Ouvido interno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde agosto de 2014).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde dezembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.
Ouvido interno
Gray923.png
A cóclea e o vestíbulo, vistos de cima.
Latim auris interna
Gray assunto #232 1047
Vascularização artéria labiríntica
MeSH Inner+ear

O ouvido interno é composto pela cóclea e pelo aparato vestibular.

O último osso da cadeia ossicular, o estribo, está acoplado a uma fina membrana chamada de janela oval. A janela oval é na realidade uma entrada para a orelha interna, que contém o órgão da audição, a cóclea. Quando o osso estribo move, a janela oval move com ele. No outro lado da janela oval está a cóclea, um canal em forma de caracol preenchido por líquidos e, quando as vibrações chegam à cóclea provenientes da orelha interna, são transformadas em ondas de compressão que por sua vez ativam o órgão de Corti que é responsável pela transformação das ondas de compressão em impulsos nervosos que são enviados ao cérebro para serem interpretados.

O líquido (endolinfa) é agitado pelos movimentos da janela oval e, dentro da cóclea, o órgão de Corti é formado por milhares de células ciliadas que são colocadas em movimento toda vez que o líquido é movimentado.

A estimulação destas células, por sua vez, causa impulsos elétricos que são enviados para o cérebro. Os impulsos elétricos representam a quarta mudança na mensagem sonora de uma energia para a outra: da energia acústica das ondas sonoras entrando na orelha, para a energia elétrica dos impulsos que viajam para o cérebro.

O ouvido interno também contém um órgão muito importante que está na verdade conectado com a cóclea, mas que não contribui para o nosso sentido da audição, o sistema vestibular, formado por três pequenos canais semicirculares, que nos ajudam a manter o equilíbrio e auxiliar na visão já que as rotações da mesma precisam ser compensadas para que possamos ter uma visão clara sem ser borrada. É através dele que se pode saber, por exemplo, quando se esta com o corpo inclinado mesmo estando de olhos vendados.

Problemas com os canais semicirculares podem resultar em sintomas como a vertigem. A audição é um factor chave na manutenção de trocas intelectuais, mas possivelmente ainda mais importante, a audição supre o pano de fundo auditivo que dá o sentimento de participação e segurança.

Não-humanos[editar | editar código-fonte]

As aves têm um sistema auditivo similar ao dos mamíferos, incluindo um cóclea. Os Répteis, anfíbios e peixes não têm cócleas, mas ouvem com os órgãos auditivos simples ou órgão vestibular, que geralmente detectam sons de frequência mais baixa do que a cóclea.

O sistema coclear[editar | editar código-fonte]

Em répteis, o som é transmitido para o ouvido interno pelo estribo do ouvido médio. Este é pressionado contra a janela oval, uma membrana que cobre a superfície do vestíbulo. A partir daqui, as ondas sonoras são conduzidas através de um duto perilinfático curto para uma segunda abertura, a janela redonda, que equaliza a pressão, permitindo que o fluido incompressível circule livremente. Correndo em paralelo com o ducto perilinfático existe um duto de fim cego separado, a lagena, que se encontra também cheia de endolinfa. A lagena é separada do duto perilinfático por uma membrana basilar, e contém as células sensoriais ciliadas que transmitem as vibrações no fluido em sinais nervosos.