País do Desejo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
País do Desejo
Pôster oficial do filme.
 Brasil Portugal
2011 • cor • 87 min 
Direção Paulo Caldas
Roteiro Paulo Caldas
Pedro Severien
Amin Steppler
Elenco Fábio Assunção
Maria Padilha
Gabriel Braga Nunes
Gênero Drama
Idioma Português
Direção de fotografia Paulo Jacinto dos Reis
Estúdio Bananeira Filmes
99 Produções
Cena Dois
Fado Filmes
Distribuição California Filmes (Brasil)
Zon Lusomundo (Portugal)
Lançamento 26 de janeiro de 2012 (Portugal)
25 de janeiro de 2013 (Brasil)

País do Desejo é um filme luso-brasileiro[1] de 2011 dirigido por Paulo Caldas. Ele conta a história de um padre que é contra alguns dogmas da igreja e acaba sendo excomungado, e que se apaixona por uma pianista com graves problemas de saúde. O filme foi gravado em Pernambuco e é baseado em um caso real acontecido em 2009. O longa foi exibido pela primeira vez, em 2011, em um festival de cinema na Itália. O consenso obtido pela crítica foi que, embora tenha boas ideias, as tramas e os personagens não conseguem ser bem desenvolvidos.[2] [3] [4] [5] [6]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Roberta (Maria Padilha), uma pianista clássica bastante conhecida, está em um concerto quando sua doença renal crônica começa a afligi-la então ela recebe assistência médica no hospital onde Cesár (Gabriel Braga Nunes) trabalha, conhecendo também seu irmão, padre José (Fábio Assunção), que começa a se apaixonar por ela. Em meio a isso, o padre, que busca pela razão e está cheio de dúvidas, se posiciona a favor do aborto de uma menina de doze anos que foi estuprada por seu tio e fica grávida de gêmeos. No entanto, o bispo (Nicolau Breyner) excomunga a garota junto de sua mãe e do médico que o realizou, mas não o estuprador, irando o padre, que também recebe alguns dias de exclusão.[2]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Inicialmente a produção se chamaria Amor Sujo, o que foi mudado em maio de 2010,[9] mesmo mês em que começaram as gravações em Recife e Olinda, que duraram cinco semanas.[7] [10] O filme é baseado no caso ocorrido em 2009 de uma menina que foi estuprada por seu padrastro em Alagoinha, no estado do Pernambuco,[11] e abortou o feto.[12] Em País do Desejo, Maria Padilha tocou piano, o que foi pedido por Caldas dois meses antes da gravações, que sabia que ela já havia estudado na adolescência.[13] A fim de se preparar para o papel, Fabio Assunção se encontrou com vários homens que abandonaram o celibato para se casarem.[14] Paulo Caldas comentou que fez o filme com a intenção de provocar a igreja.[12]

Lançamento e recepção[editar | editar código-fonte]

O filme foi exibido pela primeira vez em junho de 2011 no Festival de Cinema de Taormina, estreando no Brasil em 8 de agosto de 2011, durante o 39º Festival de Gramado.[15] No mesmo ano, em novembro, também foi exibido na 35ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo,[13] estreando no circuito de cinema português em 26 de janeiro de 2012[12] e no Brasil em 25 de janeiro de 2013, em nove salas.[7] [16]

País do Desejo recebeu criticas geralmente negativas dos críticos especializados.[17] Alysson Oliveira do Cineweb criticou o filme por não conseguir explorar tudo o que a trama oferece e não explorar o potencial dos protagonistas—Maria Padilha e Fábio Assunção—, fugindo do foco principal com "cenas, personagens e situações sem muito a dizer".[7] Natália Bridi do site Omelete elogiou o fato de País do Desejo fugir dos arquétipo de filmes "pão e circo", mas concluiu que "a ideia de Caldas, contudo, é maior que sua capacidade de execução", dizendo que o longa "ora mostra seu empenho para criar 'imagens fortes', ora revela um desenvolvimento preguiçoso, com diálogos artificiais e personalidades rasas."[5] Daniel Schenker do jornal O Globo disse que o roteiro precisa de uma "construção mais refinada", criticando algumas falas que "batem na tela de maneira artificial" e os personagens "postiços ou quase destituídos de função."[6] Ana Carolina Garcia, do SRZD.com, e Roger Lerina, da Zero Hora, criticaram a fotografia e a direção de arte, com ela também dizendo o mesmo sobre a montagem, o figurino e o roteiro.[4]

Referências

  1. Sete filmes portugueses na mostra de São Paulo. RTP (14 de outubro de 2011). Página visitada em 16 de junho de 2013.
  2. a b Farid, Jacqueline (23 de janeiro de 2013). País do Desejo. Almanaque Virtual. Página visitada em 16 de junho de 2013. "As duas tramas, potencialmente fortes dramaticamente, não são desenvolvidas"
  3. Almeida, Gabriela (25 de janeiro de 2013). A falta de surpresas em 'País do desejo'. Revista Continente. Página visitada em 16 de junho de 2013. "Essa seria uma história com muitos elementos pra dar certo [...] No entanto, [...] o desenvolvimento da narrativa acaba partido e quem assiste ao filme não consegue estabelecer laços com as histórias contadas."
  4. a b Garcia, Ana Carolina (24 de janeiro de 2013). ‘País do Desejo’: o filme da hóstia com ketchup. SRZD.com. Página visitada em 16 de junho de 2013. ""País do Desejo" tinha tudo para ser um bom filme, porém é uma produção fraca que se perdeu em sub-tramas, sem nem ao menos apostar suas fichas na história principal."
  5. a b Bridi, Natália (24 de janeiro de 2013). País do Desejo | Crítica. Omelete. Página visitada em 5 de junho de 2013.
  6. a b Schenker, Daniel (24 de janeiro de 2013). Com delicadeza, mas sem ir além. O Globo. Página visitada em 5 de junho de 2013.
  7. a b c d e f g h Oliveira, Alysson (24 de janeiro de 2013). Estreia: Nacional 'País do desejo' aborda embate entre religião e ciência. G1. Página visitada em 5 de junho de 2013.
  8. a b c d País do Desejo. Filmow. Página visitada em 5 de junho de 2013.
  9. Deliberação Nº 87 de 11 de maio de 2011. Ancine. Página visitada em 16 de junho de 2013.
  10. País do Desejo: Você Sabia?. AdoroCinema. Página visitada em 16 de junho de 2013.
  11. Baptista, Renata (4 de março de 2009). Igreja Católica protesta contra aborto de menina violentada em Alagoinha (PE). Folha de S. Paulo. Página visitada em 16 de junho de 2013.
  12. a b c Estréia em Portugal filme brasileiro sobre o caso de Alagoinha. Causa Operária (26 de janeiro de 2012). Página visitada em 16 de junho de 2013.
  13. a b (3 de novembro de 2011) "Fabio Assunção participa de première de 'O País do Desejo'" (939). Página visitada em 16 de junho de 2013.
  14. Sant’Anna, Thaís (23 de janeiro ed 2013). Fabio Assunção: “Dirigir é mais tranquilo”. Internet Group. Página visitada em 16 de junho de 2013.
  15. Almeida, Carlos Helí de (9 de agosto de 2011). Gramado tem noite de decepção em dose dupla. Veja. Página visitada em 12 de julho de 2013.
  16. País do Desejo. Ancine. Página visitada em 12 de julho de 2013.
  17. Críticas de imprensa sobre o filme 'País do Desejo'. AdoroCinema. Página visitada em 4 de junho de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]