de serem um "canal" entre seus expatriados e seu país de origem. Entre os países que contam com grandes emissoras em ondas curtas transmitindo para o exterior estão Alemanha, Argentina, Brasil, Canadá, China, Coreia do Sul, Estados Unidos da América, França, Holanda, Itália, Japão, República Checa e Rússia.

Atribuição de frequências[editar | editar código-fonte]

O uso das faixas de ondas de rádio são atribuídas pela World Radiocommunication Conference (WRC), organizada sob os auspícios da International Telecommunication Union.

As ondas de rádio AM são atribuídos com 5 kHz de separação para a radiodifusão de áudio analógico tradicional.


Faixa Frequência Usado em:
160 m 1800 - 2000 kHz utilizada por radioamadores
120 m
90 m
2300 - 2495 kHz onda tropical
90 m 3500 a 3800 kHz utilizada por radioamadores
80 m 3200 - 3400 kHz onda tropical
75 m 3900 - 4000 kHz utilizada por radioamadores
60 m 4750 - 5060 kHz onda tropical
49 m 5900 - 6200 kHz muito utilizada nas Américas
40 m 7000 - 7300 kHz utilizada por radioamadores
31 m 9400 - 9900 kHz uma das mais usadas no mundo
25 m 11600 - 12100 kHz muito utilizada nas Américas
22 m 13570 - 13870 kHz bastante usada na Ásia e na Europa
20 m 14000 - 14300 kHz utilizada por radioamadores
19 m 15100 - 15800 kHz
16 m 17480 - 17900 kHz
15 m 18900 - 19020 kHz utilizada em transmissão DRM
15 m
13 m
21450 - 21850 kHz
21000 a 21300 kHz
utilizada por radioamadores
11 m 25600 - 26100 kHz utilizada em transmissão DRM local
11 m 26960 - 27860 kHz utilizada para a Faixa do Cidadão[2]
10 m 28000 - 29700 kHz utilizada por radioamadores


  • Ondas Curtas - 2.3 MHz–26.1 MHz, divididas em quinze bandas, apresentam longo alcance, porém baixa qualidade de sinal. As mais usadas são de 49, 31, 25 e 19 metros.
  • Ondas Médias - 520 kHz–1610 kHz, utilizada nas Américas, esta banda possui médio alcance.
  • Ondas Longas - 153 kHz–279 kHz, não disponível no hemisfério oeste, é usado para transmissões na Europa, África, Oceania e parte da Ásia.
  • Ondas Tropicais - 2300 kHz-5060 kHz de 120-90-60 metros, utilizada entre os Trópicos, esta banda possui longo alcance, razoável qualidade de sinal.

Usos[editar | editar código-fonte]

Nuvola apps important.svg
A tradução deste artigo ou se(c)ção está abaixo da qualidade média aceitável.
É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, Shortwave e melhore este artigo conforme o guia de tradução.

A faixa de alta frequência é muito comum entre os operadores de radioamadores, que podem se aproveitar de comunicações (frequentemente intercontinentais) diretas, interurbanas e do " factor" da emoção; resultar de fazer contatos em circunstâncias variáveis. A transmissão internacional do shortwave utiliza este jogo das frequências, assim como um número convenientemente de diminuição de " utility" os usuários (fuzileiro naval, aviação, forças armadas, e interesses diplomáticos), que tem, nos últimos anos, balanço sobre aos meios de uma comunicação menos temporários (por exemplo, através dos satélites), mas podem manter estações do HF após switch-over para finalidades alternativas. Entretanto, o desenvolvimento da tecnologia do estabelecimento de ligação automática baseada em MIL-STD-188-141A e em MIL-STD-188-141B para a seleção automatizada da conectividade e da frequência, junto com os custos elevados do uso satélite, conduziu a um renascimento no uso do HF entre estas comunidades. O desenvolvimento de uns modem mais elevados da velocidade tais como aquelas que conformam-se a MIL-STD-188-110B que suportam taxas de dados até 9600 bit/s igualmente aumentou a usabilidade do HF para transmissões de dados. O outro desenvolvimento dos padrões tal como STANAG 5066 prevê transmissões de dados sem erros com o uso de protocolos de ARQ. Os rádios dos CB operam-se na parcela mais elevada da escala (ao redor 27 megahertz), como fazem algumas ligações de rádio do estúdio-à-transmissor (STL). Algumas modalidades de uma comunicação, tais como transmissões do código Morse da onda contínua (especial por operadores de radioamadores) e únicas transmissões de voz do sideband são mais comuns na escala do HF do que em outras frequências, por causa de sua natureza de conservação, mas as modalidades de faixa larga, tais como transmissões da tevê, são proibidas geralmente por HF' pedaço relativamente pequeno de s do espaço do espectro eletromagnético. Propale, especial interferência sintética dos dispositivos electrónicos, tenda a ter um grande efeito nas faixas de HF. Nos últimos anos, os interesses levantaram-se entre determinados usuários do espectro do HF sobre o " faixa larga sobre o lines" do poder; Acesso de Internet (dos BPL), que é acreditado para ter um efeito quase destrutivo em comunicações do HF. Isto é devido às frequências em que o BPL se opera (tipicamente correspondendo com a faixa de HF) e a tendência para o " dos BPL; signal" ao escape das linhas eléctricas. Os fornecedores de alguns BPL instalaram o " filters" do entalhe; para obstruir para fora determinadas parcelas do espectro (a saber o rádio do amador se une), mas uma grande quantidade de controvérsia sobre a distribuição deste método de acesso permanece. Alguns Tag da identificação da radiofrequência (RFID) utilizam o HF. Estes Tag são sabidos geralmente como HFID' s ou HighFID' s (identificação de alta frequência).

Longas distâncias[editar | editar código-fonte]

Devido a possibilidade de transmissão por longas distâncias (DX) associada ao uso de ondas curtas, algumas transmissões de radiodifusão regionais ou nacionais são sintonizadas em locais muito distantes, especialmente pelos radioamadores (chamados no Brasil de "dexistas"), que compõem relatórios de recepção, qualificando a qualidade da transmissão e descrevendo detalhadamente o conteúdo da transmissão. Os radioamadores enviam esses relatórios para as emissoras que, em contrapartida, emitem um certificado de escuta chamado "cartão QSL".

Muitos ouvintes sintonizam os rádios em ondas curtas para escutar os programas das estações de radiodifusão, tais como: BBC World Service, Deutsche Welle, Rádio Austrália, Rádio Canada Internacional, Rádio Nederland, Voice of America, Voz da Rússia, etc. Hoje, através da evolução da Internet, os radioamadores podem ouvir as emissões de ondas curtas de todo o mundo mesmo sem possuir uma receptor de ondas curtas.[3] Muitos organismos internacionais, como a RCI (Rádio Canadá Internacional),[4] a BBC e a Rádio Austrália, oferecem streaming de áudio ao vivo em seus websites.

Informações[editar | editar código-fonte]

  • Os rádios e alguns autorrádios antigos sintonizam Ondas Médias (OM), mais conhecidas como rádios AM, nas freqüências de 540 kHz até 1630 kHz.
  • Esses rádios antigos muitas vezes também sintonizavam Ondas Curtas (OC), nas freqüências até 15 a 30 MHz.
  • A modulação é por amplitude, onde o sinal da rádio, por exemplo 3 MHz (OC), tem sua potência de transmissão modulada pelo sinal de áudio. Essa modulação é chamada de AM (Amplitude Modulation).
  • A modulação AM ocupa o equivalente a duas vezes a banda do sinal de áudio, ou seja, se desejamos transmitir uma banda audível de 5 kHz, a modulação AM ocupa 10 kHz no espectro de freqüências de rádio.
  • A modulação SSB (Single Side Band) é uma técnica de transmissão AM que ocupa metade da banda AM de rádio, ou seja, ela necessita apenas 5 kHz de banda no espectro de freqüência de rádio para 5 kHz de banda de áudio. A banda inferior ou superior podem igualmente serem utilizadas, propiciando uma ocupação de apenas um quarto da banda (2.7 kHz).
  • Os rádios com modulação SSB e mesmo os rádios AM estavam se tornando obsoletos pela baixa qualidade de áudio pois a banda de áudio foi limitada em 5 kHz e demandavam um potente amplificador (transmissor) operando na classe C de operação. Contudo, com a criação de receptores digitais de alta fidelidade e portáteis (p.ex. Sony ICF-SW35) muitos voltaram a usufruir desse tipo de transmissão. Várias rádios brasileiras (Rádio Gaúcha, Rádio Guaíba, Rádio Bandeirantes) apresentam transmissão concomitantes em ondas curtas.
  • A modulação FM ocupa uma banda ainda maior no espectro de freqüências de rádio que a transmissão AM. Assim, uma rádio FM ocupa até 200 kHz para uma banda de 2 x 15 kHz de áudio estéreo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Notas
  1. Tomislav Stimac, "Definition of frequency bands (VLF, ELF... etc.)". IK1QFK Home Page (vlf.it).
  2. Resolução nº 444 Agência Nacional de Telecomunicações (28 de setembro de 2006). Visitado em 26 de fevereiro de 2013.
  3. Controlar receptores de Ondas Curtas remotamente.
  4. RCI.
Bibliografia
  • Ulrich L. Rohde, Jerry whitaker "Communications Receivers, Third Edition " McGraw Hill, New York, NY, 2001, ISBN 0-07-136121-9

Ligações externas[editar | editar código-fonte]