Optoeletrônica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde setembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A optoeletrônica (português brasileiro) ou optoeletrónica (português europeu) (AO 1945: optoelectrónica) é o estudo e aplicação de aparelhos eletrônicos que fornecem, detectam e controlam luz. O uso militar da optoeletrônica é usualmente referido como optrônica (português brasileiro) ou optrónica (português europeu).

A optoeletrônica é normalmente considerada um sub-campo da fotônica. Nesse contexto, luz frequentemente inclui formas invisíveis de radiação como raios gama, raios-X, ultravioleta e infra-vermelho, em adição à luz visível. Aparelhos optoeletrônicos são transdutores elétrico para ótico ou ótico para elétrico, ou instrumentos que usam tais aparelhos em sua operação. Eletro-óptica é frequentemente usada incorretamente como sinônimo, mas é, de fato, um braço mais abrangente da física que lida com todas interações entre luz e campos elétricos, quer eles formem ou não parte de um aparelho eletrônico.

A optoeletrônica é baseada em efeitos quânticos da luz em materiais semicondutores, às vezes na presença de campos elétricos.

Pesquisas recentes[editar | editar código-fonte]

Quase toda a microeletrônica atual é baseada no silício. Entretanto, este semicondutor apresenta propriedades ópticas muito pobres. O desenvolvimento de tecnologias de comunicação e computação baseadas na luz (fotônica) trouxe a necessidade de melhorar a interface entre a microeletrônica e dispositivos ópticos como as fibras ópticas e os lasers. Uma das principais fronteiras nessa área é a busca de novos materiais baseados no silício (combinações de silício com outros elementos). [1] Um dos mais promissores é o beta-dissiliceto de ferro (β-FeSi2)[2] , por ter propriedades eletrônicas não muito distantes da do silício (gap de energia de cerca de 0,87 eV[2] , enquanto o do silício é de 1,11 eV [3] ) e propriedades ópticas adequadas às necessidades da optoeletrônica atual (o β-FeSi2 emite luz com comprimento de onda de cerca de 1,5 μm, adequado para a transmissão por fibras ópticas[1] ).

Referências

  1. a b Leong, D.; Harry, M.; Reeson, K. J.; e Homewood, K. P.. (1997). "A silicon/iron-disilicide light-emitting diode operating at a wavelength of 1.5 μm.". Nature 387 p. 696.
  2. a b Wetzig, Klaus; Schneider, Claus Michael. Metal based thin films for electronics (em en). 2 ed. [S.l.]: Wiley-VCH, 2006. p. 64. ISBN 3-527-40650-6 Página visitada em 30/09/2011.
  3. Streetman, Ben G.; Banerjee, Sanjay. Solid State electronic Devices (em en). 5 ed. New Jersey, EUA: Prentice Hall, 2000. p. 524. ISBN 0-13-025538-6

Veja também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]