Ordem da Fênix

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde agosto de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Emblem-question.svg
o texto, sem fontes, não passa de um "sumário de enredo", o que vai contra WP:RDI. Pode pode conter texto de natureza não enciclopédica.
Justifique o uso dessa marcação e tente resolver essas questões na página de discussão.
Editor, considere adicionar a data dessa marcação. Isso pode ser feito automaticamente substituindo essa predefinição por {{subst:não enc}}.
Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

A Ordem da Fênix faz parte da história da série de ficção Harry Potter, criada pela inglesa J. K. Rowling. A Ordem foi criada por Dumbledore e foi introduzida no quinto livro da série, Harry Potter e a Ordem da Fênix.

História[editar | editar código-fonte]

A Ordem da Fênix é uma organização fundada por Alvo Dumbledore para enfrentar Lord Voldemort e seus seguidores, os Comensais da Morte. A escolha do nome nunca foi explicada nos livros, mas está provavelmente relacionada a Dumbledore, pois ele tem uma fênix de estimação, a Fawkes, e seu patrono é uma fênix.

A organização é formada por um grupo de poderosos bruxos que andam trabalhando a todo vapor para que os planos de Voldemort não se concretizem e impedir que ele reorganize um exército com Comensais da Morte, gigantes, dementadores, inferis e outros animais mágicos e seres das trevas.(Fawkes é a fênix que deu origem a pena das varinhas de Harry e Voldemort).

Criação e propósito[editar | editar código-fonte]

A Ordem se uniu para derrotar Voldemort durante a Primeira Guerra Bruxa, que terminou quando Harry ainda era bebê. Com o fim da guerra, devido ao desaparecimento de Voldemort, a Ordem se dissolveu.

Quando Voldemort retornou, em Harry Potter e o Cálice de Fogo, a Ordem foi reunida rapidamente por Dumbledore, que mandou Sirius Black em forma de cão para alertar membros como Arabella Figg, Mundungo Fletcher, e Remo Lupin para o novo perigo.

Após a reconstituição da Ordem, o quartel-general foi montado no Largo Grimmauld, a casa da família de Sirius Black. Dumbledore foi o Fiel do Segredo para a localização da sede, o que significa que o local só poderia ser revelado a alguém pelo próprio Dumbledore. Após a morte de Albus, os membros da Ordem se tornaram fiéis do segredo, incluindo Harry, Ron e Hermione, que acabaram revelando a localização da casa sem querer à Yaxley, numa aparatação acompanhada forçada pelo Comensal.

Relações com o Ministério[editar | editar código-fonte]

Embora Dumbledore e os membros originais da Ordem, já esperassem o retorno de Lord Voldemort, os membros do Ministério da Magia, especialmente o ministro, Cornélio Fudge, não acreditava nisso. Fudge preferiu acreditar que Dumbledore estava espalhando boatos, como forma de diminuir sua autoridade como Ministro da Magia. Anos atrás Dumbledore tinha sido muito pressionado para aceitar o cargo de ministro mas, ele queria permanecer em Hogwarts. Nos primeiros anos de Fudge na posição, ele bombardeava Dumbledore constantemente pedindo conselhos. Tudo isso criou em Fudge uma paranóia, o medo de que Dumbledore quisesse usurpar seu poder e seu cargo. Ele também acusou Dumbledore de estar gagá, muito velho, para fazer com que a comunidade bruxa não se desesperasse com o retorno de Voldemort.

O Ministério forçou o jornal dos bruxos, O Profeta Diário, a se manter calado e não apresentar jamais Dumbledore ou Harry Potter sob uma ótica favorável. A Ordem foi forçada a trabalhar nas sombras. Os esforços do Ministros foram efetivos – a maioria do mundo mágico acreditou que ambos, Dumbledore e Harry, eram mentirosos. Voldemort e seus comensais da morte puderam manter seu trabalho em segredo por quase um ano inteiro, enquanto a maioria dos bruxos se recusava a admitir que ele tinha voltado.

Porém, Dumbledore foi vingado quando Lord Voldemort finalmente foi visto por vários bruxos dentro do próprio Ministério da Magia. Fudge então, teve que admitir que Dumbledore estava certo o tempo todo. Por causa de sua enorme falha, de não prevenir os ataques e as mortes cometidas por Voldemort, Fudge foi substituído por Rufo Scrimgeour como Ministro da Magia no sexto livro.

Papel nos livros[editar | editar código-fonte]

Até agora, a Ordem tem sido o maior núcleo de resistência contra Voldemort. Seus membros – agindo mesmo informalmente ou como parte da Ordem – têm sido responsáveis por proteger Harry durante a sua vida inteira. A AD (com seis estudantes de Hogwarts, fundado por Harry) derrotaram Lord Voldemort e seus comensais da morte no Departamento de Mistérios no quinto livro e foram vítimas do ataque dos comensais no sexto livro. A Ordem tem grande destaque na vitória da Batalha de Hogwarts sobre Voldemort, tendo dois de seus membros (Kingsley e McGonagall) duelado contra Você-Sabe-Quem. Após o fim da guerra, a Ordem se dissolveu, tendo concluido seu objetivo.

Membros[editar | editar código-fonte]

Nome e razão de não pertencerem mais à Ordem[editar | editar código-fonte]

Aliados à Ordem[editar | editar código-fonte]

Pessoas que oficialmente não fazem parte da Ordem, mas lutaram ao lado deles em diversas batalhas contra Voldemort e os Comensais da Morte.