Os Dez Mandamentos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2012).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
The Ten Commandments
Os Dez Mandamentos (PT/BR)
 Estados Unidos
1956 • cor • 229 min 
Direção Cecil B. DeMille
Roteiro Eneas McKenzie
Jesse Lasky Jr.
Jack Gariss
Fredric M. Frank

baseado nos livros de:
J.H. Ingraham
A.E. Southom
Dorothy Clarke Wilson
Elenco Charlton Heston
Yul Brynner
Anne Baxter
Yvonne de Carlo
Género Épico
Idioma Inglês
Página no IMDb (em inglês)

The Ten Commandments (Os Dez Mandamentos, no Brasil e em Portugal), é um filme norte-americano de 1956 dirigido por Cecil B. DeMille.

É uma narrativa romanceada da vida de Moisés: desde que foi encontrado no rio Nilo até a chegada à chamada Terra Prometida, passando pela fuga do Egito e a abertura das águas do mar Vermelho.

Logo após concluir O Maior Espetáculo da Terra de 1951, DeMille decidira que seu próximo filme seria o maior e mais grandioso filme já feito[carece de fontes?]. Mesmo tendo dirigido a versão original de Os Dez Mandamentos em 1923, não haveria comparação para a suntuosidade e extravagâncias planejadas para a refilmagem. Mais de 1.200 storyboards foram feitos na pré-produção[carece de fontes?], o script tinha mais de 300 páginas[carece de fontes?], algo inédito para a época e havia mais de 70 personagens (com falas) diferentes[carece de fontes?].

Elenco[editar | editar código-fonte]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Estados Unidos Oscar

Espanha Fotogramas de Plata

Estados Unidos National Board of Review

Estados Unidos National Film Preservation Board

  • Registro de filme nacional: 1999[4]

Indicações[editar | editar código-fonte]

Estados Unidos Oscar

Estados Unidos Golden Globe

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • O diretor Cecil B. DeMille sofreu um ataque cardíaco durante as filmagens de Os Dez Mandamentos. O diretor ficou alguns dias afastados dos sets de filmagens, mas logo retornou ao trabalho, contrariando as ordens dos médicos.
  • O filme não se baseia totalmente na Bíblia. Ele se baseia principalmente em Eusébio de Cesareia e Flávio Josefo, contando, mesmo que a seu modo, a vida de Moisés também em seus primeiros trinta anos. Como se trata de um filme romanceado, muitos fatos foram deturpados. Por exemplo: o Faraó da época de Moisés não recebe nome na Bíblia, enquanto que, no filme, recebe; as crianças hebreias do sexo masculino, na época em que Moisés era recém-nascido, foram atiradas ao Rio Nilo, não mortas à espada; Moisés conheceu diretamente Deus no Monte Horeb, não no Sinai.
  • A primeira escolha de Cecil B. DeMille para interpretar o papel de Moisés em Os Dez Mandamentos foi o ator William Boyd, que terminou recusando o papel e abrindo espaço para a contratação de Charlton Heston.
  • Para criar no filme o efeito da tempestade de areia, o diretor Cecil B. DeMille pediu emprestado Força Aérea Egípcia uma máquina especial, destinada a criar ventanias.
  • O ator H.B. Warner, velho amigo de Cecil B. DeMille, tem em Os Dez Mandamentos seu último papel com falas no cinema. Warner no filme interpreta um senhor de idade que pede para morrer, durante a sequência do êxodo dos hebreus pelo deserto.
  • Inicialmente, o responsável pela música de Os Dez Mandamentos seria Victor Young, que trabalhava com Cecil B. DeMille desde 1940. Entretanto, Young não pôde aceitar o convite para este novo trabalho, devido a motivos de saúde, o que abriu espaço para a contratação de Elmer Bernstein.
  • Os Dez Mandamentos é a refilmagem do filme de mesmo nome lançado em 1923 e dirigido também por Cecil B. DeMille. Além disto, esta 2ª versão do diretor inspirou o longa de animação O Príncipe do Egito, lançado 42 anos depois.
  • Foi o primeiro papel bíblico de Charlton Heston no cinema, e graças a ele o diretor e produtor William Wyler o escolheu para o papel de Judah Ben-Hur, no filme Ben-Hur de 1959.
  • É o último filme de Cecil B. DeMille, apesar de que alguns anos depois fora lançado um filme que contava com sua participação:Corsário sem pátria (The Buccaneer).

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]