Os Monarcas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde setembro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Os Monarcas
Informação geral
Origem Erechim
País  Brasil
Gênero(s) música regionalista gaúcha
Período em atividade 1974 - atualmente
Gravadora(s) Acit
Página oficial http://www.osmonarcas.com.br

Os Monarcas é um conjunto de música regionalista gaúcha, dono de uma das carreiras de maior longevidade da música regional do estado do Rio Grande do Sul, localizado na Região Sul do Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

A criação do grupo ocorreu oficialmente em 1976, mas o grupo começou a ser esboçado em 1967, na cidade de Erechim, quando Gildinho (Nésio Alves Correa), juntamente com seu irmão Chiquito (Francisco Desidério Alves Correa), criaram a dupla Gildinho e Chiquito.

Gildinho no CTG Galpão Campeiro de Erechim, em 19 de setembro de 2011

O começo como dupla[editar | editar código-fonte]

Durante alguns anos Gildinho e Chiquito trabalharam animando pequenos bailes na região do Alto Uruguai, apresentando diariamente, na Rádio Erechim, o programa "Assim canta o Rio Grande", e estudando acordeão na Escola de Belas Artes.

A dupla gravou, em 1969, seu primeiro disco, um compacto duplo, Os Trovadores do Sul, de pouco sucesso na época.

Em 1972 o nome da dupla foi mudado para Os Monarcas, e em 1974 gravaram o álbum Galpão em Festa, seu primeiro LP, com doze canções.

Ainda como dupla, em 1976, gravaram mais um álbum com doze canções, Gaúcho Divertido.

Nasce o conjunto[editar | editar código-fonte]

Em 1976, juntaram-se à dupla os músicos João Argenir dos Santos (guitarra), Luís Carlos Lanfredi (contra-baixo) e Nelson Falkembach (bateria).

Com esta formação de cinco músicos, o grupo gravou, em 1978, o primeiro LP, O Valentão Bombachudo, pela Gravadora Warner/Continental, iniciando uma trajetória de sucessos e reconhecimento ímpar no cenário da música regionalista do sul do Brasil, gravando 26 álbuns em 28 anos de trabalho.

Anos 1980[editar | editar código-fonte]

A década de 1980 rendeu ao conjunto a gravação de seis LPs, sendo gravados, além do pioneiro O Valentão Bombachudo (1978), os álbuns Isto é Rio Grande (1980), Grito de Bravos (1982), Rancho sem Tramela (1985), Chamamento (1986), Fandangueando (1988) e Do Sul para o Brasil (1989).

Em 1988, com a gravação do LP Fandangueando, o grupo recebeu mais um integrante, Ivan Vargas, que permanece no grupo até os dias de hoje como vocalista.

Ao final de pouco mais de uma década de trabalho, o grupo já tinha seu talento reconhecido. O sucesso maior, porém, estava chegando juntamente com os anos 90.

A década de ouro 1990[editar | editar código-fonte]

A década de 1990, que trouxe o efetivo sucesso em termos de vendagem de álbuns, começou com uma mudança na estrutura do conjunto: já em 1990, um dos pioneiros, o acordeonista Chiquito, deixou o grupo para fundar o conjunto Chiquito & Bordoneio. Para o seu lugar, foi chamado o também acordeonista Leonir Vargas, catarinense de Irani, conhecido como Varguinhas.

Em 1991 foi gravado o primeiro grande sucesso de vendas do grupo, o CD Cheiro de Galpão, campeão de vendas no Brasil naquele ano, de todos os álbuns regionais lançados. A vendagem deste álbum rendeu ao grupo, em 1992, o primeiro Disco de Ouro.

O conjunto cresceu no sucesso e no tamanho em 1992, com a chegada de Francisco de Assis Brasil, o Chico Brasil, premiado instrumentista de gaita-ponto.

A conquista do segundo Disco de Ouro veio com a gravação, no outono de 1994, do CD Eu Vim Aqui Para Dançar, um álbum com 14 faixas. Numa seqüência impressionante de sucessos, logo em 1995 foi gravado o CD Rodeio da Vida, apontado pela crítica como melhor disco do ano.

O final da década de 1990 trouxe para o grupo uma importante mudança: em 1999 ocorreu a troca de gravadora, da Chantecler para a ACIT e, já neste ano, foi gravado o primeiro trabalho pela nova gravadora, o CD "Locomotiva Campeira". E foi também no ano de 1999 que o conjunto recebeu um novo integrante, o percussionista Vanclei da Rocha.

Em 2005/2006, em meio ao processo de produção do álbum "Recordando o Tempo Antigo", houve o ingresso do acordeonista e mais jovem integrante do grupo: Tiago Machado.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 1969: Os trovadores do sul
  • 1974: Galpão em festa
  • 1976: Gaúcho divertido
  • 1978: O valentão bombachudo
  • 1980: Isto é Rio Grande
  • 1982: Grito de bravos
  • 1985: Rancho sem tramela
  • 1986: Chamamento
  • 1988: Fandangueando
  • 1989: Do Sul para o Brasil
  • 1990: O melhor de Os Monarcas
  • 1991: Cheiro de galpão
  • 1992: Os Monarcas
  • 1994: Eu vim aqui para dançar
  • 1995: Rodeio da vida
  • 1996: Dose dupla - Volume I
  • 1996: Dose dupla - Volume II
  • 1996: Os sucessos do grupo Os Monarcas
  • 1997: Do Rio Grande antigo
  • 1999: Locomotiva campeira
  • 2000: No tranco dos Monarcas
  • 2001: 30 anos de estrada
  • 2002: A gaita gaúcha dos Monarcas
  • 2003: Alma de pampa
  • 2003: Os 16 grandes sucessos de Os Monarcas
  • 2004: Só sucessos
  • 2005: Série duplo prá você
  • 2005: Os sucessos do grupo Os Monarcas
  • 2006: Recordando o tempo antigo
  • 2007: Os Monarcas 35 Anos - Ao vivo
  • 2006: DVD Os Monarcas 35 Anos
  • 2008: A Marca do Rio Grande
  • 2009: Os Monarcas Interpretam João Alberto Pretto
  • 2011: Cantar é Coisa de Deus

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Flag of Brazil.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical do Brasil, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.