Operação Lentil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Operação Lentil (russo: Чечевица, Chechevitsa; checheno: Aardax, Ardakh) foi a expulsão pelos soviéticos da totalidade das populações Vainakh (Chechênia e Inguchétia) do Norte do Cáucaso para a Ásia Central durante a Segunda Guerra Mundial. A expulsão, foi precedida pelo insurgência na Chechênia de 1940-1944[1] [2] [3] sendo autorizada em 23 de Fevereiro 1944 pelo chefe da NKVD Lavrentiy Beria após aprovação pelo Primeiro-ministro soviético Joseph Stalin, como parte do programa forçado de transferência da população Soviética que afetou vários milhões de membros das minorias étnicas não-russas entre as décadas de 1930 e 1950.

A deportação abrangeu suas nações inteiras, mais de 500 mil pessoas, bem como o desaparecimento completo da República Autónoma Socialista Soviética da Checheno-Inguchétia. Dezenas (ou possivelmente centenas) de milhares de chechenos e ingushes morreram ou foram mortos durante a coleta, transporte, e em seus primeiros anos no exílio. Os sobreviventes não foram autorizados a regressar às suas terras nativas até 1957. Em 2004, o Parlamento Europeu, de acordo com a Convenções de Haia (1899 e 1907), e a Convenção sobre a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio da Assembléia Geral das Nações Unidas (aprovada em 1948), classificou esta deportação forçada como um ato de genocídio.[4]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Durante a II Guerra Mundial, apesar do fato de que cerca de 40 mil chechenos e inguches lutarem no Exército Vermelho, tendo 50 deles recebido como reconhecimento a medalha Herói da União Soviética, o governo soviético acusou-os de colaborar com os invasores nazistas, que tinham controlado as partes ocidentais da Chechênia e Inguchétia durante vários meses do inverno de 1942/1943. Entre 1940 e 1943 alguns grupos de guerrilha se rebelaram contra o sistema soviético, sendo o período-chave da guerrilha chechena os meses de agosto e setembro de 1942, quando as tropas alemãs se aproximaram da Inguchétia, e terminou no verão-outono de 1943, com a contra-ofensiva soviética que expulsou a Wehrmacht do norte do Cáucaso.[5]

Vários autores argumentam sobre os laços dos chechenos com os alemães.[6] [7] [8] citando que apesar de tirem contatos com os alemães, havia profundas diferenças ideológicas entre os chechenos e os nazistas (os primeiros procurando a autodeterminação contra o imperialismo).[9]

A operação (Aardakh)[editar | editar código-fonte]

Sob as ordens de Lavrentiy Beria, chefe da NKVD, toda a população de origem Chechénia e da Inguchétia vivendo na "República Socialista Soviética Autónoma da Chechénia-Inguchétia" seriam deportados por trens de carga para áreas remotas da União Soviética. A operação foi chamada de "Chechevitsa".[10] A operação é referida pelos chechenos frequentemente como "Aardakh" (Êxodo). Alexander Yakovlev argumentou que a expulsão da população era uma parte do programa de Stalin projetado para a supressão das rebeliões na União Soviética. Em outubro de 1943, um grupo de oficiais do NKVD liderados por Bogdan Kobulov foi enviado para a Chechênia para preparar o material para a justificação das repressões. Em novembro, eles enviaram uma carta a Beria alegando que "existem 38 grupos religiosos na Chechênia com a adesão de pelo menos 20 mil pessoas, que realizavam trabalhos anti-soviético, ajudavam os alemães e procuravam criar uma resistência armada ao poder Soviético.[11] Beria ordenou então para preparar a operação. A República da Checheno-Inguchétia nunca fora ocupada pelo exército alemão, portanto as repressões foram oficialmente justificadas como "uma resistência armada ao poder soviético".[5] [12]

A operação foi iniciada em 13 de outubro de 1943, quando cerca de 120 mil homens foram transferidos para a Checheno-Inguchétia, supostamente para reparar pontes. Em 23 de fevereiro 1944 (no Dia do Exército Vermelho), toda a população foi convocada para prédios locais do Partido, onde foram informados de que iriam ser deportados como punição por sua suposta colaboração com os alemães. Os habitantes foram transferidos para trens com vagões não aquecidos,[13] [14] sendo que cerca de 40% a 50% dos deportados eram crianças.[15]

Muitas vezes, devido a resistência a deportação houve matança, e em um desses casos, em Khaibakh, cerca de 700 pessoas foram trancadas em um celeiro e queimado até a morte pelo NKVD de Geral Gveshiani, que foi elogiado por isso sendo-lhe prometida uma medalha por Beria. Muitas pessoas de aldeias remotas foram executados por ordem verbal de Beria de que qualquer checheno ou Inguchétia considerado "untransportable deveria ser liquidados" no local.[16]

Em todo o Norte do Cáucaso, cerca de 700.000 pessoas foram deportadas (de acordo com Dalkhat Ediev, 724.297,[17] dos quais a maioria, 479.478, foram chechenos, junto com 96.327 Inguchétia, 104.146 Kalmyks, 39.407 balcares e 71.869 Karachays).

Muitos morreram no caminho, e o ambiente extremamente duras do exílio, especialmente considerando o frio e a escasses de alimentos, matou muitos outros. A NKVD, fornecendo a perspectiva russa, dá a estatística de 144.704 pessoas mortas nos anos de 1.944 a 1.948 (uma taxa de 23,5% de mortes), embora isto é rejeitado por muitos autores como Tony Wood, John Dunlop, Moshe Gammer e outros como um eufemismo.[18] As estimativas das mortes somente dos chechenos variam de cerca 170.000 a 200.000,[19] [20] [21] [22] ou seja mais de um terço do total da população chechena.

Consequencias[editar | editar código-fonte]

A Checheno-Inguchétia foi dissolvida e transformada no Oblast de Grozny, que incluiu também o Distrito Kizlyarsky e Naursky Raion, e partes dela foram dadas a Ossétia do Norte (parte do distrito Prigorodny), a Geórgia e ao Daguestão. A maior parte da habitação vazia foi dada a refugiados de guerra da frente ocidental.[23] Os nomes de nações reprimidas foram totalmente apagados de todos os livros e enciclopédias.[16] Os nomes das localidades em checheno e Inguchétia foram substituídos por outros russos; mesquitas e cemitérios foram destruídos, e uma campanha maciça queimou inúmeros históricos linguagem Nakh livros e manuscritos na linguagem Nakh.[24] [25] Muitas famílias foram divididas e não autorizadas a se reunirem, mesmo quando eles descobriam onde seus parentes estavam.[23] . Muitas lápides, juntamente com praticamente toda escrita medieval, em árabe e georgiano, sobre as terras e os povos da Chechênia e da Inguchétia, da biblioteca de Vainakh foram destruidos.[26]

O retorno[editar | editar código-fonte]

Em 1957, quatro anos após a morte de Stalin, em 1953, o Conselho de Ministros da União Soviética, aprovou um decreto permitindo que as nações reprimidas de viajar livremente na União Soviética. Muitos exilados chechenos aproveitaram esta oportunidade para regressar à sua terra ancestral. Chechenos e da Inguchétia já estava voltando para sua terra natal na casa das dezenas de milhares de pessoas para um par de anos antes do anúncio, a taxa de retorno aumentou exponencialmente após a denúncia de Stalin por Khrushchev em 1956. Em 1959, quase todos os chechenos e inguches tinha retornado.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Avtorkhanov. Chechens and Ingush. pagina 183
  2. Wood, Tony. Chechnya: The Case for Independence.p.36
  3. Gammer. Lone Wolf and Bear. Paginas 161-165
  4. Chechnya: European Parliament recognises the genocide of the Chechen People in 1944
  5. a b "The Soviet War against ‘Fifth Columnists’: The Case of Chechnya, 1942–4" de Jeffrey Burds, p.16, 26
  6. Avtorkhanov. Chechens and Ingush. p.183
  7. Wood, Tony. Chechnya: The Case for Independence.pagina 36
  8. Gammer. Lone Wolf and Bear. Paginas 161-165
  9. Avtorkhanov. Chechens and Ingush. Pagina 183.
  10. Wood, Tony. Chechnya:The Case for Independence. Paginas 32-39
  11. Alexander Nikolaevich Yakovlev Time of darkness, Moscow, 2003, ISBN 5-85646-097-9, paginas 205-206 (em russo: Яковлев А. Сумерки. Москва: Материк 2003 г.
  12. Execute everyone who can not be transported (Russian) Novaya Gazeta
  13. Dunlop, Russia Confronts Chechnya, p.65
  14. Gammer, The Lone Wolf and the Bear, p.170
  15. Dunlop, John B.. Russia confronts Chechnya: roots of a separatist conflict. [S.l.]: Cambridge University Press, 1998. 67 pp. ISBN 978-0-521-63619-3
  16. a b "The Soviet War against ‘Fifth Columnists’: The Case of Chechnya, 1942–4" by Jeffrey Burds, p.39
  17. Ediev, Dalkhat. Demograficheskie poteri deportirovannykh narodov SSSR, Stavropol 2003, Table 109, p.302
  18. Wood, Tony. Chechnya: the Case for Independence. paginas 37-38
  19. Nekrich, Punished Peoples
  20. Dunlop. Russia Confronts Chechnya, pp 62-70
  21. Gammer. Lone Wolf and the Bear, pp.166-171
  22. Soviet Transit, Camp, and Deportation Death Rates
  23. a b Дешериев Ю. Жизнь во мгле и борьбе: О трагедии репрессированных народов.ISBN 5-86020-238-5
  24. Gammer, The Lone Wolf and the Bear, p.182
  25. Jaimoukha. Chechens. p.212
  26. Derluguyan, Georgi. Bourdieu's Secret Admirer in the Caucasus. [S.l.]: University of Chicago Press, 2005. 244–5 pp. ISBN 978-0-226-14283-8