Os Monarcas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde setembro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Os Monarcas
Informação geral
Origem Erechim
País  Brasil
Gênero(s) música regionalista gaúcha
Período em atividade 1974 - atualmente
Gravadora(s) Acit
Página oficial http://www.osmonarcas.com.br

Os Monarcas é um conjunto de música regionalista gaúcha, dono de uma das carreiras de maior longevidade da música regional do estado do Rio Grande do Sul, localizado na Região Sul do Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

A criação do grupo ocorreu oficialmente em 1974, mas o grupo começou a ser esboçado em 1967, na cidade de Erechim, quando Gildinho (Nésio Alves Correa), juntamente com seu irmão Chiquito (Francisco Desidério Alves Correa), criaram a dupla Gildinho e Chiquito.

Gildinho no CTG Galpão Campeiro de Erechim, em 19 de setembro de 2011

O começo como dupla[editar | editar código-fonte]

Durante alguns anos Gildinho e Chiquito trabalharam animando pequenos bailes na região do Alto Uruguai, apresentando diariamente, na Rádio Erechim, o programa "Assim canta o Rio Grande", e estudando acordeão na Escola de Belas Artes.

A dupla gravou, em 1969, seu primeiro disco, um compacto duplo, Os Trovadores do Sul, de pouco sucesso na época.

Ainda como dupla, em 1971, gravaram mais um álbum com doze canções, Gaúcho Divertido.

Em 1972 o nome da dupla foi mudado para Os Monarcas, em 1973 gravaram ainda um terceiro LP,intitulado Galpão em festa,com doze canções.

Nasce o conjunto[editar | editar código-fonte]

Em 1974, juntaram-se à dupla os músicos João Argenir dos Santos (guitarra), Luís Carlos Lanfredi (contra-baixo) e Nelson Falkembach (bateria).

Com esta formação de cinco músicos, o grupo gravou, em 1978, o primeiro LP, O Valentão Bombachudo, pela Gravadora Warner/Continental, iniciando uma trajetória de sucessos e reconhecimento ímpar no cenário da música regionalista do sul do Brasil, gravando 26 álbuns em 28 anos de trabalho.

Anos 1980[editar | editar código-fonte]

A década de 1980 rendeu ao conjunto a gravação de seis LPs, sendo gravados, além do pioneiro O Valentão Bombachudo (1978), os álbuns Isto é Rio Grande (1980), Grito de Bravos (1982), Rancho sem Tramela (1985), Chamamento (1986), Fandangueando (1988) e Do Sul para o Brasil (1989).

Em 1988, com a gravação do LP Fandangueando, o grupo recebeu mais um integrante, Ivan Vargas, que permanece no grupo até os dias de hoje como vocalista.

Ao final de pouco mais de uma década de trabalho, o grupo já tinha seu talento reconhecido. O sucesso maior, porém, estava chegando juntamente com os anos 90.

A década de ouro 1990[editar | editar código-fonte]

A década de 1990, que trouxe o efetivo sucesso em termos de vendagem de álbuns, começou com uma mudança na estrutura do conjunto: já em 1990, um dos pioneiros, o acordeonista Chiquito, deixou o grupo para fundar o conjunto Chiquito & Bordoneio. Para o seu lugar, foi chamado o também acordeonista Leonir Vargas, catarinense de Irani, conhecido como Varguinhas.

Em 1991 foi gravado o primeiro grande sucesso de vendas do grupo, o CD Cheiro de Galpão, campeão de vendas no Brasil naquele ano, de todos os álbuns regionais lançados. A vendagem deste álbum rendeu ao grupo, em 1992, o primeiro Disco de Ouro.

O conjunto cresceu no sucesso e no tamanho em 1992, com a chegada de Francisco de Assis Brasil, o Chico Brasil, premiado instrumentista de gaita-ponto.

A conquista do segundo Disco de Ouro veio com a gravação, no outono de 1994, do CD Eu Vim Aqui Para Dançar, um álbum com 14 faixas. Numa seqüência impressionante de sucessos, logo em 1995 foi gravado o CD Rodeio da Vida, apontado pela crítica como melhor disco do ano.

O final da década de 1990 trouxe para o grupo uma importante mudança: em 1999 ocorreu a troca de gravadora, da Chantecler para a ACIT e, já neste ano, foi gravado o primeiro trabalho pela nova gravadora, o CD "Locomotiva Campeira". E foi também no ano de 1999 que o conjunto recebeu um novo integrante, o percussionista Vanclei da Rocha.

Em 2005/2006, em meio ao processo de produção do álbum "Recordando o Tempo Antigo", houve o ingresso do acordeonista e mais jovem integrante do grupo: Tiago Machado.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 1969: Os trovadores do sul
  • 1971: Gaúcho divertido
  • 1973: Galpão em festa
  • 1978: O valentão bombachudo
  • 1980: Isto é Rio Grande
  • 1982: Grito de bravos
  • 1985: Rancho sem tramela
  • 1986: Chamamento
  • 1988: Fandangueando
  • 1989: Do Sul para o Brasil
  • 1990: O melhor de Os Monarcas
  • 1991: Cheiro de galpão
  • 1992: Os Monarcas
  • 1994: Eu vim aqui para dançar
  • 1995: Rodeio da vida
  • 1996: Dose dupla - Volume I
  • 1996: Dose dupla - Volume II
  • 1996: Os sucessos do grupo Os Monarcas
  • 1997: Do Rio Grande antigo
  • 1999: Locomotiva campeira
  • 2000: No tranco dos Monarcas
  • 2001: 30 anos de estrada
  • 2002: A gaita gaúcha dos Monarcas
  • 2003: Alma de pampa
  • 2003: Os 16 grandes sucessos de Os Monarcas
  • 2004: Só sucessos
  • 2005: Série duplo prá você
  • 2005: Os sucessos do grupo Os Monarcas
  • 2006: Recordando o tempo antigo
  • 2007: Os Monarcas 35 Anos - Ao vivo
  • 2006: DVD Os Monarcas 35 Anos
  • 2008: A Marca do Rio Grande
  • 2009: Os Monarcas Interpretam João Alberto Pretto
  • 2011: Cantar é Coisa de Deus
  • 2012: DVD Os Monarcas 40 anos

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Flag of Brazil.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical do Brasil, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.