Pó (His Dark Materials)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

(também denomindado Sraf, Sombras ou ainda Partículas Rusakov) são partículas fictícias criadas pelo escritor britânico Philip Pullman e utilizadas em sua trilogia His Dark Materials. Elas funcionam como um elemento central na narrativa.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O Pó são minúsculas partículas douradas, que escorrem pelos mundos, e, eventualmente, caem e se fixam em determinado seres vivos, incluindo seres humanos. Embora possam ser vistas por determinadas espécies, como os mulefas, humanos não são capazes de visualizá-las a olho nu, e necessitam de adereços, como a Luneta Âmbar, para observá-las.

Durante a adolescência, nos seres humanos, o Pó começa a se fixar em seus corpos em uma quantidade cada vez maior e, como resultado, seus daemons assumem uma forma fixa. Por causa disso, o Magisterium passou a considerar o Pó como a representação direta do pecado, e no mundo de Lyra, a discussão em torno do tema se tornou um tabu.

Problemática com a Faca Sutil[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Com a criação da Faca Sutil pela Liga da torre Degli Angeli, algumas "janelas" começaram a ser mantidas abertas e com isso, o Pó começou a escorrer dos mundos e se direcionar diretamente ao mundo dos mortos (problema observado por Mary Malone no mundo dos mulefas); porém, com a paixão de Lyra e Will, esse problema foi parcialmente contido.

No final de The Amber Spyglass, a líder dos anjos rebeldes, Xaphania, inicia o fechamento de todas as janelas para conter definitivamente esse problema com o Pó.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Ver também[editar | editar código-fonte]