Orquestra Sinfônica de Saint Louis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Orquestra Sinfônica de Saint Louis é uma orquestra sinfônica americana baseada em St. Louis, Missouri. Fundada em 1880 por Joseph Otten como Sociedade Coral de St. Louis, a orquestra é a segunda orquestra sinfônica mais antiga dos Estados Unidos, precedida apenas pela Filarmônica de Nova Iorque.

História[editar | editar código-fonte]

A Sociedade Coral de St. Louis apresentava-se no auditório da Livraria Mercantil de St Louis[1] . Durante a temporada de 1881/2, os 80 membros do coral foram transformados em uma orquestra de 31 membros. Em 1893 o Coro e Orquestra foram formalmente incorporadas. Ela foi expandida, chegando a ter um coro de 200 membros e uma orquestra com 55 músicos. Sob a direção de Max Zach (1907-1921) a orquestra mudou seu nome de Orquestra Sinfônica e Coral de St. Louis, para Orquestra Sinfônica de Saint Louis.

Antes de mudar-se para o Powell Symphony Hall, a orquestra apresentou-se por muitos anos no Kiel Opera House. A orquestra apresenta concertos regulares no Carnegie Hall e faz turnês para a Europa e Japão. A orquestra gravou para a Columbia, RCA Victor, Red Seal, Telarc, Vox/Turnabout e Angel EMI. A orquestra tem sido a residênte do Teatro de Ópera de Saint Louis desde 1978, interpretando duas óperas por temporada.

O prestígio nacional da orquestra aumentou durante a gestão do Diretor Musical Leonard Slatkin, de 1979 a 1996. Durante esse período, a orquestra fez inúmeras gravações para a EMI e a RCA Victor e fez turnês pela Europa, como concertos no Carnegie Hall. Entretanto o prestígio não a protegeu contra uma crise financeira. Em 2000 a orquestra estava com um déficit de 28 milhões de dólares[2] . O Diretor Executivo e Presidente da Sinfônica revelou os problemas financeiros e no ano seguinte admitiu falência. Don Roth renunciou ao cargo em julho de 2001 e foi sucedido por Randy Adams, um já aposentado executivo de banco de St. Louis. Ele propôs que os salários dos músicos fossem diminuídos e que houvesse uma redução na temporada da orquestra, de 52 semanas para 42 semanas.

Em janeiro de 2005, um conflito sobre os salários levassem a orquestra a cancelar dois meses de concertos[3] [4] [5] . A diretoria classificou isso como uma greve ilegal[6] In March 2005, the musicians and Adams agreed to a new contract.[7] [8] [9] , mas em março os músicos e Adams entraram em um novo acordo.

Desde setembro de 2005 o maestro americano David Robertson é o Diretor Musical, tendo sido nomeado ao posto em dezembro de 2003. Em setembro de 2006 ele prolongou seu contrato até 2010. Em novembro de 2009 o contrato foi novamente prolongado, até a temporada de 2011/12[10] .

O posto de Maestro Residente é ocupado por Ward Stare, que começou seus trabalhos na temporada 2008/9.

Diretores Musicais[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Hoover, John Neal. (Fall 1985). "St. Louis Mercantile Library". Journal of Library History 20 (4): 440–443. Visitado em 2008-02-21.
  2. Eddie Silva (1 novembro 2000). Facing the Music Riverfront Times. Visitado em 2007-03-22.
  3. Sarah Bryan Miller (20 janeiro 2005). Symphony strike echoes across US Christian Science Monitor. Visitado em 2007-03-22.
  4. Daniel J. Wakin (4 janeiro 2005). Labor Dispute Halts Music in St. Louis New York Times. Visitado em 2007-12-16.
  5. Daniel J. Wakin (17 fevereiro 2005). The Silence in St. Louis Is Starting to Hurt New York Times. Visitado em 2007-12-16.
  6. Ben Mattison (24 fevereiro 2005). Labor Board Rules St. Louis Symphony Strike Is Illegal Playbill Arts. Visitado em 2007-03-22.
  7. Ben Mattison (25 fevereiro 2005). St. Louis Symphony Management and Musicians Reach Tentative Deal Playbill Arts. Visitado em 2007-03-22.
  8. Ben Mattison (2 março 2005). St. Louis Symphony Musicians Approve New Contract, Ending Two-Month Work Stoppage Playbill Arts. Visitado em 2007-03-22.
  9. Malcolm Gay (24 agosto 2005). Unfinished Symphony Riverfront Time. Visitado em 2007-03-22.
  10. David Mermelstein (2009-11-04). The Conductor Reflects Wall Street Journal. Visitado em 2009-12-01.