Osmar Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Osmar Santos
Osmar Santos em 2010
Nome completo Osmar Aparecido Santos
Nascimento 28 de julho de 1949 (65 anos)
Osvaldo Cruz
Nacionalidade  brasileiro
Ocupação radialista, locutor esportivo

Osmar Aparecido Santos (Osvaldo Cruz, 28 de julho de 1949) é um ex-radialista e locutor esportivo brasileiro. Após um grave acidente de automóvel atua como pintor.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Formado em Educação Física, Administração e Direito[1] , Osmar Santos, também conhecido como "O Pai da Matéria", trabalhou como locutor esportivo nas rádios Jovem Pan, Record e Globo onde continua contratado como um dos diretores da equipe mas sem narrar mais as partidas devido ao grave acidente de automóvel que sofreu em 22 de dezembro de 1994 e que afetou sua fala. Hoje como artista plástico, dedica parte de seu tempo a pinturas sobre telas. Trabalhou também nas redes de televisão Rede Globo, Rede Record e Rede Manchete. Narrou a Copa do Mundo de 1986 pela Rede Globo como primeiro locutor, na companhia de Galvão Bueno (segundo locutor) e Luís Alfredo (terceiro locutor). Narrou para a Rede Manchete a Copa do Mundo de 1990, com comentários de Zagallo.

Foi um dos melhores narradores de futebol do rádio brasileiro. Faziam parte da equipe comandada por Osmar na Rádio Globo, na fase de maior sucesso, Loureiro Júnior e Carlos Aymard (comentaristas), Fausto Silva, Roberto Carmona e Henrique Guilherme (repórteres de campo) e os também narradores Oswaldo Maciel, Oscar Ulysses e Odinei Edson (estes dois últimos, seus irmãos). Juarez Soares também participou da equipe, como apresentador de um programa que falava de futebol e variedades. Com base nessa experiência, Osmar Santos e sua equipe passaram a apresentar o programa de variedades Balancê (que tinha na produção Odir Cunha, com Lucimara Parisi na produção artística).

Osmar Santos teve uma participação importante como locutor dos comícios da campanha política de 1984 pelas Diretas Já.[2] Bastante popular, recebeu proposta para candidatar-se a cargos políticos, mas não aceitou.

Osmar Santos vinha sendo preparado para trabalhar na Rede Globo, onde atuou como narrador de futebol e apresentador, mas quem acabou sendo contratado em 1989 para apresentar o programa dominical da Globo foi seu amigo Fausto Silva. Faustão havia se destacado no programa Perdidos na Noite, produzido pela Rede Record a partir de 1982, e Rede Bandeirantes, a partir de 1986.

Criativo, inovou também quando passou a narrar partidas pela Rede Record. Em alguns momentos a câmera o mostrava na cabine e ele falava diretamente com o telespectador. Também criou bordões que foram tão bem aceitos pelo público, que ecoavam pelos estádios, como o famoso "Parou por quê, por que parou?". Entre suas expressões estão: Ripa na chulipa e pimba na gorduchinha[3] , "Um prá lá, dois prá cá, é fogo no boné do guarda", "Sai daí que o Jacaré te abraça, garotinho", "Rosemiro, o namoradinho da Rachel Welch", "No carocinho do abacate" "ai garotinho", "vai garotinho porque o placar não é seu", em situações de marcação de impedimento soltava "ele estava curtindo amor em terra estranha" e uma das narrações de gol mais marcante do rádio brasileiro, "Tiro-lirolá Tiro-lirolí" "E que GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL". Também foi Osmar Santos quem criou a expressão "Animal", que melhor representou o jogador Edmundo[3] , terminando pelo próprio atleta aceitar a expressão por se tornar a sua marca registrada.

Seu irmão Oscar Ulisses comanda a equipe de esportes da Rádio Globo. Seu outro irmão Odinei Edson narra a Fórmula 1 para a Rádio Bandeirantes. Na Bandeirantes trabalha também o seu primo Ulisses Costa.

Em 1994 sofreu um grave acidente de carro quando viajava de Marília para a cidade de Lins em São Paulo. O acidente causou-lhe sérias sequelas devido aos danos cerebrais que sofreu quando ele foi atingido por um caminhão dirigido por um motorista bêbado.[4] Osmar teve boa recuperação das várias funções, porém sua fala ficou comprometida, sendo capaz de pronunciar mais ou menos cem palavras, impedindo-lhe de continuar trabalhando como narrador. Desde então se dedica à pintura, tendo frequentado por anos o ateliê de Rubens Matuck. [5]

Em sua homenagem foi criado o Troféu Osmar Santos, concedido a cada ano à equipe que termina o primeiro turno do Campeonato Brasileiro de Futebol em primeiro lugar.[6]

Referências

  1. Biografia de Osmar Santos para o Museu da Televisão Brasileira Museu da Televisão Brasileira. Visitado em 25 de fevereiro de 2015.
  2. Vanderson Pimentel (13 de março de 2014). Em homenagem a Osmar Santos, "gorduchinha" é lançada em São Paulo Estadão Esportes. Visitado em 25 de fevereiro de 2015.
  3. a b José Ricardo Leite (1 de março de 2013). Osmar Santos lembra empolgado do “animal” Edmundo e curte óperas e teatro sozinho UOL Esporte. Visitado em 25 de fevereiro de 2015.
  4. Luiz Malavolta; Luís Eduardo Leal; Mauro Tagliaferri (24 de dezembro de 1994). Locutor Osmar Santos sofre acidente no interior de SP Folha de S. Paulo. Visitado em 25 de fevereiro de 2015.
  5. Detalhamento da Biografia do Artista - Osmar Santos Catálogo das artes. Visitado em 25 de fevereiro de 2015.
  6. Troféu Lance Lance Net. Visitado em 25 de fevereiro de 2015.
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Osmar Santos
Ícone de esboço Este artigo sobre um radialista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.