Orquestra Imperial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Orquestra Imperial
Informação geral
Origem Rio de Janeiro
País Brasil
Gênero(s) big band

bolero
bossa nova
carnival
chanson
gafieira
jazz
lounge
pós-tropicalia
rock n roll
salsa
samba
waltz
world music

Período em atividade 2002 - atualmente
Gravadora(s) Ping Pong / Som Livre
Página oficial www.orquestraimperial.net
Integrantes
Bartolo

Berna Ceppas
Bidu Cordeiro
Bodão
Domenico
Felipe Pinaud
Kassin
Leo Monteiro
Mauro Zacharias
Max Sette
Moreno Veloso
Nelson Jacobina
Nina Becker
Pedro Sá
Rodrigo Amarante
Rubinho Jacobina
Stephane San Juan
Thalma de Freitas
Wilson das Neves

Ex-integrantes
Seu Jorge

Orquestra Imperial é uma Big Band brasileira, formada em 2002. Com o objetivo de formar uma orquestra típica de gafieira, o grupo reúne de nomes notáveis da cena pop carioca, como Rodrigo Amarante (do grupo Los Hermanos), Moreno Veloso, Domenico e Kassin (Do projeto +2), Nina Becker, Thalma de Freitas (Atriz da Rede Globo), Rubinho Jacobina (irmão de Nelson Jacobina, parceiro de Jorge Mautner) a já experientes músicos como o compositor da Império Serrano, cantor de samba e baterista Wilson Das Neves. A orquestra conta ainda com: Berna Ceppas, Rodrigo Bartolo (que toca com o Duplexx), Pedro Sá (guitarrista de Caetano Veloso, baixista no +2), Bidu Cordeiro (que acompanha o Paralamas do Sucesso, Reggae B e 3B Rio). Outro parceiro nas apresentações vem sendo o DJ Marlboro, que ganhou o título de "DJ oficial da Orquestra Imperial".

História[editar | editar código-fonte]

Inicialmente um projeto para um show na extinta casa de shows Ballroom, do Rio de Janeiro, a Orquestra Imperial foi montada por Berna Ceppas e Kassin e contava ainda com Seu Jorge. Com o tempo, novos integrantes, por meio dos próprios shows iniciais da Orquestra, como Nina Becker, foram sendo adicionadas à banda. O repertório consistia em pérolas do samba e covers inusitados, como Vem Fazer Glu-glu, originalmente cantada pelo apresentador Sérgio Mallandro, e Owner of a Lonely Heart, do grupo de rock progressivo Yes. Composições inéditas, como Artista é o Caralho, de Rubinho Jacobina e Gomalina, de Max Sette, foram também sendo incluídas no repertório. Há, também, ocasionalmente, a presença de um convidado no palco. Já participaram Ed Motta, Marcelo Camelo, Fernanda Abreu, Andreas Kisser, Elza Soares, dentre outros. Uma das causas do sucesso da Orquestra foi a presença de Rodrigo Amarante, guitarrista e vocalista da banda Los Hermanos, que começou a levar aos shows os fãs da banda a qual pertencia e, assim, popularizar a Orquestra no cenário alternativo. Em 2006, foi lançado um EP, homônimo, com três regravações e um tema instrumental: Me Deixa Em Paz, Obsessão, Popcorn e Sem Compromisso. No mesmo ano, o primeiro disco, Carnaval Só No Ano Que Vem, foi gravado e distribuído pela gravadora Som Livre. O trabalho conta com repertório inédito, assinado pelos integrantes da Orquestra. Ainda em 2006, aconteceu a estréia internacional, em Portugal, no Festival do Sudoeste, nos EUA, na Universidade de Montclair, em Nova Jersey e em Chicago. Participaram também da exposição sobre o Tropicalismo, no Barbican Centre, em Londres.

Em 2007, com produção do produtor musical Mario Caldato Jr. (Beastie Boys, Marisa Monte, Marcelo D2) e os imperiais Berna Ceppas e Kassin, lançaram EP com quatro músicas no formato SMD, lançado também na Europa pelo selo Totolo. Excursionaram por alguns dos melhores festivais europeus como Roskilde (Dinamarca) e La Mar de la Musica (Cartagena, Espanha). Neste mesmo ano ganharam o Premio APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) como Melhor Grupo e indicados a Melhor CD categoria MPB ao Prêmio TIM.

Em 2008 bateram recorde de público na Virada Cultural Paulistana, tocando para mais de 40 mil pessoas na Avenida São João.

Em 2009 voltaram para mais uma grande turnê européia com shows em Londres, festivais em Portugal e Itália, e, de volta ao Brasil, produziram e interpretaram um grande espetáculo: GAINSBOURG IMPERIAL com o maestro francês Jean-Claude Vannier e a ex-exposa e musa do compositor Serge Gainsbourg, Jane Birkin. O show virou um especial de TV produzido pela TV SESC e concorreu a prêmios em festivais na França. Esse espetáculo ganhou o Premio Bravo! de Melhor Show do Brasil de 2009.

No dia 20 de maio de 2011, a Orquestra realizou outro grande baile popular, desta vez na Virada Cultural Carioca 2011, no palco Circo Voador no Arpoador.

A big band hoje conta com 18 músicos, com idades, formação e estilos musicais diferentes. Uma coisa todos tem em comum: estão prioritariamente ligados a outros projetos musicais de sucesso. Componentes: Thalma de Freitas - voz, Nina Becker - voz, Moreno Veloso - percussão e voz , Wilson das Neves - voz e percussões, Nelson Jacobina - guitarra e violão, Bartolo - guitarra, Pedro Sá - guitarra, Rubinho Jacobina - teclado, Kassin – baixo, Berna Ceppas - sintetizadores e percussão, Duani Martins - voz e cavaquinho, Domenico Lancelotti - bateria, Stephane San Juan - percussão, Leo Monteiro - percussão eletrônica, Felipe Pinaud - flauta e arranjos de sopro, Bidu Cordeiro - trombone, Mauro Zacharias - trombone, Altair Martins - trompete.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • EP - Orquestra Imperial, 2006.
  • CD - Carnaval Só Ano Que Vem, 2007.
  • CD - Fazendo As Pazes Com o Swing, 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Flag of Brazil.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical do Brasil, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.