Operação Mongoose

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Memorando mencionando a Operação Mongoose

A Operação Mongoose ("Operação Mangusto") foi o nome dado por John Kennedy, no dia 4 de novembro de 1961, durante uma reunião do SGA - Special Group Augmented, a uma operação secreta do governo norte-americano. A Operação Mongoose tinha como objetivo subverter e sabotar o governo de Cuba. Robert F. Kennedy, que ocupava o cargo de Attorney General ("Procurador-Geral"), decidiu nomear o General Edward Lansdale (membro do comitê presidencial de assistência militar) para chefiar essa operação 1

Já em setembro de 1960 Allen W. Dulles, o então diretor da CIA, entabulara negociações com Johnny Roselli e Sam Giancana, dois dos mais poderosos chefes da Máfia nos Estados Unidos, para assassinar Fidel Castro. Subsequentemente Carlos Marcello, Santos Trafficante e Meyer Lansky também se envolveram nesses planos.

Após o fracasso da Baía dos Porcos, o presidente John F. Kennedy criou um comitê encarregado de derrubar o governo de Fidel Castro - que se chamava SGA - Special Group Augmented - e que tinha como chairman Robert F. Kennedy e incluía Allen W. Dulles (diretor da CIA), depois substuído por John McCone, Alexis Johnson (Departamento de Estado), McGeorge Bundy (Conselheiro de Segurança Nacional), Roswell Gilpatric (Departamento de Defesa), General Lyman Lemnitzer (Chefe do Estado Maior) e o General Maxwell Taylor. Embora oficialmente não fossem membros da SGA, Dean Rusk (Secretrário de Estado) e Robert S. McNamara (Secretário da Defesa) também participavam das reuniões.

O posto da CIA em Miami serviu de quartel general para a Operação Mongoose. O chefe desse posto da CIA era Ted Shackley que logo se envolveu numa série de tentativas para derrubar Fidel Castro, no que teve auxílio de William Harvey, o chefe da força-tarefa 1 .

Sidney Gotlieb, da Divisão de Serviços Técnicos da CIA, ficou encarregado de encontrar maneiras de solapar a popularidade de Fidel Castro. Seus planos incluiam pulverizar um spray alucinógeno num estúdio de televisão em que Fidel apareceria e contaminar seus sapatos com tálio radioativo, o que eles acreditavam faria cair seus cabelos e sua barba.

Em 7 de abril de 1964 a SGA pôs fim, oficialmente, às operações de sabotagem contra Cuba. John McCone, então diretor da CIA, declarou que o presidente Lyndon B. Johnson teria abandonado os planos de derrubar ou "eliminar" Fidel Castro.


2014 Sabotagem usando redes sociais em Cuba[editar | editar código-fonte]

Em 3 de abril de 2014, a Associated Press revelou a atividade de sabotagem executada em Cuba a partir de 2009, executada atraves da USAID que organizou e participou ativamente em uma operação secreta americana para derrubar o governo de Cuba, com a criação de uma rede Twitter2 falsa visando provocar uma "Primavera Cuban". O programa foi financiado pelo governo dos EUA e criou uma rede semelhante ao Twitter, mas falsa, com o objetivo de criar uma comoção e incitar uma revolta popular levando a queda do governo cubano.3 O programa, chamado de ZunZuneo, também armazena dados dos assinantes cubanos e informações demográficas, incluindo seu gênero, idade, receptividade e tendências políticas.4

O nome ZunZuneo se relacionada ao nome do pássaro colibri em Cuba - o zunzún. O projeto foi iniciado em 2009, depois da prisão do americano Alan Gross, que executava missão clandestina da USAID em Cuba e foi condenado à prisão quando foi descoberto.5

Os usuários não sabiam que o projeto foi criado por uma agência dos EUA ligada ao Departamento de Estado, nem que os americanos coletaram informações pessoais sobre eles para que esses dados fossem usados para fins políticos.

Os organizadores do ZunZuneo criaram uma rede que pareceria negócio legítimo. Criaram um portal de internet, e uma campanha, de maneira que os usuários pudessem se inscrever e enviar suas próprias mensagens de texto a grupos de sua escolha.

A USAID e seus contratantes tentaram esconder que o projeto tinha ligações diretas com Washington. Para tal, criaram uma rede de empresas de fachada com sede em Espanha e contas bancárias nas Ilhas Cayman, na tentativa de esconder as transações financeiras e recrutaram executivos de empresas privadas para fazer parte da fachada do projeto, de forma que não ficasse claro que o projeto foi financiado com o dinheiro dos contribuintes americanos e estava sendo executado pela USAID.6

"Não será mencionada a participação do governo dos Estados Unidos", disse um relatório da empresa Mobile Acord, uma das empresas que colaborou com o programa como contratadas. "É absolutamente crucial para o êxito a longo prazo do serviço e para garantir o cumprimento da missão." No Peru, entre 1995 e 2000, a USAID foi acusada, juntamente com a UNFPA, de apoiar financeiramente um programa de esterilização forçada, implementado durante o governo de Alberto Fujimori. Segundo o Ministério da Saúde do Peru, nesse período 331.600 mulheres e 25.590 homens foram esterilizados.7 8 9

A revelação do programa veio confirmar afirmações anteriores de Raúl Castro que em janeiro de 2014, havia afirmado haviam tentativas contra de introduzir o capitalismo neocolonial em Cuba.10

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b KESSLER, Ronald. Inside the CIA. Pocket, 1 de fevereiro de 1994 ISBN 978-0-671-73458-9
  2. [1] O "Twittwerr Cubano" - Apenas uma gota em um imenso mar (em inglês) - The Intercept]
  3. Jornal O Globo: [2] EUA criaram Twitter falso para estimular dissidência em Cuba - 3 de abril de 2014 - Jornal O Globo]
  4. PARAÍBA.com.br: EUA confirmam projeto de 'Twitter cubano' e presidente pede respeito internacional | PARAÍBA.com.br
  5. RTP: EUA criaram “twitter cubano” para desestabilizar regime de Castro - Mundo - Notícias - RTP
  6. Gazeta do Povo: EUA planejaram rede social para estimular "Primavera Cubana" - Mundo - Gazeta do Povo
  7. USAID Supported Fujimori Sterilization Campaign; Seeks to Cover-Up Involvement
  8. Informe final Eesterlizaciones masivas en Perú
  9. From Anti-Natalist to Ultra-Conservative: Restricting Reproductive Choice in Peru, por Anna-Britt Coe.
  10. Plano anticubano dos Estados Unidos corrobora denúncia de Raúl Castro: Noticias de Prensa Latina - Plano anticubano dos Estados Unidos corrobora denúncia de Raúl Castro

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

  • [3] Snowden: ‘Guia de Treinamento’ do GCHQ - Slides da apresentacao sobre taticas e objetivos do Grupo Misto de Inteligência para Pesquisa de Ameaça formado pelo GCHQ, NSA e demais membros dos Cinco Olhos.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Cuba é um esboço relacionado ao Projeto América Central. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.