Píleo (chapéu)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde setembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Dióscuro com píleo.
(Roma, Cordonata)

O píleo é um tipo de chapéu cônico usado na Antigüidade, especialmente na Grécia e em Roma, na primeira desde cerca de 350 a.C.[1] , sendo o segundo conhecido por píleo itálico.

Uso e formatos[editar | editar código-fonte]

Modernos píleos religiosos, em Pádua

O píleo simbolizava a condição de liberdade, sendo usada pelas classes menos abastadas, especialmente marinheiros, pescadores e, em geral, pelos trabalhadores braçais.

Freqüentemente tinha sua ponta redobrada, formando uma espécie de aba, um bordo largo, especialmente no itálico. A extremidade do cone tinha o formato arredondado.

Os dióscuros eram geralmente representados com uma estrela sobre a testa e com o píleo (vide imagem acima).

Religião católica[editar | editar código-fonte]

Do píleo deriva um chapéu eclesiástico (zucchetto, em italiano), simbolizando assim a imagem de "pescadores de homens" dos sacerdotes católicos.

Confecção e curiosidades[editar | editar código-fonte]

Eram geralmente feitos de feltro, mas também era comum o píleo feito em couro.

O píleo é o famoso chapéu usado pelo herói Robin Hood, ao qual este adicionou uma pena; simboliza sua opção pela vida junto aos pobres.

Fontes e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Dicionário Enciclopédico Conhecer, vol. 1, Abril Cultural, São Paulo, 1969, pp. 121-124