Polícia Militar de Santa Catarina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de PMSC)
Ir para: navegação, pesquisa
Polícia Militar de Santa Catarina
Brasão PMSC.PNG
Brasão da PMSC
País  Brasil
 Santa Catarina
Subordinação Secretaria Estadual de Segurança
Missão Polícia Militar
Sigla PMSC
Criação 5 de maio de 1835
Marcha Canção da PMSC
História
Guerras/batalhas Guerra dos Farrapos
Guerra do Paraguai
Revolução Federalista
Guerra do Contestado
Revolução de 1924
Revolução de 1930
Revolução de 1932
Sede
Guarnição Florianópolis

A Polícia Militar do Estado de Santa Catarina - PMSC tem por função primordial a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública catarinense, sendo uma das forças militares deste estado brasileiro.

Para fins de organização é uma força auxiliar e reserva do Exército Brasileiro, assim como suas co-irmãs e integra o Sistema de Segurança Pública e Defesa Social brasileiro e está subordinada ao Governo do Estado de Santa Catarina através da Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa do Cidadão (SESSPDC).

Seus integrantes são denominados militares estaduais (artigo 42 da CRFB), assim como os membros do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC).

Histórico[editar | editar código-fonte]

Os primórdios

A Polícia Militar de Santa Catarina foi criada quando o Brasil tinha apenas 13 anos de idade como nação independente e a população de Nossa Senhora do Desterro - hoje Florianópolis - em sua maioria ainda andava descalça ou, no máximo, usava tamancos.

A Força Policial, como se chamava então, embora nascendo numa província muito atrasada em relação a outras do País teve, desde o início, uma importância maior. Afinal, a costa catarinense - principalmente a Ilha de Santa Catarina - era considerada ponto estratégico militar, quando todas as nações tinham interesses dirigidos para a América do Sul.

Essa era, portanto, a situação da Vila de Nossa Senhora do Desterro, quando Feliciano Nunes Pires, presidente da província, criou a Força Policial, em maio de 1835.

A Corporação enfrentou sérias dificuldades já durante os seus primeiros anos. Além do pequeno efetivo e da falta de verbas, a Corporação era obrigada, também, a defender as comunidades próximas dos constantes ataques dos índios e a preservar a segurança do patrimônio dos cidadãos.

A eclosão da Revolução Farroupilha, em Laguna e Lages, exigiu o aumento do contingente, diante da possibilidade muito séria de também a Capital ser invadida pelas tropas gaúchas dos Farrapos. Era o episódio heróico de Anita e Giuseppe Garibaldi visto pelo outro lado - o monarquista.

Em 1860, os relatórios chamavam a atenção para a inexistência de um Quartel para a Força Pública, que tinha a sua apertada sede numa das salas térreas do Palácio do Governo, na praça principal do povoado.

A Guerra contra o Paraguai

Cinco anos depois, o Brasil estava no auge da guerra contra o Paraguai e - como aconteceu em todas as províncias - a de Santa Catarina também forneceu homens para lutar ao lado dos exércitos argentino e uruguaio.

Corria o ano de 1888, quando a Força Policial se viu obrigada a mudar a sua sede. O local escolhido foi o chamado Mato Grosso, no prédio onde funcionou o Liceu Normal Literário e onde está até hoje. Isso, apesar dos gritos da imprensa e dos deputados provínciais, pelo fato da Força Policial estar deixando o centro do povoado e mudando-se para os arrabaldes.

Helicóptero da PMSC em Ilhota

Ao longo de todo esse tempo, a Polícia Militar atravessou vários períodos marcantes, desde a Proclamação da República. Durante as revoluções de 1924 e 1930 - numa tentativa de dificultar a invasão da ilha onde se encontra a capital pelas tropas lideradas por Getúlio Vargas - retirou todas as tábuas do piso da Ponte Hercílio Luz, que liga a ilha ao continente.


Os dias de hoje

Hoje, 175 anos depois, a Polícia Militar é presença em todo o território catarinense, contribuindo, efetivamente, não só para a segurança, como para a preservação da cultura e das tradições de Santa Catarina. É considerada uma corporação modelo, modernizando-se nas ações de prevenção, segurança e proteção à comunidade catarinense.

À violência do mundo moderno, contrapõe com a implantação de uma filosofia envolvente, onde a cidadania é o lema, e a qualidade de vida do povo catarinense a grande meta.

Organizações Policiais Militares[editar | editar código-fonte]

Unidades de policiamento de área

Comando de Polícia Militar Especializada - Florianópolis

Batalhão de Aviação da Políca Militar - BAPM - Florianópolis
Batalhão de Polícia Militar Ambiental - BPMA - Florianópolis
Batalhão de Polícia Militar Rodoviária - BPMRv - Florianópolis
Batalhão de Ajuda Humanitaria - BAH - Florianópolis

Unidades de Apoio Operacional

Batalhão de Operações Policiais Especiais - BOPE - São José
Companhia de Polícia Militar de Policiamento com Cães - Cia PM Pol Cães - São José
Guarnição Especial de Polícia Militar Montada - GEPMMon - São José
Guarnição Especial de Choque - GEChq - Florianópolis

Orgãos de Direção Setorial

Diretoria de Apoio Logístico e Finanças - DALF
Diretoria de Pessoal - DP
Diretoria de Saúde e Promoção Social - DSPS
Diretoria de Tecnologia e Sistemas de Informação - DTSI
Diretoria de Instrução e Ensino

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal
A Wikipédia possui o
Portal da Segurança do Brasil