Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Em vermelho, a localização dos PALOP em África, os círculos vermelhos no mar são Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. O mapa inclui, erradamente, a Guiné Equatorial, país que não é PALOP.

Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (acrónimo PALOP) é a expressão usada como referência aos países africanos que têm a língua portuguesa como oficial. São eles: Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe.

Estes países vêm firmando protocolos de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento com vários países e organizações nos campos da cultura, educação, economia, diplomacia e preservação da língua portuguesa. Um exemplo é o Projeto Apoio ao Desenvolvimento do Sistema Judiciário cofinanciado pelo governo português.[1]

Está em processo de estudo e discussão para a criação do "Escudo PFL" uma moeda única para esses países e Timor-Leste, o único país lusófono da Ásia, que desde 1999 adota o dólar estadunidense como sua moeda oficial.[2] Escudo era o nome da moeda de Portugal entre 1911 e 2002, a sigla "PFL" seria o acrónimo de "Pacto Financeiro Lusófono".

FORPALOP[editar | editar código-fonte]

Os líderes dos países membros do informal "Grupo dos Cinco" reuniram-se na "Cimeira Constitutiva do fórum dos cinco Países Africanos de Língua Portuguesa", que teve lugar em Luanda em 30 de Junho de 2014, e decidiram criar o FORPALOP, uma organização de intervenção política e diplomática comum.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências