Ordoliberalismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Ordoliberalismo, também chamado ordoliberalismo alemão, é uma escola de pensamento econômico do liberalismo, que enfatiza a necessidade do Estado assegurar a correção das imperfeições dos livre-mercados para permitir que se aproximem dos níveis de eficiência segundo o seu potencial teórico.

É uma doutrina econômica adotada principalmente na Alemanha do pós-guerra, que se autodenomina de "terceira via" entre o socialismo e o capitalismo.

Foi criada por economistas e juristas alemães como Wilhelm Röpke, Walter Eucken, Franz Böhm, Hans Großmann-Doerth, Alfred Müller-Armack e Alexander Rüstow juntamente com a Escola de Friburgo, entre 1930 e 1950. Os ideais ordoliberais, com algumas modificações, inspiraram a criação da economia social de mercado na Alemanha do pós segunda guerra mundial e o consequente Wirtschaftswunder ("milagre econômico", em alemão), sendo considerada a variante alemã do Neoliberalismo, com algumas diferenças importantes.

Existem três pontos fundamentais no conceito ordoliberal:

  1. criar uma "ordem" (ordo) que evite as falhas dos mercados, dificultando o abuso de poder econômico;
  2. organizar a economia com mercados eficientes e competitivos;
  3. assegurar uma "ordem" forte para uma economia justa numa economia social de mercado.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.