Ordinariato pessoal para anglicanos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Um ordinariato pessoal para anglicanos é uma estrutura canónica da Igreja Católica destinada ao acolhimento de ex-anglicanos convertidos ao catolicismo que queriam manter a sua identidade e um certo grau de autonomia em relação aos bispos diocesanos. A sua criação tinha também por objectivo integrar estes ex-anglicanos "de forma a manter vivas no interior da Igreja Católica as tradições espirituais, litúrgicas e pastorais da Comunhão Anglicana, como dom precioso para alimentar a fé dos seus membros e riqueza a partilhar", desde que estas tradições fossem aprovadas pela Santa Sé [1] . A sua natureza está descrita com maior precisão na Constituição Apostólica Anglicanorum Coetibus, de 4 de Novembro de 2009 [2] e nas normas complementares da mesma data [3] .

Embora com as suas especificidades próprias, estes ordinariatos pessoais pertencem canonicamente à Igreja Católica Latina, uma das 23 Igrejas autónomas sui juris da Igreja Católica.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

A Constituição Apostólica Anglicanorum Coetibus é a resposta do Vaticano para as preocupações e pedidos vindos de dentro da Igreja Católica, particularmente das paróquias de Uso Anglicano; das Igrejas anglicanas que estão fora da Comunhão Anglicana, especialmente a Comunhão Anglicana Tradicional; e dos sectores anglo-católicos dentro da Comunhão Anglicana (nomeadamente do movimento Forward in Faith).

O que pode ter trazido o assunto à tona foi o pedido formal que, em Outubro de 2007, a Comunhão Anglicana Tradicional (CAT) apresentou à Santa Sé, para uma união plena na forma corporativa (ou seja, como uma identidade jurídica, e não apenas como indivíduos) com a Igreja Católica.[4] Este agrupamento mundial, sob um único primaz, de Igrejas de tradição anglicana, mas fora da comunhão com o Arcebispo de Canterbury, foi fundada em 1991. A CAT separou-se do resto da Comunhão Anglicana porque ela tinha uma opinião diferente em diversas questões divergentes, nomeadamente a ordenação sacerdotal de mulheres, as revisões litúrgicas, a liberalização de certos aspectos da moral, a homossexualidade e a importância da Tradição.[5] Nestas questões, a CAT defendia posições semelhantes às da Igreja Católica. Em resposta, no dia 5 de Julho de 2008, o Cardeal William Levada deu uma garantia escrita de que a Congregação para a Doutrina da Fé ia dar uma atenção séria à perspectiva de "unidade corporativa" suscitada no pedido de adesão do CAT.[6]

As paróquias católicas de Uso Anglicano já existiam desde o início de 1980, em conformidade com a Provisão Pastoral emitida pelo Papa João Paulo II, a pedido da Conferência episcopal dos Estados Unidos da América. Esta provisão permitia a criação de paróquias que celebram a liturgia segundo a tradição anglicana e que eram servidas por clérigos casados. Estes sacerdotes eram antigos padres anglicanos que, ao converterem-se ao catolicismo, foram ordenados na Igreja Católica. Mas, ao contrário dos ordinariatos pessoais, os católicos de Uso Anglicano são sujeitos ao governo dos bispos diocesanos.[7]

Natureza dos ordinariatos[editar | editar código-fonte]

Os ordinariatos pessoais "são erigidos pela Congregação para a Doutrina da Fé dentro dos confins territoriais de uma determinada Conferência Episcopal, depois de ter consultado a própria Conferência".[8] Os ordinariatos têm uma "personalidade jurídica pública" e são "juridicamente assimilados a uma diocese", sendo constituídos por "fiéis leigos, clérigos e membros de Institutos de Vida Consagrada ou de Sociedades de Vida Apostólica, originariamente pertencentes à Comunhão Anglicana e agora em plena comunhão com a Igreja Católica, ou que recebem os Sacramentos da Iniciação na jurisdição do próprio Ordinariato".[9]

Em relação à liturgia, o "Ordinariato tem a faculdade de celebrar a Eucaristia e os outros Sacramentos, a Liturgia das Horas e as outras acções litúrgicas segundo os livros litúrgicos próprios da tradição anglicana aprovados pela Santa Sé, de forma a manter vivas no interior da Igreja Católica as tradições espirituais, litúrgicas e pastorais da Comunhão Anglicana, como dom precioso para alimentar a fé dos seus membros e riqueza a partilhar". Mas, além da tradição anglicana, os ordinariatos podem e devem celebrar "as celebrações litúrgicas segundo o Rito Romano".[1]

"Um Ordinariato Pessoal é confiado ao cuidado pastoral de um Ordinário nomeado pelo Romano Pontífice" [10] , que "pode ser um bispo ou um presbítero" seleccionado "com base num terno [de nomes] apresentado pelo Conselho de governo" do respectivo ordinariato.[11] O Ordinário, que "é membro da respectiva Conferência Episcopal" [12] , "deve manter estreitos vínculos de comunhão com o Bispo da Diocese na qual o Ordinariato está presente para coordenar a sua acção pastoral com o plano pastoral da Diocese".[13]

O Ordinário, "depois de ter ouvido o parecer do Bispo diocesano do lugar, pode, com o consentimento da Santa Sé, erigir paróquias pessoais".[14] Ele "deve ir de cinco em cinco anos a Roma para a visita ad limina Apostolorum e através da Congregação para a Doutrina da Fé, em relação também com a Congregação para os Bispos e a Congregação para a Evangelização dos Povos, deve apresentar ao Romano Pontífice um relatório sobre o estado do Ordinariato".[15]

Institutos religiosos anglicanos[editar | editar código-fonte]

A Constituição Apostólica fornece um enquadramento jurídico dentro do qual as comunidades religiosas anglicanas podem aderir à Igreja Católica como um grupo próprio: os "Institutos de Vida Consagrada provenientes do Anglicanismo e agora em plena comunhão com a Igreja Católica por mútuo consentimento podem ser submetidos à jurisdição do Ordinário".[16]

Ex-clérigos anglicanos casados e regras sobre o celibato[editar | editar código-fonte]

Devido à bula papal Apostolicae Curae (1896), a Igreja Católica, como não reconhece a validade das ordenações na Comunhão Anglicana, requer que os clérigos anglicanos, casados ou solteiros, que desejam servir como sacerdotes na Igreja Católica, se ordenem outra vez sacerdote na Igreja Católica: "todos aqueles que exerceram o ministério de diáconos, presbíteros ou bispos anglicanos [...] podem ser aceites pelo Ordinariato como candidatos às Ordens Sagradas na Igreja Católica".[17]

Tendo também "em consideração a tradição e experiência eclesial anglicana", e com base nas "necessidades do Ordinariato" e em critérios objectivos estabelecidos pelo Ordinário em consulta com as conferências episcopais e aprovados pela Santa Sé, o Ordinário pode também "dirigir petição ao Romano Pontífice, em derrogação ao cân. 277, 1, de admitir caso por caso à Ordem Sagrada do presbiterado também homens casados". Mas, a regra geral é que o ordinariato admita apenas homens celibatários, por causa da "disciplina sobre o celibato clerical na Igreja Latina".[18] [19]

Normas para ex-bispos anglicanos[editar | editar código-fonte]

Nenhum homem casado pode ser ordenado bispo, mas esta regra da tradição católica indica que um Ordinariato correspondente a uma ex-diocese anglicana poderia continuar a ser liderada pelo mesmo ex-bispo anglicano casado, mas não como um bispo católico, mas sim apenas como um presbítero (ou padre).[20] Como líder do novo ordinariato, ele é um membro pleno da Conferência Episcopal, independentemente do grau da Ordem à qual ele é ordenado.

Qualquer ex-bispo anglicano "que pertence ao Ordinariato pode ser convidado para participar nos encontros da Conferência dos Bispos do respectivo território, do mesmo modo que um bispo-emérito".[21] Um ex-bispo anglicano "que pertence ao Ordinariato e que não foi ordenado bispo na Igreja Católica" (o quer quer dizer que ele, na maior parte dos casos, é casado), "pode pedir à Santa Sé a autorização para usar as insígnias episcopais".[22]

Diferenças com as Igrejas Orientais Católicas[editar | editar código-fonte]

Embora os ordinariatos pessoais possam preservar os elementos da sua herança anglicana, eles não constituem uma Igreja autónoma sui juris, porque eles são canonicamente pertencentes à Igreja Latina e, portanto, são diferentes das Igrejas Orientais Católicas, que são Igrejas autónomas sui juris.

Enquanto que os homens casados só podem ser excepcionalmente ordenados sacerdotes nos ordinariatos pessoais (cada caso precisa de ser analisado pela Santa Sé como excepção à regra disciplinar da Igreja Latina), as Igrejas orientais podem ordenar livremente homens já casados para o sacerdócio, não precisando de nenhuma autorização expressa da Santa Sé.

Aceitação por grupos anglicanos[editar | editar código-fonte]

Após a publicação da Constituição Apostólica Anglicanorum Coetibus, muitos grupos anglicanos pediram à Congregação para a Doutrina da Fé para serem transformados em ordinariatos pessoais:

  • No dia 3 de Março de 2010, em Orlando, Flórida, os oito membros da Câmara dos Bispos da Igreja Anglicana nos Estados Unidos (um ramo da Comunhão Anglicana Tradicional) votaram por unanimidade para se tornarem parte da Igreja Católica, juntamente com 3000 fiéis em 120 paróquias de quatro dioceses norte-americanas.[23] Na sequência da votação, estes bispos anglicanos e as paróquias de Uso Anglicano enviaram uma petição conjunta à Congregação para a Doutrina da Fé, solicitando a criação de um ordinariato pessoal nos Estados Unidos da América. Nesta petição, eles fizeram algumas sugestões sobre como isso pode ser feito.[24]
  • No dia 12 de Março de 2010, a Igreja Católica Anglicana do Canadá (um outro ramo da Comunhão Anglicana Tradicional) solicitou formalmente a instituição de um ordinariato pessoal no Canadá.[25]
  • A Igreja Anglicana Católica na Austrália (uma província eclesiástica da Comunhão Anglicana Tradicional), juntamente com a Forward in Faith na Austrália (um movimento que reúne anglo-católicos que estão na Comunhão Anglicana), solicitaram em conjunto a criação de um ordinariato pessoal na Austrália.[26]
  • A Igreja do Estreito de Torres, outra província eclesiástica da Comunhão Anglicana Tradicional na Austrália que cobre o Queensland Setentrional e o Estreito de Torres, também pediu para ser um ordinariato pessoal separado.[27]
  • A Igreja Anglicana Tradicional (a província eclesiástica da Comunhão Anglicana Tradicional que cobre a Inglaterra, a Escócia e o País de Gales), também pediu para ser um ordinariato pessoal.[28]

Ordinariato Pessoal Our Lady of Walsingham[editar | editar código-fonte]

Ordinariatus Personalis Nostrae Dominae Walsinghamensis

De acordo com a Constituição Apostólica Anglicanorum Coetibus, do Papa Bento XVI, e após cuidadosa e estudada consulta à Conferência Episcopal da Inglaterra e País de Gales, a Congregação para a Doutrina da Fé erigiu a 15 de janeiro de 2011 o primeiro ordinariato. O Decreto de Ereção especifica o nome de Personal Ordinariate of Our Lady of Walsingham (Ordinariato Pessoal de Nossa Senhora de Walsingham) e o coloca sob a proteção do Beato John Henry Newman[29] , que foi um cardeal convertido ao catolicismo, um grande expoente do Movimento de Oxford e beatificado por Bento XVI em sua visita à Inglaterra no final de 2010.

No mesmo dia, Bento XVI nomeou o Pe. Keith Newton primeiro Ordinário. Aos 17 de março do mesmo ano, o ordinário foi elevado a Monsenhor Protonotário Apostólico[30] e os demais membros do Conselho de governo, os presbíteros John Broadhurst e Andrew Burnham, a Monsenhores prelados de honra. Somente o Ordinário recebeu o privilégio previsto para ex-bispos anglicanos de usar as insígnias episcopais, como mitra, báculo, cruz peitoral etc.

Recebida na Igreja Católica na mesma Missa Crismal que os três supracitados padres e suas respectivas esposas, a Society of Saint Margaret in Walsingham[31] (Sociedade de Santa Margarida em Walsingham) é a primeira Comunidade de Vida Religiosa do Ordinariato. Fundada pelo ministro anglicano John Mason Neale, a Sociedade teve seu carisma fortemente marcado pelo Movimento de Oxford. Sua espiritualidade, conforme o site oficial do ordinariato[32] , é de "adoração diária, vida comunitária e recitação do Ofício Divino em coro, além da devoção ao Santo Nome de Jesus [cuja festa litúrgica se celebra no dia 2 de janeiro)] e serviço ao necessitado, em especial, os peregrinos da jornada espiritual em busca do Senhor".

Em matéria de 28 de dezembro de 2011, o periódico The Daily Telegraph[33] afirma que só no primeiro ano, 60 clérigos e cerca de mil fiéis leigos entraram na Igreja Católica através do Ordinariato Nossa Senhora de Walsingham; e mais 20 clérigos e 200 leigos são esperados para o ano de 2012.

Ordinariato Pessoal the Chair of Saint Peter[editar | editar código-fonte]

Ordinariatus Personalis Cathedrae Sancti Petri

Na Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus do Ano do Senhor de 2012, o Papa Bento XVI erigiu o segundo ordinariato pessoal para ex-anglicanos em todo o orbe católico e primeiro dos Estados Unidos da América, país que fora beneficiado com a Provisão Pastoral do beato João Paulo II. Seu nome, Personal Ordinariate of the Chair of Saint Peter (Ordinariato Pessoal da Cátedra de São Pedro), faz não sutil referência ao Primado Petrino. No mesmo ato de ereção, Sua Santidade nomeu o Padre Jeffrey Steenson primeiro ordinário e estabeleceu Nossa Senhora de Walsingham como padroeira, o que associa também simbolicamente o Ordinariato americano a seu congênere britânico.

Diferente do Ordinariato inglês, o estadunidense já nasce incipientemente estruturado, constando de :

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b PAPA BENTO XVI (2009). Anglicanorum Coetibus (III) (em português) Santa Sé. Visitado em 4 de Outubro de 2010.
  2. PAPA BENTO XVI (2009). Anglicanorum Coetibus (em português) Santa Sé. Visitado em 4 de Outubro de 2010.
  3. Normas Complementares à Constituição Apostólica Anglicanorum coetibus (em português) Santa Sé (2009). Visitado em 4 de Outubro de 2010.
  4. Scott P. Richert Differences between Anglicanism and Roman Catholicism
  5. Anglican Catholic Church of Canada
  6. Facsimile of Cardinal Levada's letter
  7. Ver o artigo The Pastoral Provision for Roman Catholics in the U.S.A. do Reverendo Jack D. Barker no site Catholic Church of Saint Mary the Virgin, Arlington, Texas.
  8. PAPA BENTO XVI (2009). Anglicanorum Coetibus (I, 1) (em português) Santa Sé. Visitado em 4 de Outubro de 2010.
  9. PAPA BENTO XVI (2009). Anglicanorum Coetibus (I, 3-4) (em português) Santa Sé. Visitado em 4 de Outubro de 2010.
  10. PAPA BENTO XVI (2009). Anglicanorum Coetibus (IV) (em português) Santa Sé. Visitado em 4 de Outubro de 2010.
  11. Normas Complementares à Constituição Apostólica Anglicanorum coetibus (Artigo 4; n. 1) (em português) Santa Sé (2009). Visitado em 4 de Outubro de 2010.
  12. Normas Complementares à Constituição Apostólica Anglicanorum coetibus (Artigo 2; n. 2) (em português) Santa Sé (2009). Visitado em 4 de Outubro de 2010.
  13. Normas Complementares à Constituição Apostólica Anglicanorum coetibus (Artigo 3) (em português) Santa Sé (2009). Visitado em 4 de Outubro de 2010.
  14. PAPA BENTO XVI (2009). Anglicanorum Coetibus (VIII, 1) (em português) Santa Sé. Visitado em 4 de Outubro de 2010.
  15. PAPA BENTO XVI (2009). Anglicanorum Coetibus (XI) (em português) Santa Sé. Visitado em 4 de Outubro de 2010.
  16. PAPA BENTO XVI (2009). Anglicanorum Coetibus (VII) (em português) Santa Sé. Visitado em 4 de Outubro de 2010.
  17. PAPA BENTO XVI (2009). Anglicanorum Coetibus (VI, 1) (em português) Santa Sé. Visitado em 4 de Outubro de 2010.
  18. PAPA BENTO XVI (2009). Anglicanorum Coetibus (VI, 2) (em português) Santa Sé. Visitado em 4 de Outubro de 2010.
  19. Normas Complementares à Constituição Apostólica Anglicanorum coetibus (Artigo 6; n. 1) (em português) Santa Sé (2009). Visitado em 4 de Outubro de 2010.
  20. Normas Complementares à Constituição Apostólica Anglicanorum coetibus (Artigo 11; n. 1) (em português) Santa Sé (2009). Visitado em 5 de Outubro de 2010.
  21. Normas Complementares à Constituição Apostólica Anglicanorum coetibus (Artigo 11; n. 3) (em português) Santa Sé (2009). Visitado em 5 de Outubro de 2010.
  22. Normas Complementares à Constituição Apostólica Anglicanorum coetibus (Artigo 11; n. 4) (em português) Santa Sé (2009). Visitado em 5 de Outubro de 2010.
  23. Weatherbe, Steve (14 March 2010). Anglo-Catholic Bishops Vote for Rome National Catholic Register. Visitado em 8 March 2010.
  24. http://www.theanglocatholic.com/2010/04/text-of-joint-acaanglican-use-petition-for-usa-ordinariate/ Text of Joint ACA/Anglican Use Petition for USA Ordinariate
  25. The petition to the Congregation for the Doctrine of the Faith
  26. [1]
  27. [2]
  28. [3]
  29. Ereção do Ordinariato
  30. Sobre o Ordinário
  31. Comunidade religiosa
  32. Comunidade religiosa
  33. Esperados mais centenas de defecções da Igreja da Inglaterra
  34. Paróquias Pessoais da Provisão Pastoral