Operação das Nações Unidas na Somália II

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Operação das Nações Unidas na Somália II (UNOSOM II) foi a segunda fase da intervenção das Nações Unidas na Somália, de março de 1993 até março de 1995.

Um soldado americano em Mogadíscio (janeiro 1994).

A UNOSOM II foi criada em março de 1993 para tomar as medidas adequadas, incluindo medidas de execução, em todo o país para estabelecer um ambiente seguro para a assistência humanitária. Para isso, a UNOSOM II foi criada para concluir, por meio do desarmamento e da reconciliação, a tarefa realizada pela Força Tarefa Unificada para a restauração da paz, estabilidade, lei e ordem. [1]

Foi a primeira operação de paz das Nações Unidas na qual teve sob seu comando 5.000 soldados dos Estados Unidos, dentre o total de 28.000 soldados vindos de tropas de outras 24 nações da ONU, incluindo o Paquistão (sancionada pelas Nações Unidas).

A Unified Task Force (UNITAF), que por sua vez foi retomada da missão ineficaz anterior, a Operação das Nações Unidas na Somália I (UNOSOM I). Todas essas três intervenções foram destinadas a criar um ambiente seguro o suficiente para as operações de ajuda humanitária a ser realizado em um países atingido cada vez mais pela anarquia e pela fome.

A intervenção da UNOSOM II é bem conhecida pela Batalha de Mogadíscio e os acontecimentos resultantes retratados no livro "Black Hawk Down: A Story of Modern War", e no filme associado "Black Hawk Down".

Quando de sua conclusão, esta operação custara à ONU US$ 2 bilhões, além de US$ 1,2 bilhão gastos pelos Estados Unidos, resultando em enorme fracasso, pois deixou um caos maior do que antes existira na Somália.


Referências