Ordem de São Jerónimo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ordem de São Jerónimo
Escudo da Ordem de São Jerónimo (Monges Jerónimos)
(O.S.H.)
Fundação Meados do século XIV
Tipo Ordem religiosa de clausura monástica
Sede Orden de San Jerónimo
Monasterio de Santa María del Parral
Subida al Parral, 2
40003 - Segovia, España
Fundador São Jerónimo
Sítio oficial www3.planalfa.es/msmparral/

A Ordem de São Jerónimo (Latim: Ordo Sancti Hieronymi), (sigla O.S.H.) é uma ordem religiosa católica de clausura monástica e de orientação puramente contemplativa surgida no século XIV. Fundada por São Jerónimo, foi aprovada no ano de 1373 pelo Papa Gregório XI que residia na época em Avinhão. É uma ordem religiosa exclusivamente hispânica, dado que apenas se implantou em Espanha e em Portugal, e esteve bastante vinculada às monarquias reinantes de ambos os países.

Prescrevendo uma vida de solidão e silêncio, de oração assídua e penitência animosa, a Ordem de São Jerónimo procura levar os seus monges e monjas à união mística com Deus, consciente de quanto mais intensa for essa união, por sua própria doação na vida monástica, tanto mais esplêndida se faz a vida da Igreja e mais vigorosamente se fecunda o seu apostolado. A vida do monge jerónimo é pautada pelo equilíbrio entre a oração e o trabalho.

História[editar | editar código-fonte]

No século IV surgiram diversos grupos de homens em Espanha que, motivados pelo exemplo de vida e santidade de São Jerónimo, decidiram-se a procurar levar uma vida de maior perfeição cristã. Deste seu desejo de reformas, numa época profundamente conturbada e decadente, surgiu a Ordem de São Jerónimo e, em pouco tempo, por toda a Península Ibérica surgiram varões que decidiram abraçar a vida eremítica, buscando imitar o exemplo de São Jerónimo. Dentre eles destacaram-se Pedro Fernandez Pecha e Fernando Yañez de Figueiroa que, após vários anos de experiência religiosa eremítica, concluíram ser melhor a vida comunitária cenobítica, com a adopção de uma regra.

Foi a 18 de Outubro de 1373 que o Papa Gregório XI, na época residente em Avinhão, atribuiu a este grupo de homens a erecção canónica com o nome de Irmãos de São Jerónimo e outorgou-lhes a Regra de Santo Agostinho. Desde então, buscaram aqueles homens estabelecer um monacato regular, o que foi alcançado em 1415, com a união da ordem religiosa, quando já possuíam vinte e cinco mosteiros.

No século XIX, a Ordem já possuía quarenta e oito mosteiros e cerca de mil monges, quando advindo a Revolução Liberal, os religiosos se viram obrigados a abandonar seus mosteiros, sendo que alguns se arruinaram, outros foram passados a outras ordens religiosas da Igreja, e outros ainda reduzidos ao uso leigo. Em 1925 foi expedido pela Santa Sé um Rescrito de restauração, que se iniciou pelo Mosteiro de Santa Maria del Parral, em Segóvia. Com a proclamação da República Espanhola, em 1931 surgiram muitos obstáculos ao processo de restauração, o que se complicou ainda mais com Guerra Civil Espanhola, entre 1936 e 1939. Apenas após o Governo Geral de 1969 é que se pode efectivar definitivamente a restauração da ordem religiosa.

A par dos monges, existem também as monjas jerónimas, o ramo feminino da Ordem, mulheres virtuosas que seguem as mesmas regras, a exemplo de Santa Paula e Santa Eustóquia, que seguiram espiritualmente São Jerónimo. O ramo feminino desta ordem religiosa surgiu em Toledo, onde se destacaram Dona Maria Garcia e Dona Mayor Gomes, orientadas por Frei Pedro Fernandez Pecha, em 1374, com a fundação do Mosteiro da Santa Maria de la Sisla. Deste mosteiro nasceu a fundação do Mosteiro de São Paulo, das “Beatas de São Jerónimo”, do qual se propagaram diversas fundações na Espanha.

Na actualidade, em Espanha, existe um mosteiro masculino e dezassete mosteiros femininos da Ordem de São Jerónimo.

Hábito religioso[editar | editar código-fonte]

O hábito religioso dos religiosos da Ordem de São Jerónimo é branco e inclui o escapulário castanho.

Os religiosos da Ordem de São Jerónimo (tanto os monjes, como as monjas) adoptaram como hábito religioso um hábito branco sobre o qual envergam o escapulário de cor castanha (igual ao Escapulário de Nossa Senhora do Carmo utilizado pelos religiosos carmelitas) e um capuz da mesma cor.

Espiritualidade[editar | editar código-fonte]

A Ordem de São Jerónimo é uma ordem religiosa de carisma contemplativo inspirada na vida de São Jerónimo como modelo para imitar Jesus Cristo no seu caminho de perfeição. A jornada do monge jerónimo é composta da seguinte maneira: a manhã é dedicada ao trabalho, a tarde é dedicada a exercícios próprios da vida contemplativa e intelectual (oração, leitura, estudo, etc.) e, no decurso do próprio dia, santificando cada hora, os monges celebram cantando a Liturgia das Horas e participam na Missa conventual reunidos em comunidade.

A Ordem de São Jerónimo tem ainda determinado, desde a sua fundação, o ser pequena, humilde, escondida e recolhida; levar seus filhos por um caminho estreito, procurando dentro das paredes conventuais assegurar a saúde de todas as almas a si confiadas; dedicar-se continuamente aos louvores divinos como reparação dos pecados que, um pouco por todo o Mundo, se cometem, e, para alcançar isso, os seus religiosos oram, cantam e choram, procurando servir a Igreja e apaziguar a ira de Deus.

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Foi à Ordem de São Jerónimo que o Rei D. Manuel I de Portugal ofereceu o célebre Mosteiro de Santa Maria de Belém (mais conhecido como Mosteiro dos Jerónimos), devotamente dedicado a Nossa Senhora. Estes monges já dispunham de alguns edifícios em Portugal, nomeadamente o Convento dos Frades Jerónimos que é, segundo alguns autores, o Mosteiro das Berlengas. Os monges teriam como funções, entre outras, rezar pela alma do rei e prestar assistência espiritual aos mareantes e navegadores que da praia do Restelo partiam para descoberta de outros mundos. Durante quatro séculos essa comunidade religiosa habitou nestes espaços, mas em 1833 foi dissolvida e o lugar desocupado. O Mosteiro dos Jerónimos passou a integrar os bens do Estado e o espaço conventual foi destinado ao colégio dos alunos da Casa Pia de Lisboa, instituição de solidariedade social destinada especialmente ao apoio a crianças, que aí permaneceram até cerca de 1940.

Presença da Ordem de São Jerónimo[editar | editar código-fonte]

Actuais comunidades religiosas da Ordem[editar | editar código-fonte]

Comunidades masculinas (monges de clausura)[editar | editar código-fonte]

  • Mosteiro de Santa Maria del Parral (Segóvia, Espanha) – Fundado em 1447

Comunidades femininas (monjas de clausura)[editar | editar código-fonte]

Santoral da Ordem de São Jerónimo[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SANTOS, Cândido Dias dos, Os Jerónimos em Portugal: das origens aos fins do século XVII, Instituto Nacional de Investigação Científica: Centro de História da Universidade do Porto, 1980. - 367 p.: gráficos, mapas, sumários ; 23 cm. - (Textos de História; 3)
  • SANTOS, Cândido Dias dos, Os Monges de São Jerónimo em Portugal na Época do Renascimento, Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1984. - 165 p.; 20x12 cm. - (Biblioteca Breve. Série História ; 90)
  • STUDIA HIERONYMIANA, 6º Centenário da Ordem de São Jerónimo. - Madrid: [s.n.], 1973. - 2 vol.; 25 cm, ISBN 84-400-6746-1
  • São Jerónimo no Mosteiro de Belém / Coord. Isabel Cruz Almeida. - Lisboa: Instituto Português do Património Cultural: Mosteiro dos Jerónimos, 1997. - 20 p., 36 postais: il.; 22x13 cm, ISBN 972-8087-43-8J
  • Regras para os Padres da Congregação da Ordem de São Jerónimo. - 174 pp. - Encontra-se na Casa Pia com a cota B-6-56
  • CARVALHO, José Adriano de F., Nas Origens dos Jerónimos na Península Ibérica: do Franciscanismo … Ordem de São Jerónimo - o Itinerário de Fr. Vasco de Portugal, in: Revista da Faculdade de Letras. 2ª Série. - Vol. 1

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Catolicismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.