Otite externa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde dezembro de 2009). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Otite externa
Classificação e recursos externos
CID-10 H60
CID-9 380.1-380.2
DiseasesDB 9401
MedlinePlus 000622
eMedicine ped/1688 emerg/350
Star of life caution.svg Aviso médico

Otite externa<3 ou ouvido de nadador é uma inflamação da orelha externa e do canal auditivo. Pode ser causada por infecção, alergia ou doença da derme, embora geralmente seja causada por bactérias e fungos.

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

A otite externa ocorre mais nos meses quentes, quando as pessoas realizam mais atividades na água. Em função disso, nadadores possuem maior chance de terem a inflamação. Até dez por cento das pessoas desenvolvem otite externa alguma vez durante a vida.

Patogênese[editar | editar código-fonte]

A quebra do cume do cerúmen é o primeiro passo na patogênese da otite externa. A inflamação e o edema da pele leva à obstrução das estruturas próximas e prurido. A coceira causa mais lesões. Esta sequência de eventos altera a quantidade e qualidade do cerúmen produzido, migração epitelial e o pH do canal auditivo. A orelha escura, alcalina e úmida se torna um ambiente favorável para o desenvolvimento de microorganismos.

Diversos fatores predispõe o seu desenvolvimento. A limpeza excessiva ou arranhadura agressiva do canal auditivo não somente remove o cerúmen como também cria abrasões na fina camada de pele do canal auditivo, permitindo que organismos obtenham acesso ao tecido profundo. A natação também é um fator de risco para a otite externa.

A principal bactéria causadora é a Pseudomonas aeruginosa. O Staphylococcus aureus também é um importante microorganismo causador da otite externa.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Os sintomas mais comuns são otalgia, prurido, secreção e perda auditiva. A pessoa refere dor quando o trago é empurrado ou quando a orelha é puxada superiormente.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O Tratamento é por corticóides, somente gotas, de uso tópico e antibióticos como neomicina, polimixina B, clorafenicol e ciprofloxacina associado a hidrocortizona. Para pacientes que fazem natação, deve acidificar a pele para prevenir infecção bacteriana. Pode se usar ácido bórico ou salicílico ou acético. Orienta se a secar bem a orelha com a toalha e secador.

Prevenção[editar | editar código-fonte]

Para prevenção o paciente deve se conscientizar que o canal auditivo deve ser seco após a natação ou o banho. O paciente pode utilizar tampões otológicos (Para pessoas que nadem ou permaneçam por muito tempo dentro d´água.) e gotas de álcool (para acelerar a evaporação da água). A pessoa que sofre otite externa deve ser informada sobre a limpeza própria que a orelha possui, ou seja, a pessoa não precisa limpar a orelha, sequer com toalhas, dedos ou hastes flexíveis. Os tampões otológicos devem ser usados com os devidos critérios de adaptação correta e de higiene, pois podem funcionar também, com o descuido, na proliferação da otite.


Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.