Othon Moacir Garcia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Othon Moacir Garcia[1] (Mendes, 1912Rio de Janeiro, 2002) foi um filólogo, lingüista, ensaísta e crítico literário brasileiro. Othon Garcia se elegeu membro da Academia Brasileira de Filologia (cadeira 21) e da Sociedade Brasileira de Filologia.

Sua principal obra é Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever, aprendendo a pensar, publicada pela Editora FGV. A obra já está em sua 27a edição e, mais do que um manual de estilo, é um instrumento para, a partir do desenvolvimento do raciocínio lógico, o aprimoramento das competências relacionadas à comunicação escrita. Trata-se, parafraseando o autor, de ensinar a escrever, ensinando a pensar. Seu plano divide-se em dez partes, a saber:

  1. Fr. − A frase
  2. Voc. − O vocabulário
  3. Par. − O parágrafo
  4. Com. − Eficácia e falácias da comunicação
  5. Ord. − Pondo ordem no caos
  6. Id. − Como criar idéias
  7. Pl. − Planejamento
  8. Red. Téc. − Redação Técnica
  9. Pr. Or. − Preparação dos originais
  10. Ex. − Exercícios.

A abordagem de Garcia é inovadora, dentre outros aspectos, por subverter a lógica de ensino da análise sintática, atribuindo ao contexto, mais do que à memorização de conjunções, o papel mais relevante na matéria. Ademais, o livro é recorrente nas bibliografias dos principais concursos públicos do Brasil, entre eles, o Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD), do Ministério das Relações Exteriores (MRE), conhecido por seu rigor na avaliação das competências em expressão escrita do candidato.

Othon Moacir Garcia escreveu ainda Esfinge Clara: palavra-puxa-palavra em Carlos Drummond de Andrade.

Referências

  1. Pela grafia original do nome, Othon Moacyr Garcia.