O Pássaro Raro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Pássaro raro)
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{subst:rec}}

O Pássaro Raro (no original em norueguês, Diagnosen og andre noveller, em tradução livre em português, O diagnóstico e outras histórias) é um livro escrito por Jostein Gaarder, o mesmo autor de O mundo de sofia, e publicado 1986.

O livro traz dez histórias que possuem uma única semelhança: pessoas que se dão conta da verdade, que param para pensar no mundo, na sua própria existência, de forma profunda, em dado momento da vida, eis que nesta hora, o Pássaro Raro pousou no seu ombro. Entre cada história existe um pequeno texto, escrito de forma poética, que antecipa e prepara o leitor para o texto, e que pode sempre servir para longas pausas filosóficas. São obras de ficção científica, romances e dramas, entre outros estilos.

O Scanner do tempo[editar | editar código-fonte]

O nosso passado surge diante de nossos olhos, com este invento do homem. Através do Pleroma todo o passado pode ser revisto. A ciência morreu, a história também. O mundo humano foi criando formas de bisbiolhatar seu próprio mundo. Agora este pecado virou uma delícia, não há mais cultura, esta é a única cultura, a única história, é o scanner do tempo.

O Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Até que ponto um problema de saúde nos leva para um encontro inesperado com Buda? A dor trás os pensamentos mais profundos, e antecipa a morte, e faz com que entedamos para que vivemos.

Teobaldo e Teodoro[editar | editar código-fonte]

O que você faria se descobrisse que um personagem toma vida no próprio autor? E o autor pode nem se dar conta disso. E se você descobrisse ser um personagem? Veja o que acontece quando a página 467 é lida.

O Crítico[editar | editar código-fonte]

E se você tivesse que fazer uma resenha jornalística sobre o sol? É interessante imaginar as coisas que podemos fazer quando não esperamos muito delas, inclusive uma resenha sobre o sol.

O Homem Que Não Queria Morrer[editar | editar código-fonte]

Ao saber que vai morrer Johnny Pedersen leva às últimas conseqüências seu desespero. Mas ele vai morrer, de que serviriam punições para algum pequeno "crime" milionário, perto desta descoberta?

Alarme Falso[editar | editar código-fonte]

E se você tivesse a certeza da morte, e rezasse, pedindo a Deus por uma segunda chance? *5* *4* *3* *2* *1*... Você descobre que não morreu, que não passou de um alarme falso, a contagem regressiva para o fim da sua vida.

A Visita do Escritor[editar | editar código-fonte]

Numa pacata cidade, numa festa do solstício de verão, personagens dançam e cantam, mas mal sabem eles que seu criador está do lado deles. Imagine o criador e a criação na mesma história. O escritor entrou no seu próprio mundo, será que ele saiu de Lá?

Ponto de Encontro: Castel Sant'Angelo[editar | editar código-fonte]

Todos nós já presenciamos uma história de amor, mas a de Morten e Ine é impressionante. A despedida nem sempre é adeus, e nem sempre o reencontro é feliz. E tudo isso por causa do correio europeu.

Tosse Perigosa[editar | editar código-fonte]

Quando uma tosse não para, é bom pensar duas vezes antes de comprar um xarope, pois isso pode tornar-se uma obsessão, uma paixão incontrolável, que só na farmácia mais perto pode ser saciada.

[editar | editar código-fonte]

Todos os seres humanos do mundo são obrigados, a cada quatro anos, a escreverem o que quiserem no Catálogo, que é aberto a toda civilização, desta forma para saber o que alguem pensa, é só ir e dar uma lidinha. Afinal, não é ilegal bisbilhotar os outros desta forma, é?