Ordoliberalismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Ordoliberalismo, também chamado ordoliberalismo alemão, é uma escola de pensamento econômico do liberalismo, que enfatiza a necessidade do Estado assegurar a correção das imperfeições dos livre-mercados para permitir que se aproximem dos níveis de eficiência segundo o seu potencial teórico.

É uma doutrina econômica adotada principalmente na Alemanha do pós-guerra, que se autodenomina de "terceira via" entre o socialismo e o capitalismo.

Foi criada por economistas e juristas alemães como Wilhelm Röpke, Walter Eucken, Franz Böhm, Hans Großmann-Doerth, Alfred Müller-Armack e Alexander Rüstow juntamente com a Escola de Friburgo, entre 1930 e 1950. Os ideais ordoliberais, com algumas modificações, inspiraram a criação da economia social de mercado na Alemanha do pós segunda guerra mundial e o consequente Wirtschaftswunder ("milagre econômico", em alemão), sendo considerada a variante alemã do Neoliberalismo, com algumas diferenças importantes.

Existem três pontos fundamentais no conceito ordoliberal:

  1. criar uma "ordem" (ordo) que evite as falhas dos mercados, dificultando o abuso de poder econômico;
  2. organizar a economia com mercados eficientes e competitivos;
  3. assegurar uma "ordem" forte para uma economia justa numa economia social de mercado.

Diferenciação linguística[editar | editar código-fonte]

No início, alguns ordoliberals se chamavam "neoliberais" para diferenciarem-se do liberalismo clássico. No entanto, nomeadamente Walter Eucken e Franz Böhm, fundador da Ordoliberalism e da Escola de Friburgo,[1] sempre rejeitaram o termo neoliberalismo.[2]

Teoria[editar | editar código-fonte]

A teoria Ordoliberal defende que o Estado deve criar um ambiente legal adequado para a economia e manter um nível saudável de concorrência através de medidas que aderem aos princípios do mercado. Este é o fundamento de sua legitimidade.[3] A preocupação é que, se o Estado não tomar medidas ativas para fomentar a concorrência, surgirão empresas com o monopólio (ou oligopólio), que não só irá subverter as vantagens oferecidas pela economia de mercado mas também, eventualmente, prejudicar governo, uma vez que um forte poder econômico pode ser transformado em poder político.[4]

A ideia Ordoliberal de uma economia social de mercado é muitas vezes vista como uma alternativa progressista além da esquerda e direita.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Nils Goldschmidt. Wirtschaft, Politik und Freiheit: Freiburger Wirtschaftswissenschaftler und der Widerstand. [S.l.]: Mohr Siebeck, 2005. ISBN 978-3-16-148520-6 Página visitada em 24 de fevereirode 2015. p. 315
  2. Lüder Gerken. Walter Eucken und sein Werk: Rückblick auf den Vordenker der sozialen Marktwirtschaft. [S.l.]: Mohr Siebeck, 1 de janeiro de 2000. ISBN 978-3-16-147503-0 Página visitada em 24 de fevereirode 2015. p. 37
  3. Megay, Edward N.. (1970). "Anti-Pluralist Liberalism: The German Neoliberals". Political Science Quarterly 85 (3): 422–442. Political Science Quarterly, Vol. 85, No. 3. DOI:10.2307/2147878.
  4. Massimiliano, Vatiero. (2010). "The Ordoliberal notion of market power: an institutionalist reassessment". European Competition Journal 6 (3): 689–707. DOI:10.5235/ecj.v6n3.689.


Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.