Onmyōdō

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Abe no Seimei, um famoso onmyōji

O Onmyōdō (阴阳道, também In'yōdō) é uma cosmologia esotérica tradicional do Japão, uma mistura de ciência natural e ocultismo. É baseado na filosofia chinesa de Wu Xing e Yin e Yang, introduzido no Japão no virar do século 6, e aceito como um prático sistema de adivinhação. Essas práticas foram mais influenciadas pelo Taoísmo, Budismo e Xintoísmo, e evoluiu para o onmyōdō de hoje em dia aproximadamente no século 7.

O Onmyōdō estava sob o controle do governo imperial e, posteriormente, da sua corte, a família Tsuchimikado, até meados do século 19, quando então se tornou proibido como superstição. As restrições foram abolidas e, a partir de 2006, qualquer pessoa pode estudar onmyōdō. Praticantes profissionais desta arte são chamados de onmyoji (陰陽師).

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Nos séculos 5 e 6, os princípios do yin-yang e dos Cinco Elementos foram transmitidos ao Japão juntamente com o Budismo e o Confucionismo. Yin-Yang e os Cinco Elementos, bem como as divisões de aprendizagem a que estavam ligados - a astronomia, a feitura de calendários, o cômputo do tempo, previsão do futuro e estudos baseados na observação da natureza - foram reunidos como processos de adivinhação. Este processo de julgamento dos sinais auspiciosos ou nocivos presentes no mundo natural foi aceito na sociedade japonesa como uma técnica para prever a boa ou má fortuna no mundo humano. Tais técnicas eram conhecidas principalmente por monges budistas da Ásia continental, que foram instruídos na leitura e na escrita chinesa. Sobre a demanda de tempo dos membros da corte imperial, que acreditavam que a adivinhação onmyōdō seria útil nas tomadas de decisão, tornou-se necessário que leigos também aprendessem a arte, e os onmyoji começaram a aparecer em meados do século 7.

Com a implementação do sistema de códigos de direito Ritsuryo nos séculos sétimo e oitavo, as técnicas yin-yang foram colocadas sob a jurisdição da Secretaria de Onmyo (陰陽寮, Onmyo-ryo) no Departamento de Nakatsukasa (中务省, Nakatsukasa- shō) da burocracia imperial. A Secretaria de Onmyo era responsável por supervisionar as adivinhações de Onmyōdō, as observações astrológicas e a criação de calendários. Além disso, por lei, ao clero budista foi proibida a prática da astrologia e da cartomancia; daí, os onmyoji controlados pelo governo passaram a monopolizar a prática.

Desde o período Heian avançado, como o sistema Ritsuryo se expandiu e a família Fujiwara subiu ao poder, a sociedade da corte imperial assumiu uma forma mais formal, e a adesão a rituais para aplacar as almas dos mortos (御霊信仰, Goryo Shinko) com a intenção de combater a criação de fantasmas vingativos (怨霊, onryō) germinou. Pelo fato de os onmyoji terem apresentado métodos que podem evitar desastres com suas habilidades de adivinhação e magia, a superstição ofereceu aos onmyoji influência sobre a vida pessoal do imperador e da nobreza da corte. Por conseguinte, o conhecimento popular de onmyōdō gradualmente se espalhou da sociedade da corte para a sociedade japonesa como um todo, reforçando o seu desenvolvimento em uma arte tipicamente nipônica.

O Onmyōdō se fundiu com o ocultismo e outras crenças, e evoluiu a partir do pensamento chinês, importado de um sincretismo encontrado somente no Japão. O Onmyōdō japonês tomou elementos do Taoísmo (道教), que foi transmitido ao Japão ao mesmo tempo que o Onmyōdō, incluindo elementos mágicos como katatagae, monoimi, henbai e cerimônias aos deuses taoístas, assim como o Taizan Fukunsai. Elementos de feng shui e a arte médica do jukondō também foram incorporados, e como o Onmyōdō e o Xintoísmo japonês influenciaram mutuamente um ao outros o Onmyōdō cresceu de modo mais característico. A partir do final do século oitavo em diante, ele foi influenciado pelos elementos mágicos do Budismo esotérico e da astrologia de origem indiana (Sukuyōdō), que foram transmitidos com ele.

Durante o período Heian, a nobreza organizava a sua vida em torno das práticas recomendadas pelos onmyoji. A prática de "direções para a sorte e para o azar" é um exemplo. Dependendo da época, da hora do dia e de outras circunstâncias, uma direção particular pode ser de má sorte para um indivíduo. Se alguém da casa foi localizado nesse sentido, essa pessoa não era aconselhada a voltar diretamente para sua casa, mas tinha que "mudar de direção" (katatagae), indo em uma direção diferente e se alojando lá. Essa pessoa não se atreveria a ir no sentido proibido, mas ficava onde estivesse, mesmo que resultasse em faltar à corte ou passando por cima de convites de pessoas influentes.

No século 10, Kamo no Tadayuki e seu filho Kamo no Yasunori fizeram grandes avanços no Onmyōdō, na astronomia e na ciência dos calendários, e de entre os seus alunos surgiu Abe no Seimei, que apresentava habilidades superiores na arte de adivinhação onmyōdō, pelo qual ele ganhou uma quantidade incomum de confiança da sociedade da corte. Tadayuki e Yasunori passaram os seus conhecimentos em astronomia para Seimei, enquanto seus avanços na feitura de calendários foram passados para o filho de Yasunori. A partir do final do período Heian, na Idade Média, a astronomia e ciência dos calendários foram completamente absorvidas pelo Onmyōdō, e as famílias Abe e Kamo passaram a dominar a arte.

Onmyoji[editar | editar código-fonte]

Onmyoji (陰陽師, também In'yōji) era uma das classificações dos funcionários públicos pertencentes à Secretaria de Onmyo no antigo sistema Ritsuryo do Japão. Pessoas com este título eram praticantes profissionais de onmyōdō.

Os onmyoji eram especialistas em magia e adivinhação. Suas responsabilidades na corte variavam de tarefas, tais como manter o controle do calendário e as tarefas místicas, como a adivinhação e proteção da capital contra os espíritos malignos. Eles podiam adivinhar influências auspiciosas ou nocivas na terra, e foram determinantes para a mudança de capitais. Diz-se que um onmyoji também pode convocar e controlar um shikigami.

Onmyoji famosos incluem Kamo no Yasunori e Abe no Seimei (921-1005). Após a morte de Seimei, o imperador ergueu um santuário em sua casa, em Kyoto.

Os onmyoji tiveram influência política durante o período Heian, mas em tempos posteriores, quando a corte imperial entrou em declínio, o seu patrocínio estatal foi completamente perdido. No Japão moderno, os onmyoji são definidos como um tipo de sacerdote xintoísta, e embora haja muitos que se dizem médiuns e espiritualistas, um onmyoji continua a ser uma figura oculta.

Textos[editar | editar código-fonte]

  • Kinugyokutoshū (金烏玉兎集/三国相伝陰陽輨轄簠簋内伝金烏玉兎集, "a coleção de livros da lua e do coelho de jade")
  • Senji Ryakketsu (占事略决, "o sumário para juízos de adivinhações"), por Abe no Seimei

Referências Culturais[editar | editar código-fonte]

O ar de mistério em torno dos onmyoji e do Onmyōdō os tornou freqüentemente empregados como elementos em filmes, mangás e animes.

  • Lin Koujo de Ghost Hunt é considerado por muitos como um onmyoji. Ele freqüentemente exorciza ou convoca espíritos, controla shikigamis e possui muita experiência nos assuntos de ocultismo oriental em geral.
  • O filme Onmyoji é uma avaliação fictícia de Abe no Seimei baseado na série de romance do mesmo nome (que também inspirou uma adaptação em manga, também com o mesmo nome).
  • Subaru Sumeragi, de Tokyo Babylon e X do grupo CLAMP, é um onmyoji que protege o Japão moderno de maldições e espíritos vingativos. Proteger o Japão das sombras é função do assassino onmyouji Seishirō Sakurazuka, contraparte sombria de Subaru.
  • Em Shaman King, os onmyoji são um tipo de xamãs de alto nível. Personagens incluem Yohmei Asakura, o avô de Yoh, e Hao. Além disso, aparece um livro chamado "Chou Senji Ryakketsu", escrito por Hao, conhecido por conter técnicas xamânicas poderosas.
  • Abe no Yasuaki, do jogo e anime Harukanaru Toki no Naka de, é um onmyoji discípulo de Abe no Seimei.
  • O mangaká Ken Akamatsu, em Negima!: Magister Negi Magi, caracteriza uma sofisticada cultura secreta de onmyoji.
  • O protagonista de Abenobashi Mahou Shouten Gai, da GAINAX, é atraído para um mundo paralelo onde ele aprende a arte de Onmyōdō com Abe no Seimei.
  • Na novela Teito Monogatari, de Hiroshi Aramata, o vilão, Kato Yasunori, é um maligno onmyoji revivido das almas enraivecidas e ressentidas dos místicos mortos. Ele derruba a família Tsuchimikado e emprega maciça mágica Onmyo para destruir a cidade de Tóquio. Como mostrado em versões de filme da história, o seu poder supostamente se iguala, se não ultrapassa, o de Abe no Seimei.
  • O anime e mangá Onmyou Taisenki gira quase inteiramente em torno do Onmyōdō.
  • Ask Dr. Rin! apresenta um onmyoji chamado Tokiwa Takashi.
  • Keiya Tenpouin é um onmyouji do jogo para Playstation Evil Zone.
  • Shonen Onmyoji narra a vida do neto mais novo de Abe no Seimei e sua jornada para se tornar um onmyouji.
  • Nakahito Kagura, o protagonista de Steel Angel Kurumi, pertence a uma família de místicos Onmyou.
  • O jogo para PlayStation Final Fantasy Tactics inclui um trabalho chamado Onmyoji (traduzido como "Oracle" para a liberação do jogo em inglês). O onmyoji pode usar o "Yin-Yang Magic" para infligir status de anomalias, tais como cegueira, paralisia e sono em seus inimigos.
  • Um dos cartões em Magic: The Gathering é chamado de Vingança de Goryo http://magiccards.info/scans/en/bok/67.jpg
  • Hazuki (e/ou a mãe de Hazuki) [no anime "Tsukuyomi moon phase"] pode convocar um shikigami (a irmã do avô de Kouheis fez o shikigami)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • 占事略決 (Big5 chinês) Texto online de Senji Ryakketsu. (Link quebrado a partir de 28/072008)