Pítaco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Maio de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.
Busto de Pítaco, cópia romana de um original grego do fim do período clássico, Louvre.

Pítaco (em grego: Πιττακός, c. 640 a.C. - 568 a.C.) foi um estadista e legislador[1] da Grécia Antiga, um dos Sete Sábios da Grécia. Filho de Hirrádio, era natural de Mitilene, e foi o general (estratego) daquela cidade que liderou seu exército à vitória na batalha contra os atenienses e seu comandante, Frínon. Como consequência desta vitória, os mitilenos dedicaram a Pítaco as mais altas glórias, e lhe concederam o poder supremo. Após dez anos de reinado se afastou voluntariamente do cargo.

Como general e estadista[editar | editar código-fonte]

Quando os atenienses estavam prestes a atacar sua cidade, Pítaco desafiou seu general a um combate único, com a condição de que o resultado daquela batalha decidiria a guerra, evitando assim que mais sangue fosse derramado. O desafio foi aceito, e ele matou seu inimigo com uma espada. Foi então escolhido como soberano da cidade, que governou por dez anos, tempo durante o qual promulgou diversas leis na forma de poesia - uma delas dizia que "um crime cometido por uma pessoa ébria deveria receber uma punição duas vezes mais rigorosa do que se o delinquente estivesse sóbrio." Seu grande lema era: "não faça ao seu vizinho aquilo que você não gostaria ruim que ele fizesse consigo."[2] (A Regra de Ouro).

Alguns autores mencionam que tinha um filho chamado Tirreu. Segundo sua lenda, seu filho teria sido morto e, quando seu assassino foi trazido diante de Pítaco, ele o teria mandado embora, afirmando que "o perdão é melhor que o arrependimento." Já segundo Heráclito o próprio Pítaco teria aprisionado o assassino, porém depois também o soltou, afirmando: "o perdão é melhor que a punição".

Floresceu por volta da 42ª Olimpíada. Viveu mais de setenta anos, e morreu no terceiro ano da 52ª Olimpíada (568 a.C.).

No diálogo Protágoras, de Platão, Pródico chama o dialeto eólico do grego de bárbaro, ao se referir a Pítaco de Mitilene:

"Ele não conseguia distinguir as palavras corretamente, por ser de Lesbos, e ter sido criado com um dialeto bárbaro."

O poeta Alceu de Mitilene teria sido inicialmente um aliado seu, porém eventualmente tornou-se seu inimigo.[carece de fontes?]

Referências

  1. "Pittacus", Oxford Classical Dictionary.
  2. Pítaco, Fragm. 10.3
  • Diógenes Laércio, Vida dos Filósofos Eminentes, Vida de Pítaco, trad. para o inglês por Robert Drew Hicks (1925)
  • H. W. Burton. The History of Norfolk, Virginia. Norfolk, VA: Norfolk Virginian Job Print, 1877. p. 244.
  • Charles Stewart Given. A Fleece of Gold: Five Lessons from the Fable of Jason and the Golden Fleece. Cincinnati, OH: Jennings & Graham, 1905.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pítaco
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Pítaco